quinta-feira, 30 de junho de 2016

A sério que há que compre ar enlatado?!!!

Pelos vistos já há em Portugal quem ande a vender ar enlatado. Até aqui (quase) tudo bem, que a coisa suscita-me uma série de dúvidas juridicamente existenciais.

Pruridos à parte, na verdade até invejo o mentor do negócio já que a mim me falta, definitivamente, esse rasgo.

O que não consigo perceber é quem compra o dito ar. Mas cada um sabe de si.

Se o orgulho e a vaidade matassem, tinha sido ontem a minha hora

Se o orgulho e a vaidade matassem, tinha sido ontem a minha hora. Não tenho a menor dúvida.

Assisti à melhor representação da Carochinha e o João Ratão alguma vez vista e fui surpreendida pelo desempenho da actriz principal (sempre tão tímida fora de portas).

Acho que a Tita descobriu uma vocação e eu estou aqui toda babada.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Filho condenado a pagar Alimentos ao Pai

Não conheço os contornos do caso que levou a que um idoso se visse obrigado a pedir alimentos a um dos filhos, e por isso não vou comentar a atitude do condenado, mas vejo muitas situações de guerra nas famílias quando chega a hora de cuidar dos pais. E é do mais triste que há.

Esta sentença é reveladora de avanços no sistema judicial. Pena que à custa do atraso de muitos.

Podem ler AQUI

terça-feira, 28 de junho de 2016

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Racional, eu?

Hoje chamaram-me racional; disseram-me até que admiravam a minha calma.

Ah, como a superfície engana.

Até me ria, se tivesse vontade de o fazer.

domingo, 26 de junho de 2016

Eus em mim


Vejo em mim tantos eus  quantos aqueles com que me cruzo

A quem me moldo, por Amor ou cortesia.

De todos acolho outros eus que faço meus

A todos dou o eu que preservo em mim.

Sou uma só na rectidão dos princípios, construídos a pulso

Na tentativa de me manter diferente na diversidade dos eus,

E  sempre que  me procuro,

Vejo-me criança levada pela mão.

Presa às raízes de onde brotei

Sou os outros eus sem deixar o eu em que nasci.

sábado, 25 de junho de 2016

Começo a achar que sou masoquista

Isto de ficar 120 minutos colada ao écran, com uma criança a choramingar devido a uma vacina e outra eléctrica agarradas a mim, leva me a crer que devo ser masoquista.
Ou então é só a confirmação do que alguns defendem sobre o sofrimento inevitável a quem quer alcançar algo.
Certo, certo só a força da santinha de que o nosso seleccionador é devoto.
E venha a Polónia.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Cancro e gravidez - boas notícias

Hoje deparei-me com um vídeo cujo título dizia que muitas mulheres abdicam de tratamentos quando lhes é diagnosticado cancro na gravidez.

Como imaginam, trata-se de uma temática que me diz muito.

Apesar de no meu caso não se ter chegado a colocar a  necessidade já que, aparentemente, a biópsia excisional da lesão teria matado a bicheza, foram meses de "ver como é que a situação evoluía" e nos quais os temas aborto e tratamentos (ainda que de forma hipotética) foram levantados.

Não consegui pois evitar a curiosidade de ver a reportagem já que me revejo profundamente na decisão de quem opta por abdicar dos tratamentos para poder prosseguir a gravidez.

Cheguei à conclusão que a reportagem pouco tem a ver com o título escolhido mas convido-vos a que a VEJAM já que aborda várias questões importantes e dá-nos a boa notícia dos avanços que têm existido a vários níveis, designadamente ao nível das técnicas de preservação da fertilidade feminina.

Lição a reter - cada caso é um caso. Fundamental é confiar na equipa médica (tive a felicidade de me ter saído a melhor na rifa) e ter fé na cura.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

A confusão que me faz ver adultos a portarem -se pior que crianças

Estar fechada, o dia todo, numa sala com mais de 50 adultos a portarem-se pior que crianças é coisa para me arrasar os nervos.
Como se pode exigir aos pequenos que se comportem numa sala de aula se nós, os crescidos, não o fazemos?
Haja pachorra!

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Quando o nosso pai cai na real

Esta manhã, quando se deparou comigo, o meu pai ficou espantado ao reparar que estou cheia de cabelos brancos.

Lá tive de o lembrar que já tenho 39 anos.

E o meu jovem pai, com os seus 62 anos, só exclamou "pareces uma gaiata!".

Acho que deve ter ficado o dia todo em negação, o pobre.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Testemunho de fé

Eu desejei muito e aconteceu.
Pediste a Jesus que te ajudasse?
Sim. Sabes mãe, eu nunca o ouço. Quer dizer, ouço mas é na minha cabeça. Sou eu que invento. Eu peço e Ele diz-me. Está bem. Eu dou-te.

Leonor, 7 anos

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Adoráveis mas, ainda assim, cansativas

Andava a ansiar a chegada das férias das patroas, na esperança de que o ritmo abrandasse mas não imaginava quanto estava enganada.


Depois da festa de fim de ano do basket (que me valeu um escaldão - mea culpa) fui surpreendida com um torneio inesperado (e já há outro na calha).

Depois da festa de fim de ano da música (que levou uma tarde e obrigou a não sei quantas corridas para os ensaios), eis que recebo e.mail com a notícia de uma audição que está para breve.

Depois do fim do ano lectivo, percebo que há que chegar meia hora mais cedo à escola por causa das idas à praia.

São adoráveis as criancinhas. Não há melhor no mundo (que não há), mas conseguem ser cansativas como tudo.

sábado, 18 de junho de 2016

É oficial. A Leonor passou para o 2.º ano

Depois de um início de ano algo atribulado, com direito a recados na caderneta e a conhecer todos os lugares da sala, a Leonor acabou por compreender que o 1.º ano era já coisa séria e acabou por se revelar uma menina responsável e muito empenhada.

