quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Feliz 2010

Cá estamos nós no último dia do ano. Dia em que nos vestimos a rigor e junto, daqueles que escolhemos, caminhamos em direcção a um Ano Novo. Dia em que as expectativas e esperança se renovam.

Andava o pessoal cheio de medo que o mundo se acabasse no ano 2000 e já cá canta uma década. Por isso, não vale a pena stressar. Esperemos sempre o dia seguinte com optimismo. Em regra resulta e, mais cedo ou mais tarde, alcançamos os nossos objectivos.

Assim, o meu desejo para 2010 é que o optimismo se instale em cada um de vocês. Que mantenham uma alma de criança dentro do vosso coração ou até (no caso daquelas que o desejem) a própria criança, eh,eh.

Todos os restantes desejos são os mais elementares (e importantes também). Saúde, Amor, Paz, Emprego e alguns tostõezitos para ajudar à festa.

No meu caso pessoal, estou determinada a simbolizar esses bens tão preciosos numa mariscada com família e amigos. Alguns já saberão como ando a salivar por uns camarõezinhos há uns bons 16 meses. Em finais de Março deverei ter luz verde.

A mariscada ou outro menu que os comensais prefiram, que espero aconteça em todas as outras mesas deste mundo, significará saúde (a tal luz verde), união (entre aqueles que se sentam à mesa), emprego e €€€€€€ (para pagar a conta) .......

De resto, cá em casa só queremos um ano normal, seja lá isso o que for.

Uma grande mariscada para todos os meus amigos, reais e virtuais.

Beijinhos

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

O post que se impõe

Não poderia terminar o ano, sem fazer o habitual balanço. É inevitável. Acho piada a esta fase do ano em que, muitas vezes inconscientemente, fazemos retrospectivas como se a vida fosse uma novela cujo último capítulo termina, sempre, às 23h59m do dia 31 de Dezembro.

Tal como com a gravidez, tenho dificuldade em qualificar o meu ano de 2009.

Emocionante, complexo e cansativo são alguns dos adjectivos que me ocorrem. Nunca poderei dizer que foi mau, porque não o sinto. Teve, de facto, momentos muito duros, mas as memórias desses momentos são completamente ofuscadas pela hora de felicidade suprema que senti no dia em que dei à luz a Leonor.

6h36m, do dia 13 de Maio de 2009, será o momento que vou guardar para a eternidade e que definirá o meu ano de 2009. Ano de Vida.

Pode parecer conversa fiada, mas por todos os motivos que podem imaginar só tenho, neste momento, razões para celebrar a Vida.

Por isso, e porque esta época se presta a pirosices, deixo-vos um Hino à Vida escrito pelo Gabriel Garcia Marquez, texto que está afixado numa das paredes do IPO (pertinho da capela); retirei o último parágrafo, que não reflecte aquilo que pretendo neste momento.

Espero que gostem, tanto como eu.


"Se, por um instante, Deus se esquecesse de que sou uma marionete de trapo e me presenteasse com um pedaço de vida, possivelmente não diria tudo o que penso, mas certamente, pensaria tudo o que digo.

Daria valor às coisas, não pelo que valem, mas pelo que significam.

Dormiria pouco, sonharia mais, pois sei que cada minuto que fechamos os olhos, perdemos sessenta segundos de luz. Andaria quando os demais parassem, acordaria quando os outros dormem. Escutaria quando os outros falassem e gozaria um bom sorvete de chocolate.

Se Deus me presenteasse com um pedaço de vida, vestir-me-ia com simplicidade, deitar-me-ia de bruços no solo, deixando a descoberto não apenas o meu corpo, como minha alma. Deus meu, se eu tivesse um coração, escreveria o meu ódio sobre o gelo e esperaria que o sol saísse.

Pintaria, com um sonho de An Godo, sobre estrelas, um poema de Mário Benedetti e uma canção de Serrat seria a serenata que ofereceria à Lua.

Regaria as rosas com as minhas lágrimas para sentir a dor dos espinhos e o encarnado beijo das suas pétalas. Deus meu, se eu tivesse um pedaço de vida, não deixaria passar um só dia sem dizer às gentes: amo-vos, amo-vos.

Convenceria cada mulher e cada homem que são os meus favoritos e viveria apaixonado pelo amor.

Aos homens, provar-lhes-ia como estão enganados ao pensarem que deixam de apaixonar-se quando envelhecem, sem saber que envelhecem quando deixam de apaixonar-se. A uma criança, dar-lhe-ia asas, mas deixaria que aprendesse a voar sozinha.

Aos velhos, ensinaria que a morte não chega com a velhice, mas com o esquecimento. Tantas coisas aprendi com vocês, os homens...

Aprendi que toda a gente quer viver no cimo da montanha, sem saber que a verdadeira felicidade está na forma de subir a escarpa. Aprendi que quando um recém-nascido aperta, com a sua pequena mão, pela primeira vez, o dedo de seu pai, o torna prisioneiro para sempre.

Aprendi que um homem só tem direito de olhar um outro de cima para baixo para ajuda-lo a levantar-se".

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O meu lema para 2010

">

É oficial. O meu lema para 2010 será "Guardar só o que é bom de guardar", expressão que deve ser interpretada no seu sentido mais lato.

Danou-se

Danou-se. Desta vez é que foi, queimaram-se-me os fusíveis todos certamente. Só pode.

Então não é que está a voltar-me a vontade de ir trabalhar? Voltar à vida real.

Eu que estava quase a converter-me numa doméstica convicta, dedicada aos tachos e às panelas (que o resto dispenso bem).

Ontem lá fui buscar a minha pasta (que durante estes meses viajou quinzenalmente, praticamente intocada, entre a Feira e Alfena), os meus marcadores fluorescentes, post its e o meu querido Código do Trabalho.

Até tinha definido o tempo de estudo, tendo em conta o tempo provável de sesta da Leonor. Peguei no Código e o que havia de acontecer, começo a ouvir um grande palradeiro do outro lado da casa. Eu até queria, a pequena é que não colaborou. O meu estudo acabou quase antes de começar.

Mas estou decidida a entrar nos eixos. Que remédio. Tenho de readquirir ritmo.

Não é que tenha estado completamente parada todo este tempo, como já disse aqui mantenho o meu ritual diário de ler os sumários do Diário da República e vou estando atenta a tudo quanto se relaciona com a minha actividade profissional. Mas, como é óbvio, estou a funcionar a carvão.

Ah, deixem-me dizer que cumpri aquilo que me tinha proposto há tempos e li o Código Contributivo todinho. As idas ao IPO dão para tudo. Bem burra, o Presidente da República acaba de promulgar o adiamento da sua entrada em vigor. Isto só a mim. Bem, já fica lido. Pode ser que se venha a aproveitar alguma coisa.

Quanto ao regresso à vida normal, ainda não sei bem é como é que em 24 horas vou conseguir levantar a Leonor, vesti-la, dar pequeno almoço, tratar de mim, metê-la no carro, fazer 50 kms, deixá-la no infantário, trabalhar, ir buscá-la novamente, fazer os 50 kms de regresso, cozinhar (...). Mas a malta chega lá.

Deve ser só uma questão de organização. Digo eu.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

LEMBRETE URGENTE

Cá volto eu à carga, com um lembrete muito importante.

Quem está em condições de o fazer, e ainda não o fez, toca a ir doar medula óssea. É só uma colheita de sangue (tal qual uma análise) que pode salvar uma vida.

A Cá, de 4 anos, passou este Natal no IPO e ainda espera que o Pai Natal encontre dador compatível. Como ela, muitas outras pessoas pelo mundo fora.

A Suzzz, com o seu coração do tamanho do mundo, enfrentou o temporal que hoje se faz sentir e foi de propósito de Aveiro a Coimbra para doar medula. Boa Suzzz.

Bem, na verdade não sei se estava temporal (aqui na Feira está) nem se foi de propósito, mas sei que foi e que tem um coração do tamanho do mundo.

Deixo aqui algumas datas das próximas colheitas:

PORTO, 5 de Janeiro (10h-16h) Junta de Freguesia de Massarelos, R. Campo Alegre 244 / Tlf. 226061020/

http://www.ciberjunta.com/massarelos.html

PORTO, 12 de Janeiro (16h-19h) e 14 de Janeiro (14h-19h), Grande Colégio Universal - para se inscrever ir ao site: http://www.gcolegiouniversal.com/portal/

MATOSINHOS, 13 de Janeiro (11h-18h) Junta de Freguesia de Matosinhos, Rua Augusto Gomes, 313 / Tlf. 229380586 ou 229385252 / http://www.jf-matosinhos.pt/

LEIRIA, 16 de Janeiro (9h-12h30/14h-17h) Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - Instituto Politécnico de Leiria /R. Dr João Duarte, Apartado 4045/ Tlf. 244829400/ http://www.esecs.ipleiria.pt

LISBOA, 19 de Janeiro(12h-20h) Ginásio ClubePortuguês, Praça Ginásio Clube Português, nr 1 / tlf. 21 384 15 80

PORTO, 23 de Janeiro (10h-16h) Bombeiros Voluntários Portuenses, R. das Cruzes 580 / Tlf. 226 151 806

GUARDA, 23 de Janeiro (9h-16h) Centro Comercial Garden, loja 9 / Largo de S. João

Caso necessites questionar algo mais, envia um email para:

carmenzitapine@hotmail.com

Beijinhos da Cá

Um lugar de Paz



Hoje vou mostrar-vos um dos locais de que mais gosto (a foto foi tirada por mim), onde se sente uma serenidade inexplicável - o Santuário de Schoenstatt que fica na Gafanha da Nazaré (pertinho de Aveiro).

"Schoenstatt é um lugar cujo nome significa "lugar bonito" e está situado em Vallendar - Coblença, Alemanha. Aí se encontra o Santuário original onde nasceu o Movmento que leva o seu nome".

"Schoenstatt é um Santuário Mariano que está presente em todos os quatro continentes (40 países).

Em Portugal existem 4 Santuários (Braga, Vila Nova de Gaia, Gafanha da Nazaré e Lisboa).

O lema deste Santuário Mariano é "Nada sem Ti, nada sem nós". À imagem de Maria que simboliza o Santuário foi dado o nome "Mãe Três Vezes admirável". "Rodeando a imagem no Santuário está a inscrição "Servus Mariae nunquam peribit" - Um Servo de Maria nunca perecerá (S. Bernardo)".

Conheço o Santuário da Gafanha da Nazaré, que fica no meio de um pinhal. É um local silencioso e com uma luz que me encanta.

Comecei a ir lá em criança, com o meu avô que dava aulas de piano às freirinhas da Congregação e lhes afinava o piano. Delirava com aqueles biscoitos caseiros que me davam. Eu e a comida, não tenho remédio.

Aconselho vivamente a visita a este local, especialmente quando se sentirem mais agitados com os problemas que forem vivendo. Podem acreditar que, nem que seja só por um instante, vão esquecer tudo e voltar a casa muito mais leves e revitalizados.

Depois digam-me o que sentiram.

www.schoenstatt.pt

domingo, 27 de dezembro de 2009

Obrigada Tia Ursinha

Acabámos de saber que o nosso pc não sobreviveu à gripe suína e vai direitinho para o lixo.

Felizmente vai ser possível recuperar as fotos e outros documentos que lá estavam guardados e dos quais não tínhamos feito cópias de segurança.

Entretanto, a tia ursinha, sempre altruísta, emprestou-nos um dos seus portáteis para que possa continuar ligada ao mundo.

