sexta-feira, 31 de julho de 2015

É oficial, a Tita vai para a pré.

E eis que se cumpre o 1.º objectivo definido pela Tita quanto ao seu percurso "académico". Ir para a escola da mana.


A Tita teve vaga na pré. A minha benjamin inicia assim, em Setembro, uma nova etapa juntamente com o seu grande ídolo "a mana", que vai para a primária.


Isto é muita fase nova para o coração desta mãe.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Dia triste (mas também de esperança) para os beiramarenses

Soube-se hoje que o Sport Clube Beira Mar, o clube do meu coração, vai jogar na 2.ª divisão do campeonato distrital da Associação de Futebol de Aveiro.


Confesso que não fazia sequer ideia  de que havia mais do que uma divisão nos campeonatos distritais.


É um dia triste para os beiramarenses mas acredito que, no fundo, sintam alguma esperança de que este bater no fundo seja o impulso de que o clube precisava para, lentamente, voltar à tona qual Fénix renascida das cinzas.


 Quero mesmo acreditar nisso.  E quero estar lá, no velhinho Mário Duarte, a apoiar os meus jogadores no 1.º jogo desta prova de fogo que se avizinha.


Para quem não leu, aqui fica o comunicado da Direcção.




COMUNICADO
Vimos pelo presente informar os associados e adeptos do nosso clube, bem como, todos os aveirenses e comunidade desportiva nacional, que a equipa sénior de futebol do SC Beira-Mar disputará, na época 2015-2016, a 2ª divisão do campeonato distrital da Associação de Futebol de Aveiro.
Como é do conhecimento público, após a reprovação da candidatura da SAD à 2ª liga profissional e face à iminente declaração de insolvência daquela sociedade, a Direção do clube procurou, honrando a longa história da nossa instituição de férrea determinação na resistência à adversidade, despoletar todos os mecanismos legalmente admissíveis no sentido de conseguir reverter para o clube o direito desportivo de participação nas competições federadas de futebol sénior.
Nas últimas semanas, esta Direção desenvolveu todos os esforços possíveis para conseguir uma solução que, a concretizar-se, permitiria ao clube participar no Campeonato Nacional Seniores (CNS). Nesse sentido, foram concretizadas várias diligências e procedimentos, tendo o nosso clube contado com a prestimosa colaboração de várias entidades, entre as quais destacamos a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), a Associação de Futebol de Aveiro (AFA) e a Câmara Municipal de Aveiro (CMA), que estiveram ao lado do clube em todo este processo. No entanto, não obstante todo o esforço desenvolvido, a admissibilidade da solução jurídica preconizada esbarrou na impossibilidade de se obter, em tempo útil, uma decisão judicial que determinasse a imediata insolvência da SAD e permitisse ao clube assumir o respetivo direito desportivo de participação no CNS. Apesar das várias insistências efetuadas pelo advogado do clube, pelos Srs. Administradores Judiciais da SAD e do clube, bem como, pelos principais credores da SAD, o Sr. Juíz entendeu que, não obstante as decisões que venham a ser tomadas posteriormente, ainda não estão reunidas as condições processuais necessárias para decretar a insolvência judicial da SAD e, por conseguinte, autorizar desde já a requerida reversão do direito desportivo de participação nas competições federadas de futebol para o clube, o que, face aos prazos impostos pela FPF para o início da competição, inviabiliza a participação do SC Beira-Mar no CNS. Tendo ainda em conta que a SAD não se inscreveu no CNS e o clube está impedido de o fazer pelas razões já aduzidas, a FPF irá convidar um clube doutra associação de futebol do país a assumir a vaga deixada em aberto no CNS.
Face ao exposto, procedemos à inscrição da equipa sénior no campeonato distrital da 2ª divisão da AFA, cujo sorteio está agendado para o dia 01 de Setembro e cuja competição se iniciará no dia 20 do mesmo mês.
Neste que é, seguramente, o pior momento da história do nosso clube, cumpre-nos lançar uma profunda reflexão sobre os erros que foram cometidos nos últimos anos e que conduziram a nossa quase secular instituição, que é reconhecidamente uma das mais prestigiadas da região de Aveiro, para esta situação de total ausência de património e declínio desportivo.
Continuamos a acreditar na FORÇA DO SC BEIRA-MAR, mas o futuro terá que ser planeado e estruturado sobre uma base sólida de compromisso institucional e social, o que só fará sentido se o clube souber recuperar os valores que estiveram na origem da sua fundação e congregar os Beiramarenses e Aveirenses em torno duma estratégia de desenvolvimento que seja aglutinadora da vontade de toda uma comunidade em torno deste seu símbolo maior.
Esta Direção irá solicitar o agendamento urgente duma reunião do Conselho Beiramarense, a convocação duma assembleia geral de sócios, bem como, solicitar reuniões com a CMA e outras entidades da região que possam contribuir para a definição dum projeto de recuperação e desenvolvimento do clube, bem ainda, de afirmação da vontade dos associados no prosseguimento da sua atividade.
Face ao momento que estamos a viver, apelamos aos associados, atletas, treinadores, seccionistas, colaboradores, parceiros e patrocinadores que nos ajudem a arrancar a nova época desportiva nas modalidades atualmente em atividade, bem como, a prosseguir os trabalhos de recuperação do Estádio Mário Duarte, cuja infraestrutura tem uma marca identitária forte e um indubitável significado histórico, que não pode deixar de ser perspetivado como o ponto de partida para uma nova fase, de crescimento, da vida do clube.
Com o fim inevitável da malfadada SAD, o clube voltará a ser o dono do seu destino.
Os sócios voltarão a ter nas mãos o futuro da instituição.
O Beira-Mar voltará aos Beiramarenses.
E unidos, acreditamos, vamos conseguir reerguer o SC Beira-Mar!!!
Eia Avante, Sem parar!!! Eia Avante, Beira-Mar!!!
Aveiro, 30 de Julho de 2015,
A Direção

