Um dia de cada vez

Antes de mais, peço desculpa se desapontar alguém com este post.

Costumo falar da minha experiência com o cancro de sorriso nos lábios e sei que é isso que  traz algumas pessoas a este blogue.

É verdade. Tive cancro. Fiz quimioterapia. Correu tudo muitíssimo bem e consigo sorrir ao contar a minha história, da qual me orgulho muito.

Mas é verdade também que passar por tudo o que passei (e vou passando) não é o mesmo que beber um refresco no final de uma tarde de verão.

Desde que "comecei nesta vida" (leia-se desde iniciei a quimio), faz este mês 6 anos, conheci muitas pessoas com doenças oncológicas.

Todas, sem excepção, com histórias bem mais complicadas que a minha no que à parte física se refere (quanto ao resto cada um sabe de si e há coisas não mensuráveis).

Durante este percurso fui perdendo algumas dessas pessoas, com as quais partilhava medos e experiências, mas também comemorava vitórias e aprendia a aproveitar as coisas mais pequenas (e importantes) da vida.  Por 3 delas, em especial, sentia uma empatia difícil de explicar.

Já antes de o cancro me tocar a mim, tinha perdido o meu tio/padrinho.

É, por isso, quase inevitável viver fases como a que agora atravesso em que as interrogações são mais que muitas.

Porquê? Para quê?  Porque não a mim?

Hoje, um Amigo especial que ganhei à conta do cancro (que isto não são só coisas más), perguntava-me se questionava a existência de Deus, ao mesmo tempo que me explicava que nem tudo é explicável à luz da Razão.

Deus será das poucas coisas que não questiono, ou já teria enlouquecido de vez.

Mas tenho de confessar que tenho dificuldade em perceber o porquê de Deus permitir certas coisas.

Daí dizer aqui, há dias, estar a precisar de me isolar/retirar.

Não sendo tal viável, vou continuando a viver. Um dia de cada vez.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Para a Luísa

Até ao céu

3 professores em 4 anos!