terça-feira, 30 de agosto de 2011

A aproveitar os segundos

Neste momento, vivo um pequeno milagre.

As minhas patroas estão, AS DUAS, a dormir. Tirando a noite, em que dormimos os 4 (com uns intervalos, meus e da Benedita, pelo meio), é mesmo um momento raro.

As férias das pequenas estão a acabar e, confesso, que estou a precisar de uns minutinhos para mim.

Isto de ser mãe a dobrar é muito bom, mas o grau de exigência é tão elevado que, por vezes, receio não ter energia suficiente.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Já a pulga tem catarro

Leonor, empresta o teu peluche à mana.

Não, não é para crianças.

Já a pulga tem catarro

O cúmulo da vergonha

O cúmulo da vergonha é só perceber que temos de depilar as axilas quando a nossa filha olha para nós, com um ar horrorizado, e pergunta "o que é isto"?

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Dita catita



E aos 5 meses, a miúda está uma giraça (modéstia à parte). Toda vivaça e curiosa.

Um mimo.

I´m in love

Para o pai da Carla e restante família

Antes de me perder nos meus habituais devaneios, começo por desejar muita força ao pai da Carla, uma visitante deste blog, que é mais um guerreiro a iniciar a sua luta.

Tenho a certeza que tudo correrá pelo melhor e que, com a ajuda daqueles que o amam, sairá vencedor e ainda mais amado, pois se há coisa que este bicho consegue é reforçar os laços de amor, tão essenciais à cura.

Fico contente por encontrarem algum alento aqui no meu cantinho. Foi, também, em blogs deste género que o encontrei. E é também por isso que não acabo com o blog, ou o converto definitivamente num baby blog. Continuo a acreditar que nada é em vão e se a minha história puder ajudar alguém já teve razão de ser.

Peço à Carla que vá dando notícias.

Beijinhos

sábado, 13 de agosto de 2011

27 meses


Sua alteza real, princesa rainha Maria grande faz hoje 27 meses.
Estamos na interessante fase do desfralde. Até ao momento tem corrido bem, mas confesso que não tenho arriscado muito.
A minha mais velha é uma terrorista daquelas bem perigosas, pois quando está com estranhos veste a pele de cordeiro. Parece que não parte um prato, mas em casa parte o serviço todo.
Cada vez mais apaixonada pela sua mana, é uma irmã muito protetora que tanto ralha como dá muitos mimos. É de ir às lágrimas, quando começa a dizer "ai que coisa mais linda, que pézinhos tão bonitos; temos de mudar esse cocózinho".
A personalidade essa está cada vez mais vincada. Não é não e só precisa de o dizer uma vez para percebermos. Tem feitio de líder, dizem-me no infantário.
O 1.º objetivo que traçou na vida, já aqui o anunciei. Anseia comprar uma moldura e passa o dia a dizer que quer ir trabalhar. Parece que estou a criar uma workhaolic, apesar de em casa não deixar transparecer. Cheira-me que vou ser a nova D.ª Dolores.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Ainda sou do tempo

Ainda sou do tempo em que as pessoas mandavam cartas umas às outras e os CTT tinha como principal função o envio de correspondência. Agora, como diz o meu marido, ainda enviam correspondência. As estações de CTT vendem de tudo e mais alguma coisa e nos intervalos tratam de enviar contas para pagar e notificações judiciais.

Ainda sou do tempo em que se usava o telefone fixo para comunicar. Agora só serve para telemarketing e vigiar o trabalho de quem anda a colocar publicidade na caixa do correio ou a fazer entregas (numa semana recebi dois telefonemas da PIDE).

Ainda sou do tempo em que se trocavam sms. Havia até quem se conhecesse por esse meio. Agora as sms só são utilizadas para publicidade.

Ainda sou do tempo em que as meninas (a algumas mais graúdas) escreviam diários. Agora escarrapachamos os nossos pensamentos nas redes sociais (e eu que o diga).

Engraçado como as coisas mudam! E em pouco tempo, que não sou assim tão velha!

"Estou pronto para a luta"

Mais um guerreiro que vai começar a sua luta contra o cancro.

Boa sorte Reynaldo Gianecchini

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Paris de France

Abri o armário da cozinha da minha avó e lá estavam. Sucre en poudre, sucre en morceaux, langues de chat, Nescafe decafeine.

É oficial, chegou a voisine.

Só ficou a faltar a tour eiffel avec la neige. A coleção continua a ter só 21.

Será?

Hoje estou que nem um perú.
Consegui montar, sózinha, um móvel do IKEA.
Bem, na verdade é só uma pequena estrutura metálica com gavetas. Mas montei-a sózinha, a seguir um livro de instruções. Será que o meu cérebro venceu o bloqueio a livros de instruções?

terça-feira, 9 de agosto de 2011

A enviar CV´S

"Mãe, a Maria Leonor quer ir trabalhar. Sabes porquê mãe, quero comprar uma moldura para a fotografia que tirámos".

Face a esta tenacidade, resolvi ajudar a pequena e comecei a enviar os seus CV`S.



domingo, 7 de agosto de 2011

A pouco mais de um mês

A pouco mais de um mês do regresso ao trabalho, eis que a Maria pequena resolveu começar a acordar, e mamar, de duas em duas horas.

Um espetáculo, para quem tem de puxar pela cuca o dia todo.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Tenho um papagaio

Depois das andorinhas, arranjei um papagaio.

O bichinho é amoroso, mas deixa-me a cabeça em água. Não se cala um segundo e faz-me sentir como se vivesse numa gruta. Tudo o que digo é repetido, tipo eco, mais de uma vez.

Eu, que já não era dona do meu tempo nem das minhas coisas, tenho agora de ter atenção redobrada aos desabafos que são reproduzidos fielmente à frente de quem quer que seja.

Desconfio que à conta destes papagaios de duas pernas já houve muitas incompatibilidades. Tenho de aproveitar enquanto não me lê os pensamentos.

PS Não que eu diga mal dos outros, claro. Posso é ser mal interpretada pelo bichinho.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Obrigada Sónia

A Sónia era uma amiga, ainda que virtual, cuja vida seguia através do seu blog. Era uma guerreira que travava uma dura luta contra o cancro.

Venceu muitas batalhas e foi altruísta ao ponto de partilhar a sua vida e dar muita força a quem, como ela, vivia problemas semelhantes.

Deus entendeu levá-la e, apesar da dificuldade que tenho em perceber certas coisas, quero acreditar que o seu sofrimento não foi em vão.

Obrigada Sónia.

Bon, como o milho do Porto




O que é que uma gaja que se emociona numa festa de finalistas da pré-primária (só de imaginar a festa das suas filhas daqui a uns anos) pode dizer do concerto da sua banda preferida?

Brutal. Muito bom. Não só o concerto em si, mas tudo o que o rodeou e o que significou.

E a companhia não podia ser melhor. A melhor. Thank you my man, you´re the best.

As pequenas ficaram em ótimas mãos e nem se lembraram da nossa existência durante 4 horitas.

Em resumo, foi excelente sair com o marido como se fossemos adolescentes.