O papá Nelson já comprou um portátil, para substituir o defunto, mas jurei que só lhe toco em caso de vida ou morte. Tenho amor às minhas orelhas e não quero estar sempre a levar nelas :))

sábado, 26 de dezembro de 2009

Afinal o Pai Natal existe



Pois é, meus amigos, para minha grande surpresa, descobri que o Pai Natal existe mesmo.

Foram necessários 32 anos para chegar a essa conclusão mas, como diz o povo "mais vale tarde que nunca".

E das duas umas, ou eu me portei muito bem este ano ou então o velhote enganou-se nas entregas e houve malta qe ficou a ver navios.

Desde a televisão para a cozinha (que me fazia muitaaaaaaaaa falta), a um telemóvel (o meu estava mesmo a precisar de reforma), um voucher para um fim de semana num hotel de charme à minha escolha, uma agenda para "um regresso organizado à vida activa" (como dizia no embrulho), livros (um dos quais com um título que me derreteu toda - D.ª Leonor, a Princesa Perfeitíssima), uns presépios lindos, cremes (...).

Enfim, enganado, ou não, o velhote esteve um mãos largas e acertou na mouche.

Mas muito mais importante que isso foi passar a noite em família. Só faltou mesmo a minha mana Benjamin e a primaça Sandra para ser perfeita.

Este ano não pude ir à Missa do Galo, de que tanto gosto, mas tinha de fazer a viagem Aveiro-Santa Maria da Feira a conduzir e ao fim da noite sinto-me sempre muito cansada.

E assim se passou mais um Natal, o 1.º Natal da minha Princesa Rainha que andou a desfilar, vestida de Pai Natal, pelo colo de toda a gente, sempre bem disposta.

Passada esta importante festa, é tempo de encerrar as contas do Ano 2009 e elaborar a lista de desejos e objectivos para 2010.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

"Dilema"

Sempre me questionei como é que há pais que conseguem fazer com que os filhos acreditem no Pai Natal. Especialmente nos últimos anos, em que o Pai Natal chega aos shoppings em inícios de Novembro.

Acho uma ternura a inocência das crianças, e a forma como vibram com os presentes deixados pelo velhote de barbas brancas, e gostava de criar essa ilusão na Leonor.

Faço, no entanto, questão de lhe apresentar uma teoria, que tenho meia elaborada e da qual já aqui falei, que apresente o Pai Natal como mandatário do Menino Jesus.

A logística é que não vai ser fácil e daí o meu "dilema" para o ano de 2010.

É que com um avô que fica tão entusiasmado com as prendas que lhe compra, que as abre em pleno shopping para mostrar aos amigos e com uma avó que lhe dá uma prenda por cada dia do Advento, a minha tarefa não se adivinha fácil.

Eu nunca acreditei no Pai Natal. Também, como é poderia, se a minha mãe abria os presentes que as amigas lhe entregavam para me dar? Deve ser por isso que a minha mãe conta que eu não me mexia nos presentes que conseguiam permanecer intactos debaixo da árvore de Natal. É que eu gosto muito de surpresas que não são, de todo, forte da família.

Se alguém tiver dicas para me ajudar a "montar" esta ilusão e a marcar o imaginário da Leonor, agradeço.

BOAS FESTAS



Amor, muito Amor é o que vos desejamos neste Natal e Sempre. Com ele vem a Paz e Força para ultrapassar todos os obstáculos.

E porque a vida não é feita só de bens intangíveis, que tenham alguns euritos extra para satisfazer alguns prazeres aparentemente fúteis, mas também necessários.

Beijinhos da Família Neves Pinto

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

OH, OH, OH



Como o prometido é devido, cá vai um post sobre um jantar de Natal inesquecível.

Faz hoje 1 semana, fui ao jantar de Natal do meu trabalho. Deixei a pequena com o papá e voei até Aveiro.

Fiz questão de estar presente, por vários motivos. O jantar de Natal do ano passado realizou-se, precisamente, no dia em que recebi o diagnóstico sobre o meu bicharoco.

Nesse dia, trabalhei da parte da manhã e à tarde lá fui ouvir a sentença. Antes de sair do trabalho, a minha chefe e colegas disseram-me "vais e voltas para o jantar, independentemente do resultado".

Assim fiz. Apesar de, agora à distância, perceber que o meu cérebro bloqueou a verdadeira dimensão da informação recebida, claro que estava tudo menos feliz naquele dia.

O jantar deste ano foi, por isso, uma verdadeira festa. Além de ter calhado na mesa dos "mais malucos", só lá faltavam 2 oou 3 pessoas, comemos ao som de uma dupla indescritível, cuja qualidade vocal nos levou às lágrimas. Não sei onde os foram desencantar, sei é que se cantassem bem, teriam perdido a piada toda.

Para além disso, nunca perderia a hipótese de comer uma cabidela de leitão, que estava divinal.

Fiquei feliz também por ver que o GJ ficou muito bem entregue e seguiu a sua linha condutora. Está caótico, eh,eh,eh. Boa miúda.

Deixo-vos uma foto tirada com 2 grandes amigas (a tia Eva e a Madalena), com quem tenho tido umas sessões de terapia do riso que deixam qualquer Hodgkin abananado. Apesar de não ter fotos com outros colegas, posso garantir que estão todos no meu coração e não esqueço a força que me dão.

Ponto Final

Pois é, dito e feito. Foi hoje a última sessão de quimio.

Já experimentei, não gostei, não torno a fazer. Larguei as drogas que me devem ter feito mal aos miolos.

Hoje, que devia estar radiante, sinto um nó na garganta que já me levou a desentupir os canais lacrimais. Vá-se lá perceber.

Bem, o que é certo é que estou preparada para seguir para outro capítulo da minha vida.

Dia 6 de Janeiro faço o PET para ver os resultados da quimio e dia 11 tenho consulta e análises. Para além das análises de rotina, farei uma específica (não me perguntem qual) para tentar saber a razão das dores e inchaço nas articulações dos dedos das mãos.

De resto, tudo fino.

Continuo sem pc, o que limita as minhas vindas aqui.

Agradeço todas as mensagens de apoio e carinho que me têm chegado das mais diversas formas

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Notícias

Passo por aqui a correr, só para vos dar notícias.

A gripe dos recos chegou lá a casa, ..... ao computador. Estou, consequentemente, sem acesso à net. Tive de vir até à biblioteca da Feira. Espectacular, como quase tudo nesta terra.

Sempre gostei muito de frequentar bibliotecas e esta traz-me lembranças muito boas, da última semana de gravidez. Vinha cá todos os dias e, tal como hoje, trazia a Leonor claro está :))

A pequenita está encantada, a olhar para tudo. Esta miúda é do céu. Porta-se tão bem, que não incomoda os outros utentes.

2.ª feira tenho a última consulta e análises do ano e dia 22 a ÚLTIMA sessão de quimio da m/ vida. Fica aqui a promessa.

Janeiro será dedicado à recuperação e Fevereiro eis que voltarei à vida normal.

Beijinhos

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Cartas ao Pai Natal

Sou uma madrinha chata, que só oferece livros, dvd`s e cd´s.

Não gosto, em regra, de oferecer brinquedos porque as crianças a quem costumo oferecer prendas têm de tudo, felizmente.

Até a piolhita que tenho cá em casa já conseguiu, em apenas 7 meses, encher o seu quarto de tralhas. Resultado, acabam por não valorizar nada.

Mas ontem tive conhecimento de uma campanha que achei muito gira e não resisti em aderir. Os CTT contactaram uma série de instituições que apoiam crianças carenciadas e convidaram os meninos a escrever cartas ao Pai Natal.

Quem quiser, pode ir a uma estação dos correios, pedir uma dessas cartas e realizar o sonho de uma criança neste Natal. Sonhos tão simples, quanto ter um cachecol da selecção portuguesa.

Por coincidência tinha mesmo de ir aos correios ontem e, assim, adoptei o João, um menino de 6 anos que, talvez por não saber escrever, se limitou a fazer um desenho abstracto. Hoje lá terei a responsabilidade de escolher um brinquedo (este comprarei com todo o gosto) que realize o seu sonho. Desconheço qual seja, mas vou esforçar-me por escolher algo que se possa tornar especial.

Feliz Aniversário

">

Hoje é dia de Festa, festa a dobrar. Parabéns à Mãe Quina e sua linda filha Mafalda.

Beijinhos

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

7 meses da Leonor




Já tem 7 mesinhos a minha menina. Nem é preciso dizer que está um espanto, cada vez mais engraçada.

Os dentes nascem a uma velocidade avassaladora. 4 já romperam e outros 2 estão à espreita. Desconfiamos que vai passar directamente para os dentes definitivos :)

Vai ter é uma desilusão quando perceber que não terá uma festa de anos, e prendas, cada vez que completa mais um mês de vida. Com o avô Pinto, a tia ursinha e a avó Lili, a fazer anos a 13, este ano tem sido uma festa pegada.

Sei que não vais gostar da toillete da princesa rainha, madrinha, mas é a cor da moda. Aproveitei que não pudeste vir cá ontem para lha vestir :)

Muda de Vida

">

Dedico esta musiquita àqueles que estão na iminência de ver chumabado o seu "Relatório e Contas" de 2009.

Ah e não vão para a cama pensar. Pensem no sofá.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Parabéns Mãe




Hoje faz 53 anos aquela que me pôs neste mundo. A mãe mais cool do universo.

Dona de um sentido de humor inteligente e negro, quanto baste, a minha mãe rege-se pelo princípio "E se a casa cair, deixa que caia". Peace and love. Stressa só com o que tem de stressar. Um espectáculo.

Dura como o aço, apesar das muitas "dores itinerantes" causadas pelas suas 1001 maleitas, tem a chamada paciência de Job" para aturar o mau feitio de 4 Neves (o pai e as 3 filhas).

Esta "caixinha de surpresas", que começou a revelar-se depois dos 50 anos, é uma avó virada para as novas tecnologias, dada ao artesanato urbano (têm de conhecer o seu crochet de sacolas, como lhe chamam os brasileiros), aficionada do postcrossing, amante da jardinagem (...). O tempo é que começa a ser pouco para tantos hobbies.

Que dizer mais? Desenha muito bem e tem a pior voz do mundo. Sabe ouvir e conhece as suas crias como ninguém. Está sempre lá, sem fazer muitas perguntas, a fazer-nos sentir que se precisarmos de falar podemos contar com ela.

Para festejar a data, fiz um lanchinho cá em casa. Armei-me em chefe de culinária e fiz bola de carne, moelas e o bolo de aniversário.

Simples mas do coração.

PARABÉNS MÃE. Considerando o Amor que sinto pela minha filha, penso que a maior homenagem que te posso fazer

Beijinhos

sábado, 12 de dezembro de 2009

Sugestão de fim de semana

Hoje, para aproveitar o bom tempo, fomos até à Terra dos Sonhos, aqui em Santa Maria da Feira. Encontrámos a Branca de Neve e os Sete Anões, os Três Porquinhos, o Noddy, o Winnie de Pooh e muitos outros bonequinhos que fazem parte do imaginário de todos quantos têm alma de criança.

O espaço está muito giro, fica na cercania do castelo. Vale a pena visitar, especialmente com crianças que já caminhem uma vez que os caminhos são acidentados.

Pena é o preço dos bilhetes, 8 € ao fim de semana e 6 € à semana, que torna a visita impossível para muitas famílias.