Sobre o medo da recidiva

Leiam ESTE post maravilhoso sobre o medo da recidiva.


Posso dizer que me revi nele, de alto a baixo.


Só não consegui encaixar bem a última parte. Ainda estou na fase do "eu mereço".

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Cecil - afinal o tamanho interessa

Se perguntarem a alguns dos críticos da caça de animais de grande porte o porquê desta modalidade os incomodar mais do que a caça de animais pequenos, é provável que não vos saibam responder (falo por mim).


Certo, certo é que há casos em que o tamanho interessa e os "colegas" do leão Cecil que o digam.


Anda meio mundo indignado com o abate do leão mais bonito e garboso lá do sítio mas não ouço o mesmo alarido pelo abate dos magrinhos e pelados.


Será diferente o valor (tirando o facto de este dar dinheiro)?


PS Pudesse eu e também dava umas chumbadas, mas era no rabo de alguns energúmenos que por aí andam







Isso vai dar muito trabalho!

- Pronto Leonor, vamos fazer um negócio!


- Qual é?


- 3 noites secas e 3 dias sem birras e discussões com a mana, dão direito a um Ken (nota-se muito que nunca tive nenhum?)


- Ah! Isso vai dar muito trabalho!


E a conversa terminou ali.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Desfralde nocturno - essa aventura

Por cá continuamos com a aventura do desfralde nocturno.


Enchi-me de coragem e resolvi fazer a única coisa que me faltava (de todas as dicas que tenho lido) - deitar a Leonor sem fralda e envolvê-la no processo de muda dos lençois.


De referir que a rapariga está a adorar a responsabilidade de me ajudar a fazer a cama o que, no caso, é sínónimo de "tentativas frustradas".


De modo que as noites se adivinham animadas/molhadas.


Para ajudar à festa, a Tita pediu-me para começar também a dormir sem fralda e hoje será a 1.ª noite.


Desejem-me sorte e, já agora, partilhem dicas para um desfralde de sucesso.


NOTA
As pequenas raramente bebem líquidos depois do jantar e fazem xixi mesmo antes de ir para a cama. Já temos o mapa das noites secas e molhadas, a história do João que vence o xixi e fazemos os exercícios de reter o xixi.

Elucidativo

Anda uma desgraçada à procura de informação fidedigna. Chega ao portal da empresa que remete, e bem, para o município competente já que a ansiada resposta irá depender do regulamento municipal.

