Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2019

Olha o babete aqui para a mamã!

Imagem
A nossa benjamim entrou no conservatório e não percebe porque é que toda a gente lhe dá os parabéns.
Melhor que vê-la iniciar mais uma etapa é perceber que o faz com grande leveza e descontração. Está feliz e eu feliz estou de a sentir assim. Feliz e super babada.

Se eu subo até ao céu sei que ali também Te encontras

Imagem

Prometeu

Imagem
Estou como ele, esperando que Hércules me solte da rocha a que me sinto amarrada.
Ou disso ou de um abanão.

Realidade(s)

Realidade(s) há tantas quantas aqueles que as sentem.
Não há nada de objectivo nisto de sentir. O que vemos, ouvimos, cheiramos, provamos, provamos é necessariamente diferente consoante a nossa sensibilidade e está moldada por crenças e preconceitos nem sempre lineares.
Matemática nem a contabilidade, não vale a pena.
Não tenhamos, pois medo de assumir o nosso eu em tudo que tem de único e autêntico. Deixemos os carneiros nos rebanhos.

Nós só queremos o Beira na primeira!

E o meu Beira Mar deu hoje mais um passo de gigante naquela que está a ser a sua travessia do deserto. Estamos nos nacionais e se o vil metal deixarem, e os homens não estragarem mais, em breve estaremos na primeira.
Se eu fosse em condições estaria agora a caminho da Praça do Peixe para fazer a festa. Como não sou, rejubilo interiormente.

O meu problema!

-Filha, a avó diz que te portas muito bem até eu chegar. Será que tenho algum problema?!
- Tens! És minha mãe!

Freud explicaria, provavelmente.

Mãe, conta histórias de quando eras pequenina!

Imagem
As patroas estão sempre a pedir histórias de quando eu era pequena.
Conto-as com gosto e hoje resolvi fazê-lo "in loco".
Schoenstatt faz parte da minha história. Elas ficaram felizes. Eu também.


Porque ele vive, eu posso crer no amanhã!

Boa Páscoa, com muita esperança no amanhã. Porque Ele vive!

Ainda sobre a greve

Provavelmente já o terei escrito por aqui várias vezes, mas vão perdoar-me a repetição. Uma das expressões que marcou a minha adolescência foi-me ensinada por uma professora. Dizia-nos ela que ninguém é uma ilha de si próprio para explicar que a ideia de autossuficiência é completamente falsa e não vale a pena termos a ilusão de que somos superiores a quem quer que seja pelo facto de sermos mais letrados e termos uma profissão em que não sujamos as mãos.

E esta greve dos motoristas é um exemplo cabal disso mesmo. Pararam dois ou três dias e fizeram o país sentir na sua pele a sua importância.

Como as memórias são curtas (mea culpa, mea culpa) esqueceremos a lição rapidamente, mas a verdade é que se este lamentável episódio teve algum fundo de racionalidade devia ser o de apelar às consciências daqueles que vivem cheios de soberba e mania de que mandam no mundo.

Deixemo-nos disso. Não  podemos viver sem os outros e mais dia menos dia acabamos por percebê-lo.  Quanto mais não seja quan…

Acasos? Não acredito neles!

O assunto não justificava a hora do telefonema. A hora do telefonema não obrigava a que fosse atendido. Mas foi e, percebi de imediato, não foi por acaso.
A título de um assunto que nada tinha a ver com o rumo que a conversa levou, ouvi palavras dirigidas ao cerne do meu sentir. Aquelas que precisava mesmo de ouvir. Tao bom.

Notre-Dame

De tempos a tempos, há algo que se desmorona. Nos monumentos, na natureza, na vida.
Nada, nem ninguém, é igual ao que era no momento da criação. Tudo está, sempre, em constante renovação. Assim o comprova a história centenária da catedral de Notre-Dame que já sofreu tantas transformações e teve tantos usos.
Este infeliz incidente é mais uma prova, de fogo literalmente, da perenidade da história e memórias que a humanidade quiser salvaguardar. Estou triste, claro, mas confiante que em breve (mais década menos década) teremos Notre-Dame renascida e pronta a enfrentar mais uns séculos. Assim é a vida. Um constante devir.