À medida que percebia a sua evolução, ia querendo mais e foi assim, de passo em passo, que chegou ao fim com uma excelente avaliação.

Foi maravilhoso assistir a cada conquista e ver o seu entusiasmo. Não esquecerei o momento em que percebeu que já sabia ler.

Segue-se outra etapa. A minha menina (para mim sempre bebé) está a crescer e eu sou a mãe mais orgulhosa do mundo.

quinta-feira, 16 de junho de 2016

A ver se a gente se organiza

Vamos lá ver a agenda

Sexta à noite - festa da catequese: decorar as falas da personagem; preparar fato de vendedora ambulante; arranjar algo para o lanche partilhado

Sábado de manhã - ir para o pavilhão fazer gelatina para 150 garotos que terão torneio no dia seguinte

Sábado à tarde - compromisso institucional (que chique)

Sábado à noite - livre (se Deus quiser só dá Portugal)

Domingo de manhã - fazer bolo para levar para o torneio; partir rumo ao Norte para abrilhantar/arrasar casório com a minha bela voz.

Ufa

terça-feira, 14 de junho de 2016

Julgamentos

Julgamentos, só temo os da consciência com a qual durmo todos os dias. Tenho - a limpa, apesar de a alma me sangrar. Há momentos em que a racionalidade se impõe, sob pena de se perder a razão.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Porque disponibilizam o Diário da República a 12 de Maio?*

Vai uma pessoa trabalhar, depois de um fim de semana prolongado que exigia algum descanso, tenta cumprir o seu ritual diário em dias úteis e depara-se com esta informação no site do Diário da República. "O Diário da República é disponibilizado apenas aos dias úteis, de acordo com o artigo 4.º do Despacho normativo n.º 35-A/2008, de 29 de julho: "O Diário da República é publicado todos os dias úteis, sem prejuízo da possibilidade de publicação aos sábados, domingos e feriados, em casos excepcionais devidamente justificados, mediante despacho do membro do Governo responsável pela edição do Diário da República." Palavra que até me baralhei. Quem sou eu, de onde venho, para onde vou? Mais, porque é que estou a trabalhar hoje? Obviamente percebo que os colaboradores da INCM têm direito ao seu feriado municipal, mas a informação podia estar mais adaptada ao país real. * feriado municipal que me veio à memória, assim de repente

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Portugal Allez

Quando pensei neste título pareceu-me uma heresia escrevê-lo no Dia de Portugal. Afinal sou uma fervorosa defensora da língua portuguesa.

Entretanto, lembrei-me que o Dia é também das Comunidades Portuguesas pelo que o título não estará assim tão despropositado, num dia em que inicia o Campeonato da Europa.

Por isso, o meu forte "Portugal Allez" e votos de muito sucesso para a nossa equipa das quinas.

Lembrem-se, rapazes, que nem todos os adversários são a Estónia. E que só temos hino para nos dar ânimo nas derrotas. A malta dispensa ouvi-lo, tá?

quarta-feira, 8 de junho de 2016

O buço e os melhores amigos

Já é a segunda vez que me acontece. Marco hora na esteticista para fazer as sobrancelhas e quando lá chego, ela(s) apanham-me de olhos fechados e trazzzz ... lá vai o buço.

Em nenhuma das vezes fiz qualquer reparo e fiquei bem caladinha, tanta a vergonha. Algo me diz que é um sinal ao qual devo estar atenta (leia-se começar a tratar da penugem).

Mas hoje, no dia dos melhores amigos em que me preparava para escrever um sentido post sobre os meus, dei por mim a pensar onde andarão eles que não me alertam para estas evidências ?

terça-feira, 7 de junho de 2016

Quando é que tratam disso de vez?!

Estava a explicar à Leonor o que é o Alzheimer e as transformações que provoca nas oessoas quando me fez uma observação, óbvia para uma criança de 7anos nascida em plena era das tic.
Porque é que não tratam disso de vez?
De facto custa a perceber o porquê de o estado da arte ainda ser tao rudimentar neste campo. Há  quem fale em interesses contrários Eu prefiro acreditar tratar-se só de um atraso.

domingo, 5 de junho de 2016

Velhos demais aos 6 anos

O JN de hoje dá conta da existência de mais de 300 crianças em Portugal que ninguém quer adoptar.
Um dos motivos é  o facto de terem nais de 6 anos.
Velhas demais...

No comments

sábado, 4 de junho de 2016

Abandono de idosos não será criminalizado

ESTA é, sem dúvida, uma das notícias que marcou a minha semana (e não foi no bom sentido).
No meu país há quem se desunhe para que os maus tratos a animais sejam criminalizados, mas entende que os idosos não merecem a mesma protecção. E isto é  algo que nunca compreenderei. Por muito que goste de alguns animais, há alguns que me mexemm com os nervos.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Devoção

-Hoje vou à reunião da catequese.
- Há lanche partilhado?
- Não!
- Então não vou!

Carta por pontos

Entra hoje em vigor a carta por pontos, com o objectivo de redução da sinistralidade. Não mudam as regras de condução, nem se exige formação adicional aos condutores.


Ou seja, aparentemente, existem já (e sem necessidade de chicote) condições para que a sinistralidade seja muito inferior.


O problema está mesmo no ser humano que precisa de chicote para ser cumpridor de regras de condução, mesmo estando em causa algo tão essencial quanto a sua segurança e a dos outros.


Esta semana ouvi um militar a dizer que, muitas vezes, não bastam as cenouras para mudar hábitos e tem de se usar o chicote. De repente, pareceu-me um comentário despropositado mas pensando bem corresponde  à realidade.


É pena.