Avançar para o conteúdo principal

Ainda na minha cruzada com a Allianz (pelos direitos dos doentes oncológicos)

Como contei AQUI , AQUI  E  AQUI estou em plena cruzada/guerra santa ou novela (dá para tudo) com a seguradora Allianz, à conta da forma como me tratou (e a uma colega) ao analisar um seguro de saúde.

Resumindo, cronologicamente, os factos:

A minha entidade empregadora quis oferecer um seguro de saúde aos colaboradores

Preenchi o questionário de saúde, fazendo menção ao facto de estar em remissão de um linfoma de Hodgkin desde Dezembro de 2009

Recebi como resposta, seca, que "em virtude de estado(s) clínico(s) pré-existente(s) não nos é possível aceitar o seguro em referência, pelo que o mesmo não tem efeito”.

Fiz uma reclamação, assim como a minha entidade empregadora, onde aleguei, com os devidos fundamentos legais, estar a ser discriminada pela Allianz

Passado algum tempo, recebi dois pedidos de esclarecimento num só dia, sendo que só no 2.º a Allianz entendeu solicitar um relatório médico actualizado.

Passado mais algum tempo, a minha entidade empregadora reforçou a reclamação ... et voilá recebi a apólice de seguro mesmo antes de enviar o relatório médico actualizado.

Supostamente, segundo fui informada (e não pela Allianz), deverá chegar o dia em que receberei uma carta a comunicar a exclusões à apólice.

Tenho perfeita noção que a apólice só foi emitida porque houve pressão institucional ou seja por motivos meramente comerciais. Digamos que o cliente (que não sou eu directamente) interessa.

Neste processo todo, nem uma explicação da Allianz que se limitou a remeter 2 ofícios tipo (os tais  recebidos no mesmo dia) a solicitar elementos dos quais