Guerra dos tronos

Ao navegar no Facebook por estes dias sinto-me verdadeiramente á margem da sociedade. Nunca vi um episódio da Guerra dos tronos. Na verdade, nem faço tenção de ver. Será que isso faz de mim uma pessoa estranha ou só  fora de moda?

Efeito placebo do chá vs bexiga

Estou tremendamente curiosa para saber como é que o efeito placebo do chá para noites repousantes se dá com a bexiga.
Cá para mim o efeito pretendido com a ingestão do cházinho sente-se algumas noites após se ter ficado sem dormir por causa das corridas para o WC.
Será?

O chamado oásis

Imagem
Hoje senti-me chegada a um oásis, após a travessia de um caminho rochoso.
Obrigada Filomena pelo (des)caminho.

2 lanches, 1 lancheira

Uma vergonha. Qual a mãe que manda dois lanches numa lancheira e só dá o recado a uma das crias, levando a que a outra vá pedir comida a uma funcionária da escola?
Eu, pois claro. Ainda que tenha uma boa justificação para o sucedido e exista uma gritante falta de comunicação interna crias, não sei se terei perdão.

Não quero ouvir nem mais uma palavra vossa!

Mais uma doce manhã, em que as patroas se esgadanham aos gritos até que as alerto - "Não quero ouvir nem mais uma palavra vossa!".
A pequena, ladina e travessa, entendeu pedir esclarecimentos. "Só não podemos discutir, não é?!".
"Obviamente, filha!".
E blá, blá, blá!

Dinheiro para a Feira de Março e ovos cozidos

E no meio de um dia turbulento, eis que recebo em email cujo título, em letras garrafais, me lembrou a necessidade para providenciar dinheiro para a Feira de Março e dois ovos cozidos para outra actividade lúdica de uma das minhas férias.

Obrigada, querida Diana, pela pincelada de cor dada ao meu dia com um, improvável até aquele momento, sorriso gerado na minha face.


Chantagem emocional pura e dura

Imagem
- Mãe, vais ter de me ler um bocado. Escolhi este livro porque tu gostas!

Nota de rodapé:  fui chantageada e gostei

Nenhuma cena se faz só com actores principais

Imagem
Penso poder dizer sem errar que este fim de semana os pais cá da terra aprenderam ( ou tiveram uma grande oportunidade de o fazer) uma grande lição. Não há cenas que se façam só com actores principais. Cada personagem, por mais pequeno, é importante para que a história seja bem contada. Obrigada meninos.

Até para se ser primo é preciso ter sorte!

O legislador entendeu que as relações de parentesco com os 3.º e 4.º graus da linha colateral (tios e primos, entenda-se) são demasiado ténues para que um trabalhador possa faltar justificadamente por falecimento de um desses parentes.

Porém, quando falamos em nomeações políticas de tios e primos cai o "carmo e a trindade", dependendo dos timings e cor das camisolas naturalmente.

Qual a diferença? As faltas por nojo estão legisladas. As nomeações políticas caem, grandemente, nos campos da ética e  moral. E estes, por mais que se queira, não se legislam.

Percebo o dramatismo levantado, mas sei também que navegamos em águas nas quais ninguém pode dizer que nunca mergulhou, até porque falamos em cargos de confiança.

As generalizações são sempre más e se, tenho a certeza, muitas das nomeações resultam da chamada "cunha" e em nada se devem a qualidades profissionais, outras existirão em que os nomeados o terão sido por mérito.

No meio disto tudo, não consigo deixar de p…

Suponho que Deus estivesse ocupado com outras coisas!

Mãe, não vou agradecer a derrota do Esgueira! Fartei-me de rezar o Pai Nosso e a Ave Maria com as minhas amigas, mas não valeu de nada!