Para quem puder, é uma forma de ajudar a Associação Terra dos Sonhos (www.terradossonhos.org), cujo fim principal é a realização dos sonhos de crianças e adolescentes diagnosticados com doenças crónicas e/ou em fase avançada.

Ah, na compra do bilhete, oferecem bilhetes para o parque ornitológico de Lourosa, outro local de visita obrigatória deste concelho pelo qual estou, cada vez mais, encantada.

Presépio de Lata

">

Gosto destes artistas, os verdadeiros, que não precisam de artifícios, visuais e sonoros, para nos chegarem ao coração.

Grande Carlos Tê, quem me dera escrever assim.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Coragem

Nos últimos tempos, muita gente me tem elogiado a coragem e dito que não sabe se também a teria.

Agradeço os elogios, mas não me sinto assim tão corajosa. Como já aqui disse, uma vez, não tive alternativa. Ninguém me perguntou se queria ter um linfoma. Tive mesmo de "enfrentar o touro pelos cornos".

A lida foi, talvez, "facilitada" por já ter tido outros contactos bem próximos com este tipo de doenças.

O exemplo de força e determinação da minha mãe e padrinho (sobre ele escreverei um dia) foi, de tal forma, marcante que me deu as bases necessárias para reagir.

Depois, o facto de me sentir muito amada e acarinhada por família, amigos e colegas faz com que tenha a mania que iria fazer falta a algumas pessoas.

Tive medo de morrer, não o nego. E não foi por mim, acreditem. Não podia magoar aqueles que me amam. Queria muito ter forças para cuidar da Leonor.

A ideia de fazer quimio assustava-me muito. Associei sempre a quimio a decadência física. Não é nem tem de ser assim. Agora sei que "cada caso é um caso". A mim, fez logo desaparecer aquela comichão que nem me deixava dormir, por exemplo.

Passou-me muita coisa pela cabeça, quando me diziam para pensar em mim, porque a Leonor tinha muita gente para tratar dela. Estava tão confusa que cheguei a interpretar este tipo de mensagem de ânimo como um sinal de que poderia partir. Que a Leonor ficaria bem.

Felizmente, este tipo de medo passou. Lembro-me de um dia em que me fixei no pensamento de que não podia fazer ao Nelson a "sacanice" de o deixar sózinho com a Leonor.

E, de pensamento em pensamento, mas sempre convicta que Deus não me colocaria um obstáculo que eu não conseguisse superar, fui serenizando.

Acho que é normal ter medo, especialmente de uma situação tão desconhecida, não podemos é ficar paralisados.

Temos de reagir, tentar distrair-nos, procurar ajuda (no meu caso, na blogosfera) de quem já viveu situações semelhantes e sabe bem quais as angústias que se vivem perante o diagnóstico de uma doença difícil, mas não impossível, de combater.

Em resumo, o que queria dizer (especialmente a quem descobriu recentemente que está doente) é que todos somos corajosos. Todos temos capacidade de reagir.

A quem, neste momento, falham as forças deixo uma mensagem que recebi no telemóvel no dia em que estava no IPO (grávida de 19 semanas) para fazer a 1.ª biópsia excisional:

"Deus te ama. Tu não estás só. Deus te ama, quando fala pela Sua voz e te diz coragem! Confia Nele e força.

O incrível desta mensagem é que a minha querida Amiga Joana Quina não sabia, quando ma enviou, onde estava nem o que ia fazer









Sei que só terei alta clínica daqui a 5 anos, mas acredito que não terei qualquer recaída.

Um miminho, MM

">

Um bocadinho atrasado, aqui vai um miminho para a MM mais pequena. Ontem não tive tempo de vir aqui postar, mas o que interessa é que lhe demos um beijinho de Parabéns pessoalmente.

Mais uns tempitos e vai com a Leonor às compras. Tenho a certeza que vão ser grandes Amigas.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Uma grande Amiga

Já tinha prometido, há uns tempitos, dedicar um post inteirinho a uma grande Amiga que, simultaneamente, é a minha Médica de Família.

Nem que viva 1000 anos poderei, um dia, retribuir toda a atenção, carinho e força que tem dado, de há muitos anos para cá, a toda a minha família e a mim em especial.

Arranja sempre tempo, não sei bem aonde, entre os 1001 afazeres que tem, para nos socorrer nos momentos mais complicados.

Humilde ao ponto de, por ter ficado tão preocupada e para não me assustar, como me confessou mais tarde, dizer que não fazia ideia do que significava o resultado da minha 1.ª biópsia, que lhe fui mostrar só para a colocar a par, já que estava a ser seguida pelo médico da especialidade.

Uma Amiga sempre presente, com quem gosto muito de ter uns dedinhos de prosa e a quem mando daqui um grande beijinho, pois sei que costuma seguir o blog.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Chuva

">

Ouçam a letra. Uma das minhas preferidas.
Conheci esta música cantada pela Mariza. Gosto mais da versão dela, mas acho que é justo colocar aqui a versão original. O Jorge Fernando estava inspirado quando escrever a letra e a musicou.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Último ciclo

Hoje fiz análises e tive consulta. Esta tudo a correr pelo melhor. Estou quase a acordar deste pesadelo.

Amanhã começo o último ciclo de quimio, é a penúltima sessão. Coincidência, ou não,a princesa rainha bateu hoje a sua primeira palma, facto presenciado pela avó e tia xuaninha.

Não caibo em mim de contente, apesar de temer um pouco as sequelas (físicas e psicológicas) que tudo isto deixará.

Uma coisa é certa, ando meia zen e estou a adorar a sensação.

Advento

Estamos no Advento, que se iniciou a 29 de Novembro, etapa que marca o início do ano litúrgico da Igreja.

Este é o tempo de preparação para o Natal que se aproxima, tempo de meditação sobre o que tem sido a nossa vida e de preparação para colher "O que há-de vir" e tudo de novo que nos trará. Se formos à etimologia da palavra, constatamos isso mesmo. Advento, em latim “Adventus”, significa “vinda”.

"É tempo de alegre esperança, paciência amorosa, oração, partilha de bens, saída para o encontro do outro".

Esta foi a informação que recolhi quando fiz uma pesquisa na net. Tenho pensado muito nesta definição.

Cheguei à conclusão, e podem chamar-me ingénua, que isto tudo existe.

Consumismo exagerado à parte, o que é certo é que nesta altura se sente algo diferente nas pessoas. Arranja-se algum tempo (que nunca se tem ao longo do ano) para uns jantares de Natal com os amigos. Somos mais sensíveis a causas sociais. Pensamos em tudo o que aconteceu no ano que está a terminar e que não queremos que se repita. Decidimos o que queremos fazer no ano seguinte.

Acredito, verdadeiramente, no chamado espírito natalício. Pena é que o raio do relógio e do calendário não tenham piedade e andemos sempre a correr e a repetir a frase "não tenho tempo". Que a concorrência no trabalho nos torne, cada vez mais, desconfiados e individualistas.

É um problema da sociedade actual, dirão muitos. Eu pergunto, mas quem é essa tal sociedade? Cada um de nós, certo?

Este ano vivo o Natal com especial emoção. Natal é a festa de celebração do nascimento do Menino Jesus e esu fui abençoada com a graça da maternidade.

Vou fazer tudo para que o "espírito natalício" esteja bem vivo durante todo o ano na minha casa e para que a princesa rainha nunca culpe a tal sociedade pelos males do mundo.

domingo, 6 de dezembro de 2009

O Poder do Subsconsciente

Ando a tentar ler, há cerca de 4 meses, um livro chamado "O Poder do Subconsciente", que me foi recomendado pela pediatra da Princesa Rainha.

O livro não é mau, eu é que não sou grande adepta deste género literário, o que, aliado ao facto de a minha capacidade de concentração estar abaixo de zero, faz com que certamente tenha leitura para mais uns tempos.

No fundo, a ideia do autor é que seremos, faremos e acontecer-nos-á só aquilo em que o nosso subconsciente acreditar. Se acreditarmos que vamos ser ricos seremos, que a nossa saúde é de ferro assim será (...). Pelos vistos o meu subconsciente tem andado a dormir, eh,eh.

Diz o autor que é o nosso subsconsciente (regido pelo consciente) que determina a nossa vida e que a fé não é mais do que a sua força.

Apesar de achar esta teoria muito radical, em certos pontos, o que é certo é que o nosso estado de espírito e as "sugestões" que interiorizamos influenciam, e de que maneira, aquilo que vivenciamos.

Ainda há pouco tempo tive essa experiência quando uma enfermeira do IPO, que me estava a fazer a quimio, teve uma saída infeliz. Na hora de me administrar uma das drogas, diz-me ela "esta é a que faz enjoar, não trouxe umas pastilhas?". Não. "Ai, olhe que devia trazer".

Bolas, o que ela me foi dizer. Perdeu uma excelente oportunidade para ficar calada. Eu, que só costumo sentir os enjoos passadas algumas horas, fiquei instântaneamente enjoada. Tal como estou agora, só de recordar a conversa. Claro que no tratamento seguinte fiquei enjoada só de ver a seringa.

O que vale é que isto do subsconsciente também vale para as coisas positivas. Por acreditar na minha capacidade de resistência, esta semana superei-me. Estou tão orgulhosa.

Tinha, há muitos meses, 3 cadáveres na arca congeladora. 3 perdizes congeladas, com penas. Cada vez que me lembrava, revolvia-se-me o estômago. Esta semana fartei-me. Preciso de descongelar a arca. Comecei a pensar, mal não me fazem. Estão mortas. Meu dito, meu feito. Fui-me a elas, depenei-as e ficaram de truz (como diria o meu avôzinho).

Tivemos um jantar chiquérrimo, a comer perdiz, cozinhada segundo uma receita típica de Marvão que tirei de um livro que comprámos nesta última visita, e com música ao vivo da nossa princesa rainha, que palrou o tempo todo.

E é assim, chame-se-lhe o que se quiser (fé, subconsciente, estado de espírito, parte psicológica), mas aquilo em que acreditamos e a força que temos é essencial para alcançar os nossos objectivos. Costumo dizer, aplicado ao futebol mas transponível para tudo na vida, que se não acreditamos que vamos vencer, não vale a pena entrar em campo.

Se alguém estiver interessado em ler o livro, é só dizer. Eu empresto.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Comentários

Quero agradecer a todos aqueles que, comentando ou não, têm seguido este blog.

À conta dele têm sido diárias as palavras de incentivo que recebo, seja aqui, seja por e.mails, telefonemas ou visitas de amigos, alguns dos quais não vejo/via há muito tempo

É bom ver que, pouco a pouco, as pessoas vão perdendo o "medo" de falar comigo e encontrando palavras de carinho e apoio. Sei que este "medo" existe porque muitos são aqueles que mo têm confidenciado.

Àqueles que passam sem nada dizer, desafio a comentar. Confesso que gosto muito de ver os vossos comentários. Dão vida a este projecto que, para mim, tem sido muito importante. Quase tão importante como os blogs dos guerreiros (Gigi, Liliana, Teresa M, Maguie, Nela, Lucinda, Cá, Ana Lourenço, Tadeu e outros) que me impulsionaram quando senti o chão a fugir debaixo dos meus pés.

Aproveito para pedir à Belita, que hoje fez um comentário aqui, para me dar o endereço do seu blog. Peço desculpa mas perdi o comentário. Pelo resumo que fez, deu para perceber que é outra guerreira, a quem a vida colocou um grande desafio. Desafio esse que, estou certa, irá superar. E em breve a Leonor terá mais um amiguinho para brincar.

