sexta-feira, 21 de julho de 2017

Saibam onde podem encontrar cuidados paliativos na vossa zona de residência

Um final de vida digno e com as máximas condições de conforto é algo que me diz muito e uma causa para a qual gostaria de contribuir já que a sensibilização para a importância de cuidados paliativos, já para não falar do acesso aos mesmos e preparação dos profissionais de saúde, é algo em que Portugal revela ainda uma grande lacuna.

Sei bem o que é deparar-me com esse cenário e ficar perdida sem saber para onde me virar.

 Tive a sorte de a família poder custear serviços médicos e  de enfermagem cuja qualidade foi mais do que duvidosa, já que os profissionais em causa estiveram longe de saber lidar com a situação tendo sido, no mínimo, infelizes em determinadas condutas e palavras ( talvez um dia detalhe esta questão).

Mas há muito quem não tenha essa possibilidade.

Assim, quando me deparei com esta ferramenta que podem  ver AQUI, que permite encontrar equipas que podem dar apoio ao Doente Paliativo na sua área de residência, disponibilizada pela Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, não hesitei em partilhar.

A pesquisa é simples. Os resultados é que são poucos já que a rede ainda é muito incipiente. É o que temos.

Bem haja APCP.

Ontem a Tita foi dormir feliz

Ao dar a notícia à  Tita de que tinha ouvido dizer que a professora que vai ter na primeira classe é muito boa, a avaliação foi imediata. "Se é muito boa, não deve passar muitos trabalhos de casa!".
E foi dormir feliz.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Amigos

Tenho por Amigos aqueles de quem sinto as dores e, igualmente, tomam as minhas. Os mesmos que nunca me negam sorrisos, que devolvo em igual dose.
Aqueles que comigo crescem, teimosamente escolhendo os momentos mais duros para se fazerem presentes.
Tenho por Amigos aqueles que só por irrelevante mero acaso não são meus irmãos, mas a quem amo como tal, e por saberem quem são me dispenso de nomear.
Grata, muito grata, meus Amigos por me encherem a alma daquilo que de mais valioso existe na vida - a gratuitidade.

Pernas, para que vos quero!




Esta foto mostra as pernas do ciclista polaco da equipa alemã Bora-Hansgrohe  Pawel Poljanski no final da Volta à França.

A imagem não tem nada de bonito, bem pelo contrário, e só reforça a minha dualidade de sentimentos relativamente aos desportos de alta competição.

Gosto de ver mas não consigo evitar uma sensação de desconforto. Este resultado não pode ser normal, muito menos saudável.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

A importância do tédio para as crianças (e adultos, nota minha)

Hoje encontrei ESTE artigo muito interessante sobre a importância do tédio para o desenvolvimento das crianças. Os argumentos apresentados parecem-me fazer todo o sentido e até me atrevo a dizer que são transponíveis para os adultos.

Sendo o tédio algo que anda muito arredado da nossa vida familiar, deixou-me a pensar.