Chega-se ao site do município e ..... NADA.

Eis senão quando, já em desespero, se recorre às  FAQ ... et voilá. O conteúdo das mesma não podia ser mais elucidativo e vazio.


"Perguntas Frequentes

É correcta a afirmação - vamos à Câmara Municipal?
Não, o correcto é dizer: - Vamos à sede do Município. A Câmara Municipal é um órgão composto por um número definido de pessoas que se reúnem periodicamente"




segunda-feira, 27 de julho de 2015

Sabe mais que o padre

Depois de (mais) uma altercação:


Tita - desculpa e... lindinha. És linda daqui até ao sol, mãe!


Sabe mais que o padre, a cachopa.

Post sensorial

Não gosto de nada que me tolde os sentidos.


Sou incapaz de usar óculos de sol, phones.


Raramente, me apanham de luvas.


Dispenso perfumes e incensos que distorçam odores naturais.


Sou comedida em temperos, especiarias e afins.


Gosto das coisas como elas são ou ... simplesmente não gosto.











domingo, 26 de julho de 2015

Rota do algodão


 




Feliz Dia, avós

 
 
 
Feliz dia, avós. aqui na terra e lá no céu.
 
 

Surpresa boa

Ontem os afazeres familiares levaram-nos até à Rua Direita.


Há meses que não ia para aqueles lados e a surpresa não podia ter sido melhor.


Aquela rua está a (re)ganhar a vida que tinha nos meus tempos de menina.


Várias lojas novas e giras; uma decoração super criativa com objectos cobertos de peças de tricot dispostos por todo lado (lamentavelmente não tenho fotos) e o mais importante ... pessoas.


Só lá falta mesmo a D.ª Emília (a fotógrafa onde a minha avó me levava em bebé).

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Mais uma batalha, mais uma vitória

Ontem recebi uma notícia que me encheu as medidas.


Uma Amiga deu uma coça à besta do linfoma. O PET está limpinho e seguem-se agora algumas sessões de radio como precaução.


Porque a Amizade tem destas coisas de vivermos as alegrias e dores dos Amigos como se fossem nossas, não podia estar mais feliz e orgulhosa.


Parabéns Amiga. Venha agora o queijo e o vinho tinto (para mim pode ser ice tea de limão)

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Vai sem medo

E na sequência do post anterior , VAI SEM MEDO.








A Leonor vai para a escola primária ...

Em Setembro começa uma nova etapa na vida da Leonor e ando a controlar-me para não lhe passar a minha ansiedade.


Estou desejosa por ver a reacção da minha mais velha a esta mudança que é sinónimo do começo de um rol de responsabilidades que, daqui até quando for velhinha, não mais acabará.


À cachopa a coisa passa um pouco ao lado, mas já fez saber que necessita de um escritório e está preocupada com a (forte) possibilidade de a Tita a perturbar na hora de fazer os trabalhos de casa.


Está uma mulherzinha, a minha filha.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Post dedicado àqueles que nos matam logo ao saber o diagnóstico

Vejam AQUI 5 exemplos de desportistas que venceram o cancro e até voltaram à competição.

E posso acrescentar outro, aqui bem pertinho de nós, o GRANDE Pedro Tavares do SC de Coimbrões.

Agora, vão buscá-la (como se diz lá pr´ó Norte)

Despedida atribulada

Depois de uns dias de férias em que (como é habitual) encheu as sobrinhas de mimo, ontem foi dia da tia Dulce se despedir e regressar ao trabalho algures nos vários rios da Europa.


A despedida não podia ter sido mais atribulada, com a sr.ª d.ª Maria Leonor em prantos e gritos de uma dor, entre o real e o teatral (quando o mimo se mistura com o sono a coisa complica).


Mesmo sabendo que a cachopa estava a exagerar (e a precisar de um banho para ir directa para a cama), o momento incomodou. Não deixa de ser uma despedida por alguns meses (ainda que as novas tecnologias tornem as coisas bem mais fáceis).


Em todo o caso, a nossa emigrante lidou lindamente com a situação e percebeu que a alteração da sobrinha (mesmo sincera) teve muito de encenação.