Postcrossing

A minha filha é "muito à frente". Aos, quase 7 meses de idade, partilha, embora sem o saber, um passatempo muito giro com a tia ursinha e a avó Lili. O postcrossing.

O postcrossing consiste em trocar postais ilustrados com outras pessoas, cuja morada é fornecida pelo site www.postcrossing.com.

Quando recebe um postal, o destinatário vai ao site registá-lo, já que traz um código, e é-lhe facultada outra morada.

É ver a minha irmã e mãe, qual adolescentes, a correr para a caixa do correio assim que ouvem a mota do carteiro.

Para quem gostar de postais e selos, vão dar uma espreitadela ao site. Aquilo é mesmo giro.

A tia ursinha teve a iniciativa de começar uma colecção para a princesa rainha e a menina Maria Leonor Neves Pinto já recebe postais de todo o mundo.

Das duas uma, ou a pequena vai ser fã do coleccionismo ou vou ter de dar um destino às colecções de presépios e postais que lhe começámos.

Ah, e à de Barbies que, ouvi dizer, o avô Pinto vai iniciar. Porque a mãe só teve uma, diz ele. Tão querido o meu sogro.

Barbies e chávenas de café antigas da Vista Alegre são, realmente, duas colecções que gostaria de fazer. Parece que vou ter sorte com a primeira. Já a de chávenas vai aguardar que o meu maridinho me arranje a prometida vitrine.

Realmente, isto de ter crianças em casa é giro. Dá para realizarmos, de forma mais discreta, alguns sonhos de criança.

Mas não se preocupem. Nada lhe será imposto. Será e fará aquilo que quiser. Tirando piercings, calças ao fundo do rabo, cannabis e afins, apoio a certo e determinado clube, tudo lhe será permitido.

Só terá de ir à catequese, escuteiros, natação, aulas de violino e treino de futebol nas escolinhas do Feirense. Eh,eh,eh.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Parabéns MM

Faz hoje anos uma mulher com M grande. Ou melhor, com dois M. A Maria Miguel mais crescida (a pequenita faz já no dia 10), por quem eu tenho enorme admiração e até uma "pontinha de inveja".

Inveja pela coragem e determinação com que, sem medo (pelo menos aparente), vai à luta por aquilo que quer.

Um grande beijinho de Parabéns

Aquele Abraço

">

Aquele Abraço mudou o rumo da minha vida. Pensar que estava a ir embora e a não dar tempo para que o Amor vingasse. Grande tonta.

Mas nada é ao acaso e a assertividade é uma das principais características de quem me completa.

Nem gosto muito desta música. Gosto do título, lembra-me muito.

Não conheço o Rio de Janeiro, mas gostava.

Divagações matinais à parte, "Aquele Abraço" para todos os que aqui vão passando.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

O nosso fim de semana

Cá estou eu, regressada de terras do Alentejo.

Contrariando o que é costume, não venho doente. A minha boquinha portou-se bem e controlou os seus instintos devoradores. Não resisti foi à tal sopinha de cachola, que estava divinal.

A princesa rainha portou-se lindamente e nem a iminência de ser desmembrada por 3 pequenos endiabrados e fez perder a pose. Um puxava por um braço, outro pela perna e o outro tentava dar beijinhos. A vaidosa sorria, encantada.

Aqui a madrinha babada, ficou, ainda mais, derretida depois de saber que o Afonso disse à mamã que o melhor que lhe aconteceu no fim de semana (em que teve duas festas de anos, diga-se de passagem) foi ter a madrinha lá em casa.

Não satisfeito, e para arrasar de vez o meu coração, disse-me que as duas coisas de que gosta mais são o Homem-Aranha e a "minha Nô-Nô". E mais, está a ponderar escolher um bolo de aniversário da "Nô-Nô" no ano que vem, já que o deste ano foi do Homem-Aranha.

Ficaram por fazer algumas das habituais visitas e desencontrámo-nos da Cláudia, Sassá e Beatriz (um beijinho para eles), mas isto de ter uma bebé de 6 meses que não acorda os pais é o que dá. É que acordar às 11h20 encurta os dias.

Apesar disso, tivemos um tempinho para ir a Marvão, um dos nossos destinos predilectos e que aconselhamos vivamente.

Foi um fim de semana muito bem passado. Não estou a conseguir passar as fotos para o pc. Assim que der, venho aqui colocar algumas.

Linda

">

Linda. Não conhecia, mas fiquei logo com ela no ouvido.
Para ti Luisinha.

Beijinhos

sábado, 28 de novembro de 2009

Lá vou eu, lá vou eu a caminho de Portalegre

Hoje, a seguir ao almoço, lá vou eu, com os meus dois amores, a caminho de Portalegre.

Vamos à festa de anos do Afonso e da Ana Rita e aproveitamos para relaxar ao som dos chocalhos das cabrinhas do Tio António. Não há melhor anti-stress, acreditem.

Isto significa, 1.º, que estarei uns dias sem vir aqui, depois que voltarei doente como de costume.

Doente, mas feliz, depois de me ter lambuzado com uma sopa de cachola daquelas bem potentes, como só no café Leitão sabem fazer (passe a publicidade). E só não ataco uma miolada, por causa dos ovos. Doida, mas nem tanto.

Estou a brincar. Vou tentar controlar a minha boquinha, apesar de saber que vai ser muito difícil.

5 Anos

">

Ai que cabeça a minha. Este post devia ter sido colocado ontem, mas confesso que acabou por me passar.

Mas, como mais vale tarde que nunca, cá vai uma musiquita que o Valter, certamente, te dedicaria Suzzz.

Ele deve amar-te mesmo, para estar casado contigo há 5 anos e ter a coragem de te pôr um carro novo nas mãos.

Brincadeiras à parte, um beijinho de Parabéns ao casalinho e aos seus dois rebentos.

Temos de repetir o cafézinho em breve, Amiga.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Força Beira

Hoje à noite realiza-se uma Assembleia Geral que, certamente, irá ser determinante para o futuro do meu Beira-Mar.

Espero, sinceramente, que sejam encontradas soluções e se criem condições para que o clube encontre o equilíbrio necessário e ultrapasse esta fase complicada.

Sou uma sócia desnaturada, que qualquer dia tem um processo de injunção às costas, mas continuo a sofrer pelo meu Beira.

Às almas mais caridosas, cuja bolsa permita subscrever "Títulos de Salvação" do SCBM , deixo a indicação do link onde encontrarão informação sobre a subsrição.

Já sei que vou ter o meu amado a dar-me tanga o resto da vida, mas o pobre não tem culpa. Não sabe o que é gostar do futebol pelo futebol. Não conhece a alegria de conseguir subir de divisão ou assegurar a manutenção na última jornada.

Teve o azar de nascer em Paranhos, ou seja demasiado perto de um certo e determinado clube que não vou referir. Pois é menino, somos pobres mas honestos.

Bem, vou parar com as provocações, senão esta noite durmo na varanda.

http://www.beiramar.pt/scid/webscbm/defaultArticleViewOne.asp?articleID=401&categoryID=774

Para quem, como eu, gosta da bola e não tem vergonha de se assumir beiramense cá fica o blog que me vai trazendo notícias sempre fresquinhas do clube que já me deu tantas alegrias . http://maisbeira-mar.blogspot.com

Força Beira

Que notícia maravilhosa

Hoje, quando acordei, tinha uma mensagem no telemóvel que me deixou muito feliz.

Como não quero ser desmancha prazeres, não vou contar para já. Deixo essa tarefa aos felizes contemplados.

Um grande beijinho e tudo de bom nesta nova, e fascinante, fase.

Vocês sabem quem são.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Simply The Best

">

Faz hoje 70 anos esta força da natureza. Deixo-vos uma música de uma das minhas cantoras favoritas. Só tenho pena de nunca ter ido a nenhum concerto dela. Tenho de me contentar a ouvir, vezes sem conta, o "Tina live in Europe". Simply the best

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Stress

Estive a ler uma entrevista de um psiquiatra e professor alemão que diz que "A epidemia da gripe A é um efeito da crise económica".

Dos muitos argumentos apresentados, alguns dos quais parecem um pouco exagerados a uma leiga como eu, retive esta frase "O aumento dos níveis de stress está relacionado com uma redução da capacidade de defesa do sistema imunológico".

Ora, sendo eu uma imuno-deprimida, fiquei a pensar nisto.

Cada vez mais evito stressar, o problema é que stresso quando vejo alguém stressar. Especialmente quando quem stressa, stressa com miudezas que nem ao diabo interessam.

A minha grande dúvida agora é, então, como evitar o stress. Será uma utopia? É que não posso deixar nenhuma brecha que permita o regresso do Sr. Hodgkin.

Vou continuar aqui a meditar nesta dúvida existencial e agradeço a quem tiver respostas que as partilhe aqui com a stressada.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

PRÓXIMAS COLHEITAS DE MEDULA ÓSSEA



Esta é a Cá, a linda menina, de 4 anos, de que já vos falei. Precisa, com urgência, de um transplante de medula óssea e os seus familiares não são compatíveis.

Segundo informação disponível no blog da Cá, estes são os locais e datas das próximas colheitas de medula.

É importante que todos aqueles que cumpram os requisitos (que já referi em posts anteriores) e tenham a saúde que a Cá não tem, colaborem. Como se costuma dizer, hoje pela Cá, amanhã (quem sabe) por nós.

Ah, e a Cá é só um rosto. Há muitos mais, de todas as idades. Se a vossa medula não for compatível com a da Cá, será certamente compatível com a de outra pessoa. Em Portugal ou na China.

Segundo informação disponível no blog da Cá (http://carmenpine.blogspot.com), estes são os locais e datas das próximas colheitas de medula.


SANTA MARIA DA FEIRA 25 de Novembro (10h30 às 17h) - Centro Hospitalar de Santa Maria da Feira, Rua Dr. Cândido Pinho / http:hospitalfeira.min-saude.pt

LEÇA DA PALMEIRA 27 De Novembro (15h às 19h) - Agrupamento de Escolas da Amorosa

MAIA 28 De Novembro (10h-13h;14h-17h) - Salão Paroquial de Santa Maria de Avioso, Castelo da Maia

SETÚBAL 24 de Novembro (10h às 16h) - Cruz Vermelha Portuguesa, Largo da Misericórdia

LISBOA 26 e 27 De Novembro (9h às 19h) - Escola Superior de Enfermagem (No Hospital de Sta. Maria)

PONTE DE LIMA 27 de Novembro - Associação Empresarial de Ponte de Lima/ Largo da Associação Empresarial / http://www.aepontedelima.pt

MAIA 28 De Novembro (10h-13h;14h-17h) - Salão Paroquial de Santa Maria de Avioso, Castelo da Maia

Caso necessitem de questionar algo mais, enviem um email para:
carmenzitapine@hotmail.com

Já só faltam 2 sessões

Está quase, quase a acabar este filme.

Fiz hoje a antepenúltima sessão de quimio. Daqui a 1 mês estarei livre, mesmo a tempo de comer o bacalhau.

Estou cheia de pica para a recta final e, queira Deus, definitiva.

Anseio por um 2010 mais suave em termos de emoções, que este foi radical demais.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Feliz Aniversário





Como estou em maré de aniversários, não podia deixar de postar aqui umas fotos do dia em que o Adoramus Te comemorou 15 anos de existência.

