quinta-feira, 29 de setembro de 2016

O meu cérebro é que manda

E a frase do dia é "o meu cérebro é que manda ".
Se a minha mais nova soubesse ler, diria que andava virada para livros de auto-ajuda.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Cantilenas

Tantas vezes repeti cantilenas e só agora percebo como são coisa para esfrangalhar os nervos de uma mãe. E a minha ouvia-as a 3 vozes, a pobre. Acho que lhe devo um pedido de desculpas.

Saudação ao sol

Ao acordar, lembrei-me de uma amiga que me aconselhava a fazer a saudação ao sol todas as manhas. Infelizmente, o dito ainda não tinha acordado pelo que fiquei pelas intenções.
Por sorte, para compensar, fui brindada com um episódio novo da lady Bug.  Não  é  maravilhoso?

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Aos mil chegarás,dos dois mil não passarás

Ao longo da vida já tive (todos tiveram, imagino) momentos em que parece que o mundo vai acabar.A verdade é que, no dia seguinte, abrimos os olhos e percebemos que as teorias milenaristas não passam de interpretações distorcidas da verdade. A vida é um constante devir. E a malta está cá para a lhe dar luta e gozar.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Sapatilhas novas vs Salvar o mundo

- Leonor, hoje não vás para a caixa de areia senão estragas as sapatilhas novas. - Mas mãe, eu tenho de salvar o mundo e é lá que fica o alto mar! Nota minha- sou mesmo fútil

domingo, 25 de setembro de 2016

Maneiras de comprar o céu

- Mãe, é este ano que vou poder comer aquela bolachinha boa? - Leonor, já te disse que não é uma bolachinha e não se diz comer. Diz-se comungar. Primeiro tens de fazer a primeira comunhão, por isso só quando andares no terceiro ano é que vais comungar. - Mana, depois pedes uma bolachinha para mim? Uns pagam o dízimo, outros cravam hóstias. Tudo vale para comprar o céu.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Até ao fim

Apesar de ser filha de um melómano, cuja discoteca tem milhares de cd´s de estilos que vão do fado ao Heavy Metal, sempre fui de ouvir as mesmas músicas, em modo repeat, durante meses. Ou seja, não sei tirar partido daquela infinda colecção e, embora me penalize por isso, persisto no erro pois passa-me ao lado muita beleza. Por isso é que tenho o Youtube como uma das 7 maravilhas do mundo. Clico sempre na mesma música inicial, mas os algoritmos vão-se sucedendo e, sem dar por ela, acabo por descobrir preciosidades como esta. Vejam se gostam, como eu gostei.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Garra do diabo

À conta da maleita de que falei ontem, foi-me prescrita a aplicação de um emplastro para alívio da dor.

Raramente leio as bulas dos medicamentos mas ao pegar na embalagem deste saltou-me à  vista a composição.
Nada mais nada menos que extractos naturais de garra do diabo e castanha de cavalo. Oxalá não morra da cura. Cruzes credo.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Doenças do computador (e do código do trabalho )

Fui oficialmente acometida daquilo a que o ortopedista chamou "doença do computador", causada pela forma como apoio os braços, em especial o esquerdo não raras vezes pousado em cima do código do trabalho enquanto escrevo pomposos e.mails.
A coisa, de seu nome compressão do nervo cubital, dá umas dores do catano e a resolução passará pela correcção da postura, tarefa que não se afigura fácil.
É  do diabo, corrigir erros de uma vida.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

"Esquecedora"


Aos 5 anos, a minha caçulinha está numa fase encantadora, em que procura utilizar palavras caras para a sua idade.

A coisa nem tem corrido muito mal. 

Pelo meio vai usando e abusando dos adjectivos, em regra para criticar determinadas atitudes do papá e da mamã, e a este nível é criativa ao ponto de enriquecer o meu vocabulário/cultura geral com palavras como "esquecedora", que eu pensava ser inventada mas após pesquisa percebi já existir.

"Significado de Esquecedor

adj. e s.m.Que, ou o que produz esquecimento"
 
Não é bem o que a Tita me queria chamar (basicamente estava a acusar-me, diga-se que justamente, de ser muito esquecida) mas teve o efeito útil de fazer com que aprendesse algo novo.

sábado, 17 de setembro de 2016

Só aceito lições de moral de quem mas saiba dar

Quando, nas discussões de adolescente com o meu pai, ele me dizia que só aceitava lições de moral de quem lhas soubesse dar, ficava furiosa com aquilo que me parecia um atestado de menoridade.
E só hoje consegui perceber o significado da expressão que agora interpreto como - só aceito lições de moral de quem a tenha e (condição cumulativa) saiba do que está a falar.
Exemplo académico _ não aceito críticas por não contribuir para o peditório do Banco Alimentar contra a Fome feitas por quem não se preocupa sequer em saber se eu ajudo outraa instituições.
De modos que precisei de 25 anos para perceber o meu pai (sou de compreensão lenta) mas cheguei lá e isso é que interessa. Talvez seja a isto que se chama o dom do discernimento.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Jasus

Há uma épocas atrás admirava aquilo que achava ser a segurança deste homem  que o fazia indiferente a gozos e provocações. Agora não sei se é seguro ou simplesmente alucinado.
Seja como for,  vai fazendo com que me ria e isso é sempre bom (digo eu com os nervos)

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Avós, os melhores dos advogados


Indo à origem etimológica para palavra, Advogado é aquele que é "chamado a", o que defende, intercede, consola.
 
