quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Resumo do 2.º dia de escola

O dia começou com relativa serenidade.

A Leonor estacou, tipo mula, à porta da sala do acolhimento e tive de a empurrar em peso. A Tita ficou perturbada com o choro de uma coleguinha e esboçou o seu próprio choro que rapidamente passou.

Ao fnal da tarde, quando as fui buscar a casa da avó, engraxaram-me, com sorrisos e beijos por todo o corpo, para que as levasse ao parque infantil.

Como é óbvio não resisti e disse-lhes que as levaria lá 5 minutos porque durante a semana não havia muito tempo para ociosidades.

Com o seu saber matemático, a Leonor disse logo "5 não, mãe, 10". Encantada pelo facto de a miúda já saber os múltiplos de 5, cedi novamente.

Sim senhor, disse eu, ficam lá 10 minutos mas assim que eu chamar vocês saem sem reclamar.

Lá fomos, estivemos os 10 minutos prometidos, saímos e... começou o habitual teatro de rua de D.ª Maria Leonor, com as suas birras monumentais e berros estridentes.

Quando entrámos em casa, começou uma sessão de luta greco-romana entre as duas manas, com a pequena a querer ver a Pipi das Meias Altas e a grande a querer ver os "3 porquinhos". A solução foi desligar o DVD, dizer-lhes para conversarem e se entenderem quanto ao filme que iriam ver em 1.º lugar e virem à cozinha transmitir-me a conclusão a que tinham chegado.

Passados uns minutos, a Leonor (em mais um dos seus rasgos de genialidade) veio dizer-me que já tinham falado e que tinham escolhido a Pipi. Claro que não falaram, mas tive de me render à jogada da espertinha que percebeu que devia ceder para alcançar os seus intuitos.

Lá viram o filme, sempre a rabuja,r e a certa altura tiveram mais uma daquelas reais pegas, que terminou com o envio da Tita de castigo para o quarto e um grande punhado de cabelos arrancados à Leonor deitado pela sanita abaixo.

A culpa desta agitação é, creio eu, do sono. Chegam exaustas ao fim do dia, as pobrezinhas. Curiosamente,  o sono parece desaparecer na hora de deitar, altura em que ficam eléctrias e só querem brincadeira.

Depois da história contada pela mamã e pela oração da noite, adormeceram como uns anjinhos.

Ufffffff

1 comentário:

  1. vamos ver hoje como decorre o dia das "pestinhas"; confesso que o berreiro da Nô-Nô, ontem, ao vir contrariada do Parque, assustou-me porque tudo o que era gente que passava na rua olhava na vossa direcção, e temi que chegassem técnicos de protecção infantil, Eh!eh!eh!

    ResponderEliminar

Obrigada por dar vida a este blog.