Este grupo de jovens ou, se quiserem, de oração jovem, pois o tempo passa e grande parte dos seus membros, como é o meu caso, já não tem direito ao cartão jovem, foi sonhado pela, já falecida, D.ª Lourdes do Valle.

O seu propósito inicial era o de criar uma estrutura na qual os jovens pudessem integrar-se após receberem o Crisma, pois, em regra, recebido esse Sacramento a Igreja deixa de ter soluções que os cativem e acabam por se dispersar.

Assim nasceu o Adoramus Te que se distingue, em minha opinião, pela Alegria que transmite a quem está ao seu redor. Uma forma diferente de viver a Fé e estar em Igreja que, apesar de ainda chocar muita gente, não deixa ninguém indiferente.

Este ano, resolvemos comemorar o 15.º aniversário do grupo no encerramento de um fim de semana de retiro. Só pude estar presente no domingo, mas foi o suficiente para receber mais um "Sopro de Vida".

Por mais que queira, nunca conseguirei transmitir na plenitude tudo aquilo que me têm dado. O mimo tem sido mais do que muito.

Ontem fizeram-me mais uma grande surpresa, que me levou às lágrimas, quando, no final da Eucaristia, leram um poema que meu. Lá tive de morder os lábios e fincar os dedos da mão direita no braço esquerdo para tentar controlar a emoção

A força da vossa Amizade e da vossa Oração tem sido determinante na minha luta.

Perante a grandiosidade dos vossos actos, que me fazem sentir muito pequenina, todas as palavras que escreva parecerão insignificantes. Como tenho horror de "lugares comuns", mas não consigo fugir-lhes, garanto-vos só que estão no meu coração e, sei que posso falar por ele, no do "Nelsu" (um dia hei-de tentar postar aqui aquele inspirado ppt).

Sei que estou em falha, pois pediram-me umas letras para musicar, mas tenho alguma dificuldade em escrever poemas. Prometo que vou continuar a tentar, o CD há-de sair e os fãs continuarão a levantar-se para aplaudir no meio da Missa (sim, porque já aconteceu).

Deixo aqui algumas fotos de um dia memorável. As fotos que escolhi aparecem na ordem inversa pela qual foram anexadas (para a próxima já sei).

O moçoilo de rosa é o tal, muito prendado, que está disponível. O telemóvel é o 9..... Eh, eh, queriam... Está disponível para ajudar a melhorar este blog, por exemplo.

A moçoila cor de burro quando foge, com cara de desterrada, sou eu. Apesar do mau aspecto, penso que a foto mostra a felicidade que senti ontem. Isto apesar de estar a morrer de saudades da minha pequena, de quem nunca tinha estado tanto tempo distanciada.

Bem, o texto não está nada de jeito. Hoje não me sinto inspirada. Pode ser que amanhã, depois da dose quinzenal, volte mais iluminada.

Parabéns Ritinha



Hoje faz anos a Ritinha, irmã do príncipe do Alto Alentejo e, por inerência, também ela uma princesa.

Já lá vão 7 aninhos e parece que foi ontem que fui, em pulgas, até Portalegre para conhecer a 1.ª filha de uma prima que é muito mais do que isso.

No fim de semana lá estaremos a celebrar mais um ano de vida dos nossos queridos alentejanitos.

Mais longe, em terras nórdicas, está a minha primaça Sandra (verdadeira "cacinhota") que fez anos ontem. Como não pude postar no dia, fica aqui a lembrança e um grande beijinho para toda a família, em especial para o príncipe luso-sueco Alexandre e seu/sua mano(a) que vem a caminho.

Outro beijinho de parabéns, ainda mais atrasados pois fez anos no dia 21, para a minha grande amiga Sílvia. Amiga que, para quem não sabe, está em 1.º lugar na lista de candidatas a sogra da princesa rainha. A decisão final será, claro, da noiva.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

É isso aí

Estava aqui a fazer experiências e finalmente consegui colocar um vídeo.

Para que a experiência não seja vã, deixo-vos uma música que quase me comove (nunca fui de me comover com estas coisas), pois marcou um dos dias mais felizes da minha vida - 06.10.2007.

Espero que gostem.



">

Decisão tomada

Pronto,

está tomada uma das decisões mais complicada da minha vida.

A Princesa Rainha não vai ser vacinada contra o H1N1.

A pediatra considera, pesados os prós e os contras, que a vacina é desnecessária neste caso concreto.

Em sua opinião, o que nos poderia balançar um pouco era que, ao não ser vacinada e contraindo o vírus, seria grande o risco de contágio aqui para a mãe imuno-deprimida.

Confesso que nem me tinha passado pela cabeça que esse fosse um aspecto a ponderar. Desde que soube que estava grávida, a preocupação que sinto com o meu bem estar é sempre na perspectiva deste ser essencial ao bem estar da Leonor. Não sei se me fiz entender.

É quando ouço este tipo de comentários que tenho noção do que, desde Dezembro passado, se tem passado comigo.

Já assim foi quando, às 21 semanas de gravidez, tive de explicar a minha situação clínica à médica que me estava a fazer a ecografia morfológica. Quando me respondeu "ah, então tem de fazer a criopreservação das células estaminais", o meu 1.º pensamento foi de que o caso era sério. Nem em sonhos me tinha passado pela cabeça que poderia ser eu a precisar das células.

Não consigo explicar o sentimento mas ainda hoje me custa a acreditar que esteja a viver isto tudo.

Em todo o caso, e voltando ao que interessa, esta decisão foi complicada e, apesar de convicta que foi a melhor, não consigo sentir-me confortável com ela.

Não deixa, no entanto, de ser um óptimo sinal pois o facto pelo qual a médica considera desnecessária a vacina é o de a Princesa Rainha ser uma menina forte e saudável. Circunstância essa que tem, certamente, o efeito reflexo de reforçar o sistema imunitário aqui do empecilho. Sim, que que a felicidade dá saúde.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Assim nascem os boatos

Foram, essencialmente, dois os motivos que me levaram a escolher o curso de Direito.

Em 1.º lugar, a "admiração" pelo grande advogado Perry Mason, descoberto através dos livros de bolso da colecção Vampiro, iniciada pela minha mãe e tios e continuada por mim e pela mana Dulce.


Este motivo parece pouco racional, admito, mas perdi a vergonha de o revelar, no dia em que vi uma entrevista da Maria José Nogueira Pinto (se não estou em erro) que dizia o mesmo. Vá lá, não sou a única.

O 2.º motivo é o fascínio que sempre tive pelas palavras e pelo uso que delas podemos fazer. Encanta-me o facto de podermos fazer 1001 interpretações diferentes da mesma frase.

Claro que tudo tem o seu quê e este fascínio traz-me, muitas vezes, algumas dificuldades. É terrível estar a fazer uma formação daquelas "light", com colegas de outras áreas, todos perceberem a 1.ª o que se pretende e eu estar uns tempitos a tentar descodificar. Pois, vocês dizem que se pretende x, mas também pode ser y, z, w.....

É engraçado ver como a formação de base de uma pessoa molda e orienta a sua forma de raciocínio. Eu, por exemplo, nunca serei capaz de entender os T dos contabilistas. O que me vai valendo é saber que tenho a Dr.ª Eugénia, à distância de um telefonema.

E ontem mesmo tive um exemplo de como uma frase menos fiel à realidade pode induzir em erro quem a ouve.

A minha mãe chegou a casa e diz a Sr.ª Laurinda "D.ª Libânia, a menina Leonor deu um murro e partiu o biberão".

Eu, que assisti à cena do passamento do biberão, rebolei a rir. Imaginei logo a minha pequena "Rambo", de camisola caveada e fita na cabeça, a partir o biberão de vidro à murraça. Físico para isso tem ela.

Mas não, o que aconteceu foi que a delicada Princesa Rainha deu em encontrão no biberão, que caiu e se desfez em pedaços.

Muito menos emocionante, mas em todo caso encantador (como tudo o que ela faz).

Foi a sua 1.ª asneira. O castigo, já prometido, é que será ela a pagar o biberão novo. O dinheiro virá directamente do seu porquinho,eh, eh.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

A primeira grande (in)decisão

Que o dinheiro não traz felicidade é um facto que todos estamos cansados de saber. Mas lá que ajuda, ajuda, disso não tenhamos dúvidas.

Temos a felicidade (porque a bolsa assim nos permite) de poder dar à nossa Princesa Rainha, duas vacinas que não fazem parte do Plano Nacional de Vacinação. "Brincadeira" que ficará acima de 400 Euros.

Até há pouco tempo, desconhecia o facto (e pelo que tenho visto muita gente desconhece) de o Estado nos reembolsar desta despesa. Não sei em que termos nem quando, mas o que interessa é que algum "pilim" virá.

Mete-me é muita confusão, saber que há tantos pais que não podem sequer pensar em avançar com esta quantia. Que tremenda injustiça e desigualdade num direito que a nossa Constituição consagra e, como tal, deveria ser para todos.

O mesmo acontece com a criopreservação das células estaminais. Lá foram outros 1200 Euros, só dedutíveis no IRS de quem se pode dar a esse "luxo". Estamos a falar na preservação de células que podem vir a dar vida, seja à Princesa Rainha (Deus me livre), à sua mãe imuno-deprimida ou a qualquer outra pessoa compatível.

Como é evidente, ninguém sabe o futuro e a minha maior felicidade seria vir a "chorar", daqui a 20 anos, aqueles 1200 Euros, mas ninguém sabe.

Aqueles 800 Euros que gastei (entre consultas, medicamentos e biópsia) em Dezembro passado podem ter sido decisivos no combate ao Sr. Hodgkin. Se tivesse feito o mesmo percurso no Sistema Nacional de Saúde tudo teria sido muito mais moroso, certamente.

E atenção que, como sabem, não tenho razões de queixa. Sou muito bem atendida no IPO, tal como fui no Hospital S.Sebastião, tenho a melhor médica de família que alguém pode desejar ( a quem, um dia destes, dedicarei um post inteirinho), o dermatologista, do sector privado, que me detectou o bicharoco ( e que eu "idolatro") é o mesmo que me segue no IPO.

Mas, de facto, há muitas assimetrias ao nível do acesso aos cuidados de saúde e eliminá-las devia ser uma das prioridades dos nossos políticos. Lamentavelmente, muitos preferem lançar outros temas quentes para discussão pública. Não vou criticar os temas em si, que eu até gosto de casamentos. Parece-me é que não deviam estar no topo das prioridades.

Voltando ao tema. Esta semana estamos a deparar-nos com a necessidade de tomar a primeira grande decisão, no que à Princesa Rainha se refere.

Vacinar, ou não, contra o H1N1. Logo esta que é de borla. Com opiniões tão divergentes, vamos esperar até 5.ª feira para saber a opinião da pediatra. Decidimos, desde o início que se depositamos confiança na pediatra que acompanha o crescimento da Princesa Rainha, é a ela que temos de ouvir neste tipo de situações.

Mas a sensação é um pouco estranha, até para mim que lido, diariamente, com diferentes interpretações sustentadas em abundante doutrina e jurisprudência. Com a diferença que estamos a falar de leis e não da vida da minha filha.

Devo dizer-vos que não estou a gostar nada de estar do outro lado. É que normalmente sou eu a dizer "a decisão final é sua".

Coisas da vida.

sábado, 14 de novembro de 2009

6 meses que parecem Sempre



6 Meses que parecem Sempre, foi desta forma romântica e sentida que o papá descreveu os 6 meses de vida extra-uterina da Princesa Rainha.

