terça-feira, 23 de maio de 2017

Não me conformo e ponto final!

O meu marido diz, e com alguma razão, que não há mudança nenhuma que me agrade. De facto, tenho uma dificuldade tremenda em aceitar mudanças em coisas de que gosto e que, só por isso, deviam ser imutáveis na minha perspectiva.
Claro que a maior parte das vezes tenho de me resignar e com o tempo lá me adapto. Há, contudo, coisas que me recuso a engolir. Já não é  de agora e até já me lamuriei por aqui. Estou inconsolável. Devolvam a identidade à Anita. Deixem a Martine na origem.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Que têm de diferente a igreja de Válega e a torre Eiffel?

Nunca visitei, muito menos fotografei a igreja de Válega, em Ovar aqui a 2 passos de mim.

No entanto, fotografei de todos os ângulos possíveis e imaginários a torre Eiffel. E olhem que gosto 1000 vezes mais de azulejo que de ferro.

Pelas fotos que vi, a igreja de Válega deve ser lindíssima e merecedora da tal visita. Só tem um problema, está demasiado perto e talvez por isso o meu ângulo de visão não a alcance.

Como este tenho outros muitos exemplos. Aliás, não chegariam os dedos das mãos para  enumerar as coisas bonitas que, apesar da proximidade, me passam ao lado.

No entanto, se for longe de casa até nos calhaus reparo.

Creio não ser caso único, mas chateia-me fortemente.

Ir a algum lado é dizer que lá existe isto e aquilo, como se fosse o máximo, sem ter sequer reparado que também o temos dentro de portas é caso para dar direito a fustigação com ramos de urtigas.

E eu estarei na primeira linha. Raios!



O chamado pontapé na atmosfera





domingo, 21 de maio de 2017

A família MUSA


Ontem foi dia de festa da família MUSA, a escola de música em que as minhas patroas deram os primeiros passos.

Mais uma vez, a audição final realizou-se num ambiente cheio de alegria e de pequenos pormenores pensados e executados à medida.

O tema não podia também ser mais oportuno, numa homenagem a 4 grandes músicos pois claro.

A família, e posso usar a palavra com propriedade pois é realmente um ambiente muito familiar que se respira por aqueles lados, está de parabéns.

Para além da qualidade técnica, tenho de realçar o excelente acolhimento e atenção que merece cada uma das pessoas que entra naquela escola.

Aos seus mentores, Marisa e Luís, um grande bem haja. À restante equipa, votos de que continuem sempre com essa dedicação e sorriso no rosto que tanto me toca.

Há poucas coisas melhores que cruzarmo-nos com quem encontrou a sua real vocação e é bom naquilo que faz.