Avançar para o conteúdo principal

O Poder do Subsconsciente

Ando a tentar ler, há cerca de 4 meses, um livro chamado "O Poder do Subconsciente", que me foi recomendado pela pediatra da Princesa Rainha.

O livro não é mau, eu é que não sou grande adepta deste género literário, o que, aliado ao facto de a minha capacidade de concentração estar abaixo de zero, faz com que certamente tenha leitura para mais uns tempos.

No fundo, a ideia do autor é que seremos, faremos e acontecer-nos-á só aquilo em que o nosso subconsciente acreditar. Se acreditarmos que vamos ser ricos seremos, que a nossa saúde é de ferro assim será (...). Pelos vistos o meu subconsciente tem andado a dormir, eh,eh.

Diz o autor que é o nosso subsconsciente (regido pelo consciente) que determina a nossa vida e que a fé não é mais do que a sua força.

Apesar de achar esta teoria muito radical, em certos pontos, o que é certo é que o nosso estado de espírito e as "sugestões" que interiorizamos influenciam, e de que maneira, aquilo que vivenciamos.

Ainda há pouco tempo tive essa experiência quando uma enfermeira do IPO, que me estava a fazer a quimio, teve uma saída infeliz. Na hora de me administrar uma das drogas, diz-me ela "esta é a que faz enjoar, não trouxe umas pastilhas?". Não. "Ai, olhe que devia trazer".

Bolas, o que ela me foi dizer. Perdeu uma excelente oportunidade para ficar calada. Eu, que só costumo sentir os enjoos passadas algumas horas, fiquei instântaneamente enjoada. Tal como estou agora, só de recordar a conversa. Claro que no tratamento seguinte fiquei enjoada só de ver a seringa.

O que vale é que isto do subsconsciente também vale para as coisas positivas. Por acreditar na minha capacidade de resistência, esta semana superei-me. Estou tão orgulhosa.

Tinha, há muitos meses, 3 cadáveres na arca congeladora. 3 perdizes congeladas, com penas. Cada vez que me lembrava, revolvia-se-me o estômago. Esta semana fartei-me. Preciso de descongelar a arca. Comecei a pensar, mal não me fazem. Estão mortas. Meu dito, meu feito. Fui-me a elas, depenei-as e ficaram de truz (como diria o meu avôzinho).

Tivemos um jantar chiquérrimo, a comer perdiz, cozinhada segundo uma receita típica de Marvão que tirei de um livro que comprámos nesta última visita, e com música ao vivo da nossa princesa rainha, que palrou o tempo todo.

E é assim, chame-se-lhe o que se quiser (fé, subconsciente, estado de espírito, parte psicológica), mas aquilo em que acreditamos e a força que temos é essencial para alcançar os nossos objectivos. Costumo dizer, aplicado ao futebol mas transponível para tudo na vida, que se não acreditamos que vamos vencer, não vale a pena entrar em campo.

Se alguém estiver interessado em ler o livro, é só dizer. Eu empresto.

Comentários

  1. Minha Linda

    Tu és o exemplo claro de que a força de vontade, o acreditar e ser positiva só podem dar bons resultados.
    Lembro-me tantas vezes de ti quando dou por mim a pensar (e a reclamar de mesquinhices) que tento logo abstrair-me delas.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. olá Susana, como tens passado?
    deixo um beijinho

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Obrigada por dar vida a este blog.

Mensagens populares deste blogue

Este é para quem gosta de hamburguer´s e culpa sempre a vontade

Antes de mais devo dizer que ninguém me encomendou o sermão, juro.
Há poucos meses uma jovem (empreendedora e altruísta) que me dá a honra de ser minha amiga, resolveu por-se ao caminho e reabrir a Culpa da Vontade, uma hamburgueria 5 *.
Com esta decisão criou o seu emprego e deu emprego a outros. Ajudou outros negócios na freguesia (lembro-me do talho, por exemplo) e alegrou muitas almas (toda a gente sabe que um bom hamburguer é algo faz ressuscitar mortos).
Passados poucos meses, o negócio (recém nascido) apanhou com este tsunami que nos está a abalar.
Em vez de se deixar abater, aquela jovem empreendedora e altruísta reinventou o modelo de negócio e voltou (agora) com serviço de take away e entregas ao domicílio.
Fiz questão de dizer "presente" no primeiro dia e posso assegurar que a qualidade é a mesma de sempre e as medidas de higiene das melhores e mais rigorosas que tenho visto por aí.
Por isso malta que gosta de hamburguer´s é correr e fazer a encomenda. Não se arr…

12 anos, bodas de seda

Há 12 anos, quando dissemos o sim, estávamos longe de imaginar mais de 99% daquilo que o caminho a dois nos iria trazer.
Não nos passava, certamente, pela cabeça vir a celebrar as bodas de seda separados por milhares de kms.
Aconteceu, e acredito não ter sido por acaso. Tal como acredito que estás aí, do outro lado, a pegar num dos copos para brindar.
Parabéns a nós, que entre altos e baixos temos seguido sempre em frente. Unidos, apesar da geografia parecer querer dizer o contrário.

Irrita-me a estupidez humana

Ao sair do carro deparei-me com este lindo cenário. Por mera casualidade não pisei as luvas de alguém muito preocupado em proteger-se a si próprio esquecendo-se que isso de nada adiantará se não se lembrar dos outros e do meio ambiente em que vive.
Estamos todos no mesmo barco ou não?
Irrita-me a estupidez humana!