No fundo, todos os avós são advogados.
 
 
 
retirado algures da net
 
 
 
Conversa imaginária
 
-Mãe: quantos erros deste no ditado, hoje?
-Filha: 4
-Avô: 3 deles não foram bem erros; foram só faltas de acentos por distracção

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Bolas de salão pelo linfoma (15 de setembro -Dia Internacional do Linfoma)

Não sei se fazer bolas de sabão pelo linfoma é a melhor forma de expressão, mas sei que é essencial desmistificar a doença. Não poderei estar em Lisboa, mas farei bolas de sabão no meu imaginário. Aliás, faço-as todos os dias. Afinal sou uma das 1700 de que fala o video.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Desabafos de uma mãe no regresso às aulas

Setembro é capaz de ser, com grande probabilidade, o mês mais stressante do ano. A juntar à neura do fim de ferias, o grande desafio familar que representa o regresso às aulas.
Cá por casa a coisa está a ser relativamente pacífica já que as patroas tiverem a sorte de manter as respectivas professoras e a maioria dos amigos mas, ainda assim, andamos  à nora, com tanto material e horários a fixar.
Não vejo a hora para que chegue Outubro, mês em que quero acreditar a coisa encarreire.

Irmandade (quando uma foto vale mais que 1000 palavras)


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Felizes os que acreditam ser terem visto

A Leonor tem 7 anos e acredita na fada dos dentes.

Isto nada teria de extraordinário, não fossem todos os lapsos da dita fada.

Desde dentes que voltam a aparecer em casa (não há esconderijos que escapem a estas cuscas) até noites em que a fada não passa por excesso de trabalho, não faltam indícios sobre a identidade da fada. E a Leonor não é, propriamente, uma criança desprovida de perspicácia.

A Leonor acredita na fada dos dentes porque quer muito acreditar. Acredita e fica feliz porque apesar de ela não ter aparecido na noite em que devia, compensou-a na noite seguinte com a generosa oferta de um euro, valor muito superior aos vinte cêntimos que o avô lhe prometeu em troca do mesmo dente.

E eu chego a sentir uma pontinha de inveja de tamanha vontade de acreditar e ser feliz só por a ter.

"Felizes os que acreditam sem terem visto"(São João 20, 19-31)

Conselhos aos pais de crianças em fase de mudança de dentição

Sejam previdentes e munam-se de trocos. Nunca se sabe a que horas a fada dos dentes tem de entrar em acção e é extremamente embaraçoso, dada a parvoíce dos argumentos que ocorrem no momento, ter de explicar a uma criança os motivos que podem ter levado a mesma a não ter passado lá por casa na noite em que o devia ter feito.

Acreditem em mim.

domingo, 11 de setembro de 2016

Maganas das miúdas, que me levaram às lágrimas

A Tita estragou uma tesoura da irmã e veio ter comigo aflita. Disse-lhe que deveria contar-lhe a verdade e pedir desculpa, explicando ter sido sem querer, e que a Leonor iria certamente perceber.

Contrariamente ao que imaginei, seguiu o conselho à risca.

A Leonor, claro, ficou furiosa e fartou-se de  ralhar. Perante esta reacção, a Tita foi buscar a sua tesoura (igualzinha à que partira), tornou a pedir desculpa e disse à irmã que lha dava.

Este gesto, deixou a Leonor sem chão. Recusou a tesoura, disse que era da irmã que assim ficaria sem ela e chorou desalmadamente "porque devia tê-la desculpado logo".

A  Tita sentiu a dor da irmã e resolveu tudo, ao sugerir que partilhassem a tesoura da qual são, agora, comproprietárias.

No final, quem chorava era eu mas de emoção peranta tão rara cena de sensatez e sincero arrependimento das minhas crias.

Em dia de encapar os livros

Hoje, dia de encapar os livros da Leonor, é impossível deixar de lembrar o meu avô que o fazia com uma minúcia e perfeição incomparáveis aproveitando cada pedacinho de plástico que sobrava para os seus próprios livros, ignorando os seus motivos mais ou menos infantis.