E, de facto, já não me lembro de como era a minha vida, antes da pimpolha ser concebida. O que é que eu fazia antes de ter montes de fraldas para mudar e biberões para preparar?

Não sei. É uma sensação do género onde é que as pessoas iam nos domingos à tarde, antes de haver shoppings.

O amor da nossa vida continua uma paz, sempre sorridente. A novidade da semana é o rompimento do 3.º dentinho, devidamente alinhado com os outros dois.

Faltam-me palavras para a descrever. É linda a minha filha, não é? Ou são os meus olhos?

Consultas de Psico-Oncologia Gratuitas



Receber a notícia de que se tem um cancro é algo que vira toda a nossa vida do avesso. E quando digo toda é mesmo toda. Mexe com tudo e com todos os que nos rodeiam. Quem nos rodeia sofre muito e, muitas vezes, em silêncio.

Com as atenções centradas no doente, os familiares ficam, por vezes, quase esquecidos e, com eles, também os seus medos e angústias.

Ciente desta problemática, a LIGA PORTUGUESA CONTRA O CANCRO criou um SERVIÇO DE PSICO-ONCOLOGIA GRATUITO (constituído por técnicos altamente especializados), objectivando a realização do acompanhamento psicológico dos doentes oncológicos e dos seus familiares ao longo das diferentes fases da doença.

Este serviço, que me parece muito importante, engloba consulta individual; consulta conjugal; consulta de grupo e contempla a existência de grupos de auto-ajuda devidamente treinados.

Há tempos tive consulta com a assistente social do IPO, para ficar a conhecer os "benefícios" existentes para os doentes oncológicos, e saí de lá determinada a mandar a família toda a esta consulta. É que nós estamos muito mais protegidos e, em caso de necessidade, podemos ser consultados pelos psicólogos do IPO. Já a família, não.

Felizmente, as coisas acalmaram (que é como quem diz, a malta viu que eu estava a reagir bem à quimio) e não foi necessário.

Para os interessados, cá vão os contactos.


Liga Portuguesa Contra o Cancro

Estrada Interior da Circunvalação nº 6657
4200-177 Porto
Telefone: 22 542 06 89 - Fax: 22 542 06 89
Psico-oncologia@ligacontracancro.pt
www.ligacontracancro.pt
LINHA CANCRO 808 255 255

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Vidas em Jogo

Hoje ia escrever sobre os 6 meses de vida da Leonor. Só que, entretanto, abri o meu e.mail e lá estava mais um apelo para doacção de medula óssea.

Desta vez, é a Cá (Carmen) de 4 anos que precisa de ajuda. Leram bem só tem 4 anos e foi-lhe diagnosticada leucemia. Não posso imaginar o sofrimento dos seus pais. Todas as vezes que vou ao IPO, passo pela sala de estar da Pediatria e lá estão aqueles meninos que nos ensinam tanto.

Parte-se-me o coração e só penso, que tudo me aconteça a mim e nunca à minha filha.

Já antes divulguei um apelo semelhante, que podem reler aqui http://hodgkin-logoexisto.blogspot.com/2009/09/vossa-atencao-todos-podemos-salvar.html

Doar medula é muito simples.

Não argumentemos com o medo da dor. É só uma picada, ou seja nada para quem tem coragem para se submeter a depilações e afins. Nem procuremos desculpa na falta de tempo. Arranjamo-lo para ir ao cabeleireiro, ginásio ....

Deixo-vos o blog da Cá, onde a poderão conhecer melhor, assim como a história de outras crianças.

http://carmenpine.blogspot.com

É tão fácil ser herói de verdade.

Pensem nisto.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Nostalgia

No meu tempo é que os desenhos animados eram bons. É tramado quando começamos a falar como os nossos pais e avós, mas é a lei da vida - "filho és, pai serás".

Tenho constatado isso, agora que começo a ver a bonecada com a Leonor. Indicação da pediatra, claro está. Uns minutinhos de televisão por dia, para começar a adquirir capacidade de concentração.

Para quem, como eu, tem saudades do "nosso tempo", cá vai um blog muito giro que me foi enviado pelo eng.º Kinas.

http://desenhosanimadospt.blogspot.com/

Divirtam-se

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Mais uma Amiga de Parabéns


Hoje é mesmo dia de festa.

Um grande beijinho de parabéns para a Amiga mais frontal e racional que tenho. A Carla (Carlota,como tenho a mania de lhe chamar).

Como não posso ser muito simpática, ou começas logo a chamar-me lamechas (o que eu detesto), digo só que coninuo a ter "inveja" da tua capacidade de organização e concentração. Muitas vezes (melhor dizendo, sempre) copiei os teus trabalhos de casa de latim.

Sempre fui mais baldas, por isso é que de vez em quando lá estava eu, em pleno Verão, a estudar para os exames e aparecias tu, aborrecida por não ter nada para fazer.

Lembro-me com muito carinho da nossa ida à Expo 98, do passeio pelo Alentejo (só tu para descobrires o maior menir da Península Ibérica quase no fim do mundo), dos aniversários da Salomézinha (quase descobríamos outra vocação, depois do bolo da Minnie), a viagem de finalistas a S. Salvador da Baía, and so on, and so on.

E, a brincar, a brincar, já lá vão 15 anos de uma Amizade que, mesmo à distãncia, não acaba e será agora continuada pelos nossos pequenos.

Ass.Uma amiga, quase, lamechas

MUITAS FELICIDADES NESTA DATA QUERIDA



Não há como fugir ao "lugar comum", estou mesmo a ficar velha.

Faz hoje 22 anos, estava eu ansiosa que o meu pai me levasse a Aveiro para ir conhecer a nossa benjamim.

A menina que, quando tinha cerca de 3 anos, me agarrava as mãos quando me ia dar um beijo de boas noites, para que eu não a abraçasse. Tantos eram os abraços que lhe dava, que a pequena enjoou.

Na impossibilidade de lhe dar um grande abraço hoje, aqui fica este post de uma irmã apaixonada.

PARABÉNS TIA XU. A Leonor está aqui a mandar um beijo

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Já só faltam três sessões

Lá foi mais uma. Desta vez tive a companhia da minha mana do meio. Bela manhã de férias, hem?

O tratamento correu bem. Já só faltam 3 sessões.

Estou bem disposta, tenho só um pouco de anemia mas o médico não considerou relevante.

Por falar em prendas de Natal, já comprei algumas. Entre elas a da minha princesa rainha. Aproveitando que, apesar de precoce, ainda não sabe ler, vou revelar que é um presépio em pano, muiiiiiiiiiiiiito giro. O primeiro da colecção que quero fazer-lhe. Mais tarde decidirá se a continua, ou não.

A minha menina há-de conhecer o Menino Jesus antes do Pai Natal e saber que este não é mais de que um responsável de logística contratado para tratar da cadeia de distribuição dos presentes.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Uma aventura na ponte do Freixo

Hoje fiquei, novamente, parada na ponte do Freixo.

Começa a ser recorrente, só que desta vez foi por causa do trânsito. Motivo bem diferente daquele que se tornou motivo de chacota para toda a vida de duas Susanas.

Um belo dia, lá iam a Susaninha e a Suzzzz (assim baptizadas pela nossa amiga V) para o Porto, no carro da Suzzz. À saída de Aveiro, o carro começa a tremer e diz a Suzzz "Este carro está mesmo velho. Olha para as minhas mãos". E lá estavam as mãos da Suzzz a tremer no volante, por efeito dos tremeliques do carro.

E diz a Susaninha, "já ontem senti qualquer coisa".

E ríamos, ríamos.

Fomos indo, até que, em plena ponte do Freixo, os tremeliques passam a solavancos e a Suzzz só teve tempo de encostar à direita.

Saímos do carro e lá estava a origem da "velhice" do carro. Um pneu completamente desfeito (fiquei a saber que os pneus têm uma malha metálica no interior).

Como é fácil de imaginar, nenhuma das duas sabia mudar pneus. A mim, o meu pai sempre disse que não valia a pena ensinar porque não iria ter força para desapertar os parafusos. Como ainda é do bom tempo, o meu pai acreditava que, em caso de necessidade, bastaria pedir ajuda a quem passasse.

Pois, pois. Não faltavam carros a passar. Alguns cheios de gajos. O problema é que se limitavam a mandar umas bocas e nem abrandavam, os camelos.

E lá estávamos nós, em plena ponte do Freixo, mortinhas de riso mas, desta vez, por causa dos nervos.

Como ninguém fazia o favor de parar, ligamos para a assistência em viagem. "Desculpe, tive um furo num pneu...". Resposta do outro lado. "E?".

Resultado, tivemos mesmo de esperar que uma alma caridosa parasse. Claro que havia de tudo naquela mala do carro, menos o macaco. Também, para quê se não o sabíamos usar.

Uma risota.

Confirmei, naquela tarde, uma das dúvidas que tinha que era a de saber se seria capaz de identificar um furo no pneu. Não sabia.

Felizmente não aconteceu o mesmo com uma dúvida "similar", a de identificar as primeiras contracções. Essas identifiquei-as e bem. Foi uma sorte, senão era ver o Nelson, atarantado, no meio da casa à procura de uma tesoura para cortar o cordão umbilical da Leonor.

Havia de ser bonito.

Um beijinho minha querida Suzzz e rápidas melhoras para esse "santo" que te atura.

PARABÉNS AFONSO




Faz hoje 4 aninhos, um dos afilhados mais bonitos do mundo. Só não digo que é o mais bonito, porque tenho 3.

"Madrinha, preciso da tua ajuda. Vem cá abaixo, trazer-me os brinquedos". Foi esta a frase que me faz derreter e correr escada abaixo, com os brinquedos do príncipe do Alto Alentejo na mão.

Pensar que dantes tinha de o ameaçar para conseguir tirar uma foto (vê-se a sua cara de satisfação nesta que coloco no post) e agora já me dá "ordens" com aquele sotaque delicioso.

Está um homem, o meu menino.

Só "queria ter um avião, para te ver mais amiúde".

Parabéns Afonso.



PS. Estava a brincar. Nunca o ameacei para tirar fotos, tinha era de o agarrar, com alguma determinação, para que não fugisse.

Ass. Uma madrinha babada

sábado, 7 de novembro de 2009

Está tudo ao contrário

Razão tinha aquela velhinha que dizia que desde que o Homem foi à lua, está tudo de pernas para o ar.

Então não é que eu e a Leonor, que fazemos parte daquilo que os cânones consideram "grupo de risco, estamos "finas como um alho" e a família à volta está, ou já esteve, toda constipada.

É a vida.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Marinheira Geriátrica




Irra que as miúdas são iguaizinhas ao pai.

Pronto, cá vai um aditamento ao último post.

No "bando" que foi ao aeroporto, incluía-se a minha doce irmã do meio. A marinheira geriátrica, eh,eh,eh, que vive em casa de vez em quando e, a maioria do tempo, em pleno rio Douro. Poderia por aqui o nome da empresa para a qual trabalha, mas só me lembro do nome da empresa rival.

Quanto a bocas, não mandei nenhuma, minha querida, e sempre segura, irmã mais nova.

E agora o recadinho para a Íris, não comeste a sopa que te pusemos. Deixa de ser aldrabona, sua pulguenta.

Bem, ciumeiras à parte, valeu pelos comentários da tia ursinha. Já só falta adicionar-se aos seguidores. Boa?

A minha semana



Esta tem sido uma semana em cheio.

