segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Conhecimento

Nas costas dos outros lia as suas, mas aquilo que ouvia dizer não coincidia com a imagem reflectida pelo espelho.
Lembrou-se então de uma frase lida algures “ninguém pode ser escravo da sua identidade. Quando surge uma possibilidade de mudança é preciso mudar”, e invejou o seu autor pela coragem de se libertar do seu eu e procurar “eus” alternativos.
Veio-lhe também à memória uma entrevista na qual Madonna, o seu ídolo de juventude, falava sobre a Cabala e os quatro tipos de identidade que acredita existirem (Cósmica, terrestre, cultural, pessoal).
Quais destas identidades poderia controlar?
De si só sabia, percebia-o agora, chamar-se José Silva, morar num bairro do subúrbio de Lisboa e trabalhar numa fábrica de moldes.
Quem era e porque o era assim? Era assim que queria ser?
Precisava desesperadamente de encontrar respostas para estas questões e só o conseguiria quando se conseguisse ver, sem ter a visão toldada pelas ideias pré-concebidas que a sociedade impõe.
Mas como, se essa clarividência só os recém-nascidos a têm? Tinha de mudar de identidade.
Cada vez mais confuso pensou mudar de nome. Duarte Salvador. Agradava-lha a sonoridade e força deste nome.
Dirigiu-se então ao Registo Civil onde lhe disseram que teria de fazer um requerimento muito bem fundamentado dirigido a um Ministro qualquer e pagar uma taxa, não havendo certeza quanto ao seu deferimento.
O nome era seu mas não o podia alterar livremente.
Exausto, chegou a casa e desejou dormir durante 30 dias. Talvez nos seus sonhos conseguisse calçar os sapatos de outro alguém e viver fora de si.
Enquanto esperava o sono, surgiu-lhe uma ideia. Levantou-se, encheu uma mochila com garrafas de água e latas de conserva e dirigiu-se ao Museu do Conhecimento.
A entrada era livre ao domingo de manhã. Aquela seria a sua casa no próximo mês.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada por dar vida a este blog.