E é uma emoção ver os livros, de música, filosofia, história que o avô d ..., com capas aos corações vermelhos ou bonecos, que ajudam a mantê-lo vivo, assim como às memórias de outros regressos à escola.

sábado, 10 de setembro de 2016

Lições que uma ida ao mercado nos dá

Basta uma ida ao mercado para perceber que andamos anos a ser gamados ao comprar couve para caldo verde em mini, super e hipermercados.
Juro que nem quero imaginar o que já teria comprado com o diferencial. Isto para nao falar na diferença nutricional devida à ausência de caracóis e lesmas.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Direitos dos pais no primeiro dia de aulas

O primeiro dia de aulas devia conferir aos pais o direito automático a 5 dias de baixa remunerada, devido à ansiedade sofrida nos dias preparatórios e no momento do adeus à criancinha que chora e vomita até ao momento em que vê as costas dos chantageados e passa a ficar na maior. Dureza.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Felicidade em estado puro

Ir na rua e ser saudada, por uma criança desconhecida, com um "olá mãe da Tita e da Leonor". Uns chamam-lhe perda de personalidade l.Para mim é felicidade em estado puro.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Amoque

a·mo·que (francês amok) substantivo masculino 1. Acesso de loucura furiosa e homicida. 2. Reacção súbita de mau humor ou irritabilidade. "amoque", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/amoque [consultado em 07-09-2016]. O medo que tenho que me dê uma coisa destas.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Gestos que podem ser mal interpretados

Se alguém me tiver visto a tirar a aliança antes de entrar para uma consulta médica,tenha calma que posso explicar tudo e o motivo nada tem de novelesco. É só porque a razão da consulta se prende, previsivelmente, com algum tendão, osso ou qualquer outra coisa que passa pelo dedo anelar da mão esquerda, aquele que terá ligação directa ao coração segundo os mais românticos.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Sassaricando "Me tô dividida"

Parece que estreia hoje à tarde uma versão moderna da novela Sassaricando, facto que está a deixar-me "divididinha" entre a vontade de me reformar para poder refastelar-me no sofá a ver a coisa e a de que o meu tempo enquanto "trabalhadora activa" passe vagarosamente.

sábado, 3 de setembro de 2016

O dia em que levámos o avô ao restaurante chinês

Este cartoon, que vi algures na net, fez-me lembrar o dia em que levámos mo meu avô a um restaurante chinês.

Conseguir que saísse de casa foi, por si, um fenómeno raro, já que vivia embrenhado nos seus livros e gostava pouco de o fazer.

Fazê-lo para ir a um restaurante chinês então, nem sei como qualificá-lo.

O avô foi, num momento que nenhum de nós esquecerá, mas ficou desolado. O restaurante não tinha pão!!!

Pedindo desculpa ao avô, que não gostava de palavrões, não resisto em partilhar.

Por outras palavras

"E deixar-me devorar pelos sentidos E rasgar-me do mais fundo que há em mim Emaranhar-me no mundo E morrer por ser preciso Nunca por chegar ao fim"


Como é que eu vivia antes do youtube me dar a conhecer estas preciosidades?

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

COMO A PSP NOS FALA AO CORAÇÃO (ou das melhores coisas que tenho visto nos últimos tempos)




Como navegante do facebook tenho vindo a acompanhar a forma fabulosa como a PSP tem utilizado as redes sociais para, de forma ligeira e muitas vezes ousada, chegar a cada um de nós, com campanhas de alerta e sensibilização.

Para saberem um pouco mais leiam ESTA notícia.

Das melhores coisas que tenho visto nos últimos tempo, sem dúvida.

O terço rezado pela Leonor

Ontem as patroas andaram a vasculhar as minhas gavetas e descobriram dois tercos.
Vieram ter comigo para saber o que era aquilo e, ouvida a explicação, pediram para as ensinar a rezar.
Assim fiz e fui surpreendida pela insistência da Leonor para que o rezassemos efectivamente  (a Tita é mais dada às coisas da fé ).
Lá comecei, curiosa para ver qual seria a resistência das fiéis, e tive de sorrir com a reacção da Leonor ao perceber que se reza a Ave Maria toda, 10 vezes em cada estação.
Considerando que assim seumia cansativo, resolveu fazer uma adaptação e dizer só Ave Maria até chegar ao Pai Nosso. Ainda assim, adormeceu lá para a sétima 😊 mas foi um momento especial de partilha e aprendizagem mútua.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Eder. O Campeão vai nú

 
 
Alguém me expliquei a, aparentemente, inevitabilidade de uma vitória/conquista pessoal dar origem à mostragem de bíceps e pelos púbicos (ou pelo menos da área onde é suposto os mesmos existirem)
 
 

Discutir e aprender

Depois de uma longa e intensa disputa:

-Pronto, vou brincar um minuto e meio e depois dou-te isto.
- Isso é muito tempo!
-Não é não! 1 minuto são 60 segundos.
- 60!!! Mas isso é muito!
- Estou a falar de segundos e não de minutos. Se fossem 60 minutos era uma hora. Assim são só 90 segundos porque 1 minuto tem 60 segundos e meio minuto são 30 segundos.