A Leonor continua a sua adaptação às sopinhas. Como é bom de adivinhar, está a correr muito bem. Depois de uma experiência menos conseguida com a couve flor, viemos a descobrir que a danadinha gosta muito de nabo. NABO!!!!!!!!!!!!!! E eu nem o cheiro suporto.

Parece que, neste aspecto, sai ao pai. Agora está no feijão verde (muito mais suportável, na minha óptica), e parece que também aprecia. A seguir vai passar para os bróculos (quase tão mau como os nabos) e quase aposto que vai lamber os beicitos.

Como é que ela consegue comer aquilo é que não sei. Sem sal, nem a Íris (a cadela da minha mãe) lhe toca. E olhem que estou habituada a comer com pouco sal. Mas o que interessa é que a boneca gosta.

Na 3.ª feira fomos fazer baby-sitting do avô Matos. A Leonor engraçou mesmo com o bisavô. Olha para ele e começa a gargalhar, sem mais nem menos.

Mas o dia mais ansiado era 4.ª feira. Chegou o meu "calcanhar de Aquiles", a minha mana mais nova. A "aeromoça" da Ryanair que vive na Suécia e por quem estou sempre a "morrer" de saudades.

Lá fomos nós, em bando, para o aeroporto. A Leonor com um cartaz de boas vindas ao peito. Uma animação.

Veio por 4 dias e diz que eu e a Leonor fomos a razão de ter vindo. Assim se enganam os tolos. E nós ficamos todas felizes, pois acreditamos piamente, claro.

5.ª feira tive "consulta" com a Delegada de Saúde. Há benefícios fiscais para os doentes oncológicos. E se há benefícios, a malta vai tentar usufruir deles que isto não pode ser só malefícios.

Se alguém me conseguir explicar a razão de ser desta "consulta", agradecia que me dissesse. A dita, resumiu-se em assistir à médica a fazer um resumo dos relatórios médicos do IPO e depois comunicar-me que me iriam notificar para ir a uma Junta Médica. Podia pensar-se que o objectivo da "consulta" era o de entregar os relatórios médicos pessoalmente, mas nem isso. Entreguei os relatórios a uma funcionária administrativa que fez o favor de os entregar à médica.

Ou seja, eu náo fiz nada lá. Nem me perguntaram como me sentia, apesar de a médica ser extremamente simpática. Mas não faz sentido. Por acaso estou de baixa e não me fez grande diferença ir lá, pois a tia Xuaninha fez-me o favor de dedicar um dos seus dias de férias à Leonor. E se estivesse a trabalhar? Enfim, burocracias inexplicáveis.

Hoje estou em minha casa, depois deste corropio, que para mim é cansativo (já nasci cansada, como diz o meu pai), devidamente equipada de pantufas e sem a mínima intenção de por o nariz fora de portas.

RETIRO E 15.º ANIVERSÁRIO DO GRUPO DE ORAÇÃO JOVEM ADORAMUS TE

O Adoramus Te faz 15 anos.

15 anos de muita Amizade e, acima de tudo, de um grande crescimento espiritual e humano. Não somos diferentes dos outros jovens mas, por tudo o que temos tido o privilégio de experienciar ao longo destes anos, temos responsabilidades acrescidas.

Temos a obrigação de mostrar ao mundo uma Igreja Alegre e sempre em Movimento, muito diferente Daquela que quem procura polémicas e publicidade barata pensa conhecer.

Para comemorar o aniversário do Adoramus Te, vai realizar-se, nos dias 21 e 22 de Novembro, na Casa José Engling – Santuário de Schoenstatt (Gaf. da Nazaré), um Retiro cujo Tema será "Como o barro em Tuas mãos, Transforma-me, modela-me como Tu!". O Retiro tem como destinatários jovens entre os 16 e os 35 anos.

Contrariamente ao que possam imaginar, não vai haver jejum. Aliás, são famosas as ceias no sábado à noite. Sempre com o chouriço do Luís, a broa de Fermentelos e o que mais nos lembramos de levar.

Também não haverá sacrifícios corporais e nem seremos despojados do telemóvel ou outros meios de comunicação com o mundo exterior, apesar de o objectivo ser, claro, parar um pouco e afastarmo-nos do frenesim do dia-a-dia.

Acreditem que vale a pena. É sempre uma Festa. Penso que alguns dos Amigos que costumam passar por este blog, poderão testemunhar isso mesmo.

Foi num destes retiros que conheci o Adoramus Te (já lá vão quase 9 anos) e, como já viram por tudo o que tenho relatado em posts anteriores, foi Amor para a vida.

Este ano não poderei, por questões de logística familiar, participar em todo o Retiro, mas domingo (dia 22) lá estarei.

Para quem quiser viver um fim de semana diferente e especial, de encontro consigo e com Deus, cá vão os horários:

Inicio - sábado 14h (casa José Engling)

Encerramento - Domingo, Igreja do Carmo com jantar/lanche convívio após Eucaristia 18:30h.

Só é preciso um coração aberto e disponibilidade para abrandar o ritmo intenso em que vivemos.

Convém levar a Bíblia, e um caderno para o caso de quererem apontar algo. Se levarem saco-cama, a estadia ficará mais barata (cama há sempre, não haverá é lençóis, neste caso). Mas estas informações deixarei para a organização.

Inscrições: 965849506

Espero que aceitem o Convite.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Sanidade Mental

Tenho pensado muito sobre o que será a sanidade mental. Vejo tanta atrocidade e estupidez à minha volta que não consigo chegar a nenhuma conclusão. Ou melhor, aquilo que mais se pode aproximar de uma conclusão é a sensação de que não podem exigir que tenha muita.

Se calhar nem tenho nenhuma. É o mais provável, depois de ter recusado ser curada por alguém que só com uma peça de roupa minha faria o trabalhinho.

É verdade, dias antes de começar a quimio recebi o telefonema que poderia ter mudado tudo.

"Olha, vou dizer-te uma coisa......não sei se acreditas nestas coisas".

Alto que vem lá bomba, pensei eu. Diz.

"Falei com o meu irmão sobre a tua situaçáo e ele conhece um senhor que também já só tinha 3 meses de vida".

Também já só tinha 3 meses de vida?!!! Porreiro, está a começar melhor do que eu imaginava. Também, não é uma palavra utilizada para fazer comparações? Quer dizer que já fui sentenciada à morte e não sei?

Bem, acho que nunca raciocinei tanto, em tão poucos segundos.

Sim, continua. "Se quiseres, é só levar uma peça de roupa tua a um senhor que vê logo o que tens. Esse senhor que o meu irmão conhece, ainda anda por aí".

Uau. Melhor que o Euromilhões. Tenho é um pequeno defeito ou feitio que é o de desconfiar de tudo o que não seja amplamente divulgado pela imprensa.

Além disso, acredito piamente que se já tivesse o destino traçado, os meus médicos não iam andar a esquartejar-me e injectar drogas. Se não fosse pelo lado humano da questão, que aquilo doi à brava, seria pelo lado económico (aqueles procedimentos médicos custam balúrdios).

Ainda meia atordoada com a sorte que me estava a bater à porta, agradeci a atenção, expliquei que não acreditava em "galinha gorda por pouco dinheiro" (não por estas, mas por poucas palavras) mas que se mudasse de ideias iria pedir o contacto de tão "iluminado" santo na terra.

Sei que devemos respeitar crenças diferentes das nossas e procuro ser cada dia menos intolerante. Também sei que a intenção foi das melhores e não queria ser injusta.

Mas, sinceramente, às vezes perco a pachorra. Já basta o que basta.

Assim não dá para ser sãzinha da cabeça.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Teria sido hoje

Teria sido hoje o meu regresso à vida activa, caso não me tivesse metido na droga.

Quem ficou a lucrar foi a minha Princesa Rainha, que se safou de ir já para o berçário e tem a mãe 100% disponível durante mais uns tempitos.

Assim, enquanto estiver refém do meu sistema imunitário, cá continuarei no meu papel de mãe e dona de casa e a cumprir o ritual de ler, diarimente, os sumários do Diário da República, que uma mulher tem de estar sempre actualizada.

É da maneira que vou entrar em 2010 cheia de força e com o Código Contributivo lido, sublinhado e cheio de post it.

Me aguardem.

domingo, 1 de novembro de 2009

Gira e "boa", como um helicóptero

Faz hoje anos, a nossa loira. A miúda que está a arruinar o negócio das manicures de Aveiro e arredores.

Sim, que a ragazza é tão perfeita que há muito mulherio que rói os dedos (onde é que já vão as unhas).

"Toca piano e fala francês"? Muito banal. A chicca fala chinês. Palavra de honra. E tem sentido de humor, tempo para mim (sabem que valorizo)...

Preciosa, como diriam nuestros hermanos

PARABÉNS MADALENA

sábado, 31 de outubro de 2009

Surpresa

Estou tão feliz, que nem imaginam. É o que dá ter AMIGOS de categoria, que nos oferecem uma das coisas mais preciosas que temos hoje em dia, TEMPO. E quando não o têm, inventam.

É muito prendado o meu AMIGO Kinas, desportista de eleição, disc-jockey de renome, empresário de sucesso, com um futuro brilhante na política, e muito mais poderia ser dito. Enfim, é ver para crer.

Não estou a exagerar, já é coisa de família. Começando na mãe, passando pelas irmãs, MM e acabando no cunhado. ÚNICOS, é só o que vos posso dizer.

E, meninas, está disponível (acho eu, que ele não me conta nada).

Obrigada Engenheiro. Está muiiiiiiiiiiiiiito lindo o meu blog. Gostei do novo lay-out (coisa chique).

As minhas limitadas capacidades nunca permitiriam fazer uma coisa tão bonita. Para atingir a perfeição, só fica a faltar o prometido prefácio.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Vida Nova

Chamem-me pirosa, mas gosto de ver o "Vida Nova" da Fátima Lopes. É verdade Carlota, não devo ir lá, mas assumo que gosto.

Apesar de a apresentadora não resistir à lagrimita, penso que consegue mostrar histórias de vida comoventes, pela força e coragem de quem as vive, de uma forma muito bonita e menos melodramática que a maioria dos programas de TV.

E numa altura, como esta, em que somos bombardeados com notícias de doenças graves e outras tragédias, é óptimo ficar a conhecer histórias da "vida real" com um final feliz.

Histórias de quem se viu (ou vê) a braços com problemas tão grandes, que para muitos seriam razão para desistir, mas não se deixa vencer. Histórias de quem nos faz sentir muito pequeninos, quando nos lembramos que passamos a vida a lamuriar-nos por tudo e por nada.

Acima de tudo, histórias que nos fazem acreditar que se outros conseguiram, nós também vamos conseguir.

A propósito de uma dessas histórias, quero deixar aqui um beijinho de Parabéns à Liliana. Uma guerreira que já conhecia através do seu blog e hoje vi ser entrevistada pela Fátima Lopes. Mais uma daquelas cidadãs comuns que foi "apanhada" (como diria o execrável homeopata que me consultou) pelo cancro, mas não entregou os pontos.

Foram histórias como as da Liliana que me deram força, no início da m/ caminhada. Obrigada. Liliana, por partilhares a tua luta.

Uma palavra especial ao marido da Liliana. Um Homem com H grande. Sempre presente, ao que tenho visto, nos bons e, especialmente, nos maus momentos.

Também tenho a sorte de ter um assim, ESPECIAL, e sei como é importante. Homens, quem os quer bons arranja-os e mais nada. Digam o que disserem, eles fazem falta

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Não nasci para ser rica

Não há volta a dar-lhe. Não nasci para ser rica, ponto.

Cada qual tem o seu destino e não estou a queixar-me. Tenho mais do que suficiente para viver confortavelmente e feliz. Não vou é atingir aquele estado que permite gastar sem fazer contas. Factos são factos.

Falta-me, definitivamente, o dom de adivinhar tendências e nichos de mercado. Então não é que o cabelo natural está na moda, havendo quem dedique a sua existência a furtá-lo e eu passo a vida a deitar mãos cheias dele à sanita?

Vou longe, vou. Enfim. É certo que o meu cabelo é fininho, leve e, consequentemente, menos valioso. Mas, em todo o caso, "money is money" e, como diz o pai Nando, "quem tem 99 não tem 100".

Ainda por cima, nós temos cabelo que é uma coisa parva. Nunca imaginei. Ele cai, cai, mas cá continuam alguns teimosos que vão disfarçando. Os suficientes para poder dizer que ainda tenho mais que o meu marido, com a vantagem (que já fez questão de me recordar) de ser uma situação transitória. Eh,eh,eh.

A questão não me é indiferente, claro, mas já deixou de me tirar o sono. E tirou-o durante bastante tempo. Muitas noites houve em que acordava cada vez que me mexia, com receio de ter perdido mais cabelo.

Já ouvi dizer vezes sem conta que é um "mal menor". Que seja, mas não deixa de ser um mal e doloroso. Seja pela parte estética, seja por ser um sinal, demasiado vincado e evidente, da doença. Manter algum cabelo permite-me alcançar um dos meus principais objectivos, desde o início, proteger os meus avós.

A parte estética tornou-se ainda mais secundária quando a "minha outra metade" se virou para mim e, de forma completamente espontânea, disse "Lice, quando o cabelo te crescer mantém esse look despenteado".

Mais palavras para quê.

domingo, 25 de outubro de 2009

A minha gravidez foi:

Tenho feito figura de ursa muitas vezes. Desde as orais na faculdade, a julgamentos durante o estágio, reuniões de trabalho, etc, etc, etc.

Apesar de ter já larga experiência em situações embaraçosas, a mais complicada de todas aconteceu há bem pouco tempo, aquando da 1.ª consulta da Leonor na pediatra.

No início da consulta, a médica perguntou-me "a gravidez correu bem?".

O meu rosto iluminou-se e respondi prontamente, correu.

Ah, quer dizer, estive internada às 28 semanas porque a Leonor estava alojada no lado direito e comprimia-me o rim. Estive uma semana sem conseguir comer e dormir, tantas eram as dores. Mas ela esteve sempre bem.

Ah, e às 19 semanas foi-me detectado um linfoma, que foi removido com anestesia local, bla, bla, bla...... Mas ela esteve sempre bem.

Quando acabei, estava a médica a olhar para mim e a dizer "esta bebé é um milagre".

Realmente, penso agora, se isto é correr bem vou ali e já venho. Senti-me um bocado parva ao dar a resposta. Depois de dizer, com aquela prontidão, que a gravidez correu bem, contar aquele chorrilho de complicações, não parece muito normal.

Mas eu explico, é que os problemas que existiram relacionaram-se sempre comigo. A Leonor mostrou-se muito forte e saudável, durante todo o tempo. E fazia questão de o mostrar com os seus golpes de karate. Daí a dúvida na resposta.

Podia ter tido problemas de grávida normal, tipo enjoos, pernas inchadas e depressão pós-parto, mas não. Tinha de ser mais radical.

E agora vejo-me na situação de não saber como resumir a história da minha gravidez.

Pode parecer uma questão sem importância, mas tem o seu quê. A pergunta persegue-me. Seja na pediatra, na ficha do infantário ou no album de fotos da Leonor, lá está ela.

Depois de dar muitas voltas à cabeça acho que cheguei a uma resposta sucinta mas que retrata muito bem a realidade.

A minha gravidez foi: MUITO DESEJADA.

Agora é só torcer para não me fazerem mais perguntas. Chamem-me tola, mas continuo a achar que correu bem.

A memória é curta, especialmente quando a contrapartida é tão boa.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Mais um bebé a caminho

Soube há dias que uma amiga minha de infância vai ser avó. Foi mãe aos 16 anos e agora a filha, de 17 anos, está grávida de 5 meses. Vai ter um menino.

Apesar de ficar feliz, sempre que sei que há uma nova vida em gestação, não posso deixar de ficar preocupada porque é mais um caso de miséria humana.

A história desta família tem sido muito conturbada. Estava com esta amiga quando fumou o 1.º cigarro. Infelizmente, não se ficou pelo cigarro e as coisas complicaram-se muito.

Essa fase horrível passou, mas neste momento está desempregada, assim como o pai do bebé, e a jovem mãe está a fazer um curso de formação profissional.

Como acredito que toda a sociedade tem de se mobilizar para ajudar este e outros bebés com histórias semelhantes, vou dar o 1.º passo.

Assim, peço a todas as mamãs que ainda tenham coisas dos seus bebés (roupa, banheira, produtos de higiene, alcofa ....) ou suas (roupa, discos de amamentação...) para dar, que colaborem. Eu encarrego-me de fazer chegar ao seu destinatário.

Obrigada

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Novidades

Cá estou eu, a deitar os bofes pela boca. Sinto-me muito cansada, e mais não faço nada, além de mudar fraldas, dar biberões e pôr roupa da Leonor de parte.

E por falar na roupa da Leonor,estou ansiosa por ter sobrinhas, preferencialmente filhas de amigas e não das minhas manas (que ainda são tão pequeninas). Sobrinhas porquê, 1.º porque cá em casa nem os bodies são unisexo. Viva o pink. 2.º, a rapariga cresce à velocidade da luz, ou seja não chega a "romper as mini saias" e acho um crime que fiquem sem uso. Eh,eh. Fico à espera de notícias.

Voltando às novidades, o cansaço é normal, na semana pós quimio. As análises estavam negativas. Apesar disso, continuo com alguma "soltura". Não me perguntem porquê.


Ontem fui a uma consulta de rotina no IPO, com o dermatologista que eu acho que me "salvou" a vida.

Está tudo bem, quer dizer tenho umas manchas na pele que vou tratar (nada de novo) e fiquei a saber que as marcas de arranhões que tenho vão desaparecer, um dia se não for antes.

Para quem não sabe, um dos sintomas do linfoma era uma comichão insuportável que fazia com que me coçasse 24 horas por dia. Pois é, cocei-me tanto ou tão pouco que as marcas cá estão, horríveis.

Fiquei muito contente por saber que não vou ter de passar o resto da vida, sempre que usar vestidos ou camisolas de alças, a responder à pergunta "o que é isso que tens nas costas"? Ou a ouvir piada sobre as minhas noites, eh,eh,eh.

Esta semana estou na minha casinha, praticamente cativa se considerarmos que moro no 2.º andar, tenho uma giraça que pesa 8 Kgs, e ainda tem de me aturar pelo que vai comigo para todo lado e o elevador está avariado desde 6.ª à noite.

De resto, tudo na mesma e já me chega. Uma animação.

domingo, 18 de outubro de 2009

Tardes de domingo

Ainda sou do tempo em que o futebol se jogava ao domingo à tarde. Coisa rara nos dias que correm.

Nos dias em que os jogos eram fora, as mulheres ficavam no carro a fazer crochet, com as crianças aos berros no banco de trás, enquanto os homens iam à bola.

Quando estava bom tempo, as mamãs levavam a pequenada até aos baloiços ou a dar um passeio pelas redondezas.

Foi assim que conheci, por exemplo, o castelo da então Vila da Feira, mais tarde Santa Maria da Feira, para onde o destino havia de me trazer muitos anos depois.

Longe de ficar traumatizada com estes programas dominicais, para algumas um tanto ou quanto machistas, tornei-me, com o tempo, a companhia do meu pai nos jogos.

Cada tarde de domingo era uma emoção. Está a chover tanto, será que o pai quer ir? E lá ficava eu caladinha, a fazer figas atrás das costas.

O bilhete é tão caro. Lá começavam os adeptos visitantes, entre os quais o meu pai, a praguejar entre dentes, terminando sempre a dizer em voz alta "como é que estes gajos querem que a gente venha ao futebol". E eu caladinha, a torcer para que o pai não desistisse e fossemos embora.

Vibrava com cada vitória do meu Beira-Mar,sofria com as suas muitas derrotas, tinha o calendário dos jogos, recortava os comentários.

Quando terminava o jogo lá regressávamos ao Porto, sempre a ouvir os relatos e os resumos dos outros jogos. Ainda hoje gosto de conduzir tendo os os relatos como "música de fundo".

Para mim, ir ao futebol perdeu a graça, quando o Beira-Mar deixou de jogar no velhinho Mário Duarte. Não temos, como é evidente, dimensão para jogar naquele "elefante colorido". Desapareceu aquele sentimento de proximidade com os jogadores e restantes adeptos. Já nos conhecíamos todos, sabíamos onde se costumava sentar cada um. Estar a assistir a um jogo oficial num ambiente mais silencioso que o de um jogo treino deixa uma sensação de vazio.

Continuo a gostar muito de futebol mas os meus interesses foram mudando, pelo simples decurso da vida.

E cá estou eu, num domingo à tarde, a mexer no baú das memórias.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Cápsulas Nespresso - Campanha terminou em 2008

Bom dia,

recebi, em resposta a um e.mail meu, a informação que abaixo transcrevo e que não podia deixar de partilhar convosco. Pelos vistos esta campanha terminou em 2008, pois destinava-se à realização de uma árvore de Natal nesse mesmo ano. Ora, já estamos quase no Natal de 2009. Segundo consta também nesta informação (numa parte que não estou a conseguir copiar) o e.mail que se encontra novamente a circular foi alterado por alguém.

De qualquer forma haverá sempre uso para as nossas cápsulas. Existem, certamente, muitas outras entidades com interesse em utilizá-las (infantários, por exemplo), será só uma questão de tempo. Deixem passar o S. Martinho (a próxima festividade de que me recordo) e verão.

bello.pedro@hotmail.com Vacation reply‏ 8:44



Vacation reply‏




De: bello.pedro@hotmail.com
Enviada: quinta-feira, 15 de outubro de 2009 8:44:42
Para: susanaaliceneves@hotmail.com

Este reply, infelizmente para todos, só interessa a quem me escreve sobre a Campanha de Capsulas de Cafe.
Desde Abril 2009 que circula um email falso.
Querendo responder às dezenas de emails/dia, só me ocorre esta solução até que alguem me apresente outra melhor.
Obrigado.



A Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro agradece a todos aqueles que colaboraram no projecto de recolha de cápsulas de café utilizadas. A participação foi surpreendente e reveladora de um grande empenho cívico e reconhecimento pelo trabalho que a Acreditar tem vindo a desenvolver.
A Campanha terminou após o alcançar do objectivo inicial – execução de trabalhos manuais na época do Natal de 2008.


Porque a nossa actuação vai muito para além desta actividade pontual pedimos que não nos façam chegar mais cápsulas de modo a que, norteados pela missão de “tratar a criança com cancro não só o cancro na criança” nos possamos dedicar a outras solicitações.

A todos agradecemos deixando a certeza de que a expressão pública de apoio contribui, em muito, para o fortalecimento da nossa actuação!

Qualquer esclarecimento por favor contactar Filipa Carvalho: fc@acreditar.pt