Ah, um dos argumentos que utilizou (com sucesso) foi o de que está a chegar a tia Joana ... e os mimos também.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Timmings

- Tita, vem cá ajudar a mãe a apertar o fecho de vestido por favor.
- Já está.
- Obrigada minha querida.
-Olha, o teu cabelo ainda não está secado! (e faz festas no cabelo molhado).
- Pois não. Vou secá-lo agora.
- E eu vou lavar as mãos. Estão cheias de iogurte!

Sonhar com análises swot

Algum entendido em interpretação de sonhos me sabe dizer o que significa sonhar com análises swot (FOFA como dizem os nossos irmãos brasileiros)?


Mr. google não me eslarece (deve ser a 1.ª vez que tal me acontece).


PS


Tenho leves (pouco) desconfianças quanto ao significado deste sonho

sábado, 18 de julho de 2015

Estou que não me entendo

Estou que não me entendo e, certamente, hoje (e nos dias que antecederam este) não me recomendo.


O que vale é que chegou este dia e a oportunidade de me retirar (ainda que por breves 24 horas) para um lugar que me inspira paz e onde acredito irei reencontrar-me. Às vezes precisamos do silêncio para conseguir ouvir (perdoem-me o lugar comum)               

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Da série "Hoje não vou bater aos amigos" - dia 2

Diz que hoje correu bem (para o lado dos amigos).


E eu acredito, porque a cachopa conta (de sorriso rasgado) todas as que lhes dá.

Repete Neves, repete até perceberes

Não se deve teimar em apertar umas calças n.º 36, da Decenio, quando a última peça de roupa que comprámos é um 30 (correspondente a um 39) da Benetton.

As calças apertam, mas apertam tanto que corres o risco de cortar a circulação sanguínea.


quarta-feira, 15 de julho de 2015

Da série "hoje não vou bater aos amigos" - dia 1

Resolvi começar, com a Tita. um programa terapêutico (inventado por mim), tipo alcoólicos anónimos.


Todas as manhãs, antes de sair de casa, vai repetir "hoje não vou bater aos amigos".


Hoje foi o 1.º dia.


Ao chegar a casa fiz a pergunta sacramental dos últims tempos:


- Tita, hoje bateste aos amigos?


Silêncio profundo


- Ok, já percebi. A quem é que bateste?


- Mana, responde tu.


- Foi à Inês


Silência profundo


- E também bati a outra menina, mas a mana não viu (murmurado entredentes)

Que pena

Que bom que já só falta um mês para as minhas férias.


Que pena que vá chegar lá completamente chalupa.

A long, long time ago

Há uns bons 21 anos, mais ou menos por esta altura, estava a preparar-me para entrar no ano propedêutico da Universidade Católica.


A preparação para o exame de português incluia aprender técnicas de resumo de texto.


Lamentavelmente, já não me lembro de nada do que aprendi (à excepção de que o resumo do texto não devia ter mais do que 1/3 do tamanho do texto inicial - acho que é assim).


Na altura, adorei aquilo (sempre gostei muito de português), embora questionasse a utilidade da coisa.


O exame correu muitissimo bem (deixem-me babar um bocado) e a vida continuou sem que tivesse tido necessidade de recorrer aos conhecimentos obtidos.


Mas esta semana tudo mudou. Os próximos tempos vão ser passados a resumir textos, num processo tipicamente tuga de "construir casas começando pelo telhado".


Acho que vou ter de fazer regressão para ver se consigo recuperar algum dos ensinamentos do passado, isto acreditando que ficou algo lá no fundinho da minha limitada memória.


Tudo isto para dizer que, 21 anos depois, perceber a razão de ser daquelas aulas.


E pronto, agora vou ver se faço algo de útil e construtivo na vida.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Coisas sobre a minha avó

A minha avó tinha 43 anos quando eu nasci e criou-me até aos 5 anos.


Muito do que sou (na parte boa, sublinhe-se) devo-o a ela.


Com ela aprendi, por exemplo, que só devemos ter vergonha das asneiras que fazemos; que a vida só faz sentido se dermos algo de nós aos outros; que devemos apreciar e agradecer as coisas mais simples da vida (desde o raio de sol que nos bate na cara ao vento que despenteia o cabelo); que Deus só escolhe os guerreiros mais fortes (desculpa TP, sei que não gostas do termo) e não nos dá cruzes mais pesadas do que aquelas que conseguimos carregar; que "aos homens nunca se mostra a manga toda".


Lembro-me de ficar furiosa qando íamos Avenida abaixo e parávamos a cada 5 metros para que falasse com 1001 pessoas e de ficar muito vaidosa quando alguém dizia sermos parecidas (mesmo sabendo ser mentira); lembro-me também de ter ficado anos sem conseguir comer ovos estrelados por os ter enjoado (a avó fazia sempre aquilo que eu mais gostava) e de a avó nunca sair sem preguntar (insistentemente) se eu queria alguma coisa da rua (leia-se, se queria um docinho); lembro-me de ir com ela ao grupo de oração à 3.ª feira à noite.


Fui/sou muito mimada e sei que são estas memórias que manterão sempre viva a minha avó.

domingo, 12 de julho de 2015

Humor mais do que negro

- Mãe, vamos ali ver se hoje somos nós.


-Vamos onde Tita?


- Ali ver as fotografias daquela montra; para ver se hoje somos nós!




Ah,ah,ah. Ai, ó pá. Espero que não sejamos nós tão cedo.

Assumir a luta contra o cancro

ESTA foto da mulher de Passos Coelho, Laura, a assumir a sua carequinha (fruto dos tratamentos de quimioterapia)  foi vista e revista na semana passada, mas não consigo evitar falar nela.


A notícia fala em assumir a luta contra o cancro e, de facto, a coragem de mostrar a carequinha ao mundo é uma forma de o combater.


Isto porque o combate ao cancro vai muito além dos métodos terapêuticos. Tenho a certeza que esta imagem serviu de inspiração a muitas mulheres. A mim serviu, posso assegurar.


E não podia deixar passar o meu humilde gesto de reconhecimento pela coragem da Laura pois, enquanto figura pública de uma área tão sensível/suja quanto a política, não teve medo de ser escrutinada mesmo sabendo que o simples facto de sair de casa sem peruca, em vésperas de campanha, a iria sujeitar a comentários que nem merecem qualificação (perdoai-lhes Senhor).


Obrigada Laura e que esse sorriso permaneça sempre aberto.

sábado, 11 de julho de 2015

Vai uma mãe ao cabeleireiro para isto

- Mãe, hoje vais dormir com esse cabelo?


- Vou, claro.


- Ah ... o outro ficava muito melhor.


- Achas?


- Sim, mas ele vao crescer outra vez e ficar igual ao outro não vai?


É por estas e por outras que só vou ao cabeleireiro em casos de força maior. E agora vou até ali, esquecer que perdi duas horas do meu curto sábado para chegar a casa e ouvir este sincero (e revelador) comentário.

É por isso que o mundo anda equilibrado

Passei a semana a correr entre casa, infantário, trabalho, infantário, casa da avó, escola da Leonor, trabalho, escola da Leonor, infantário, casa da avó. Dia sim, dia não vinha dormir a casa (no dia não, estava de baby sitter da avó). E no meio disto tudo, no último dia de praia, D.ª Maria Leonor resolve fazer uma monumental birra pois ... precisava de uma folga e não queria ir à praia. Já a mim apetecia-me fazer birra por ir trabalhar. Curioso.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Happy 40´s

Querida Amiga e madrinha A empatia que senti, há já quase 15 anos, na 1.ª vez que falámos só podia dar numa das Amizades mais bonitas que tenho até porque és uma das pessoas mais linda e pura que alguma vez conheci. No dia em que entras na fase ternurenta da vida, aqui fica um miminho. Acho que vais gostar da música (pela recordação daquela viagem épica).Esquece o video (que é horroroso). Um grande beijinho de parabéns à melhor Amiga, Madrinha, Mãe (...) do mundo

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Queixas e mais queixas

E agora é todo o dia à minha história. Chego à escolinha da Tita e tenho um bando de miúdos a chamar "mãe da Tita, mãe da Tita! Ela hoje disse uma asneira; E diz um: disse p..... (bem explicado)"; vem outro e diz "não foi p..., foi filha da p ....".


Parece que a garota se está a tornar uma delinquente.

Os brinquedos a quem os encontra

Cheira-me que a minha mais velha está a desenvolver uma teoria nova, com laivos comunistas.

Ah, e as crianças não mentem. Efabulam (dizem alguns).

terça-feira, 7 de julho de 2015

Dias de mãe

Sabem aqueles dias em que as crias não cooperam, pela manhã, o que nos obriga a sair de casa sem acabar de secar o cabelo, depois de enfiar a primeira roupa que nos aparece à frente e esquecer a aliança em casa,  tudo para conseguirmos chegar a tempo ao autocarro que levará as ditas até à praia.


Aqueles dias em que nos sentimos um trapo amarrotado durante o resto do dia?


Hoje foi um deles.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Uns têm filhos, nós temos avós

Por um mero acaso esbarrei com este  blogue delicioso.
Não conheço as netas, mas fiquei encantada com a ideia e o gesto.


Vejam AQUI

Entender a falta de memória

Entender a falta de memória e distinguir entre um esquecimento normal do dia a dia e um sintoma de demência será das coisas mais difíceis que a vida nos apresenta.


Saber o que fazer quando vemos alguém querido a confundir o bidé com a sanita, a limpar as mãos na água que escorre do autoclismo e a limpar o chão (horas a fio) com as mãos é uma prova daquelas.


Hoje, depois de uma noite de baby-sitting à avó, deparei-me com ESTA notíica sobre um projecto da Associação Alzheimer e não pude deixar de a partilhar.


O papel desta associação, e outras que trabalham no sentido de minimizar os efeitos devastadores da demência na vida das famílias, é essencial.


 Este projecto, em particular, tocou-me já que trababalha com os mais novos. Aqueles que serão os cuidadores e, por isso mesmo, precisam de ser sensibilizados para uma questão tão delicada quanto esta.


As crianças não podem ser arredadas desta realidade e são muito importantes enquanto fonte de estímulo dos pacientes de Alzheimer. Como em tudo o resto, os afectos são a base que sustenta esta caminhada.




Ironia do destino, no final o que restará serão as memórias dos bons momentos partilhados.

domingo, 5 de julho de 2015

Um dia de cada vez

Antes de mais, peço desculpa se desapontar alguém com este post.

Costumo falar da minha experiência com o cancro de sorriso nos lábios e sei que é isso que  traz algumas pessoas a este blogue.

É verdade. Tive cancro. Fiz quimioterapia. Correu tudo muitíssimo bem e consigo sorrir ao contar a minha história, da qual me orgulho muito.

Mas é verdade também que passar por tudo o que passei (e vou passando) não é o mesmo que beber um refresco no final de uma tarde de verão.

Desde que "comecei nesta vida" (leia-se desde iniciei a quimio), faz este mês 6 anos, conheci muitas pessoas com doenças oncológicas.

Todas, sem excepção, com histórias bem mais complicadas que a minha no que à parte física se refere (quanto ao resto cada um sabe de si e há coisas não mensuráveis).

Durante este percurso fui perdendo algumas dessas pessoas, com as quais partilhava medos e experiências, mas também comemorava vitórias e aprendia a aproveitar as coisas mais pequenas (e importantes) da vida.  Por 3 delas, em especial, sentia uma empatia difícil de explicar.

Já antes de o cancro me tocar a mim, tinha perdido o meu tio/padrinho.

É, por isso, quase inevitável viver fases como a que agora atravesso em que as interrogações são mais que muitas.

Porquê? Para quê?  Porque não a mim?

Hoje, um Amigo especial que ganhei à conta do cancro (que isto não são só coisas más), perguntava-me se questionava a existência de Deus, ao mesmo tempo que me explicava que nem tudo é explicável à luz da Razão.

Deus será das poucas coisas que não questiono, ou já teria enlouquecido de vez.

Mas tenho de confessar que tenho dificuldade em perceber o porquê de Deus permitir certas coisas.

Daí dizer aqui, há dias, estar a precisar de me isolar/retirar.

Não sendo tal viável, vou continuando a viver. Um dia de cada vez.




sábado, 4 de julho de 2015

Tempos Modernos

Charlie Chaplin sempre actual


Dispensa para aleitação/amamentação

Ouvi hoje que o Bastonário da Ordem dos Médicos vai propor uma alteração legislativa no sentido de a dispensa para aleitação ser alargada para três anos, independentemente de a mãe amamentar ou não.

Como mulher e mãe trabalhadora considero, obviamente,  muito positivas todas as medidas que visem reforçar a protecção da parentalidade.

Infelizmente, a experiência diz-me que esta ideia é avançada demais para que, ainda que venha a ser adoptada, produza efeitos práticos.

A mentalidade portuguesa (detesto falar assim, mas é a verdade) ainda está muito fechada a essa modernice de conciliar a vida familiar e profissional.

E não se pense que o cenário é diferente havendo chefias femininas.

Presentemente, o que temos é o direito a uma dispensa para aleitação (dois períodos distintos de uma hora cada) até o bebé fazer 1 ano; no caso de a mãe amamentar, para além dos 12 meses, a licença para amamentação dura enquanto durar a amamentação que terá de ser comprovada através da apresentação de atestado médico.

A lei é omissa quanto a pormenores tão básicos quanto: quem é que define o período em que será gozada a dispensa" e com que periodicidade terá de ser comprovada a amamentação?

Presumo que o legislador tenha confiado no bom senso das partes. Acontece que este nem sempre impera e,  de facto, seria importante preencher estas lacunas.

Alargar a dispensa para aleitação para 3 anos, antes de se trabalhar as mentalidades das chefias é, talvez, querer dar um passo maior do que a perna.

A verdade é que, regra geral, já é um stress para uma mãe conseguir usufruir da dispensa para amamentação (até aos 12 meses). Gozar a dispensa para amamentação, depois dos 12 meses, então é um feito. Lembram-se da notícia recente daquela enfermeira? Transportem agora aquela mãe para uma empresa industrial e imaginem a cena.

Gostaria de ressalvar que não se pode generalizar e falo somente com base naquilo que tenho visto.

Agora a parte difícil. Como é que se mudam mentalidades ? (a hipótese transplante de cérebro não me parece viável).

A precisar de isolamento

Passei o dia de ontem com vontade de ir sózinha para o meio do monte, gritar e chorar.

Obviamente não o pude fazer (sou lá senhora da minha vontade!) mas,  à minha espera, estava uma terapia alternativa bem melhor.

Na festa de finalistas da Leonor, ri muito e chorei um bocadito (só que de emoção e alegria).

Ao chegar a casa, mais um baque. Partiu outra de nós e nem sei o que pensar.

Acho que estou mesmo a precisar de ir para o meio do monte, sózinha.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Parabéns Nônô

A minha mais velha teve hoje a sua festa de finalistas. Uma nova etapa se avizinha e eu não poderia estar mais feliz e orgulhosa. Parabéns Nônô.
 

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Semanas de praia = dores de cabeça

Há muito que não conto as minhas (des)venturas matinais, mas não tem sido por falta de assunto.


Esta foi a 1.ª semana de praia das cachopas, o que implica que tenham de estar na escola às 08h20.


Se fossem crianças "normais", acordariam bem dispostas e cheias de energia.


Como resultam de uma mistura de genes explosiva, as minhas crias acordam mal dispostas e cheias de problemas.


Ora dói a unha a uma, ora a ponta do cabelo a outra. Depois é o fato de banho que não agrada. A reivindicação de um bikini com soutien...


Pelo meio vão-se ouvindo as vozinhas estridentes das adoráveis meninas (e a minha, de desespero).


A morar a dois minutos da escola,conseguimos ser sempre das últimas a chegar.


Uma animação, estas semanas de praia.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Entretanto no SCP ...

... o ex-presidente, Sousa Cintra, escapou à razia e até teve direito a convite para ir à gala do 108.º aniversário do clube.

Luís Filipe Vieira

Goste-se, ou não, há que admitir que o LFV tem a máquina de marketing bem oleada.


E carrega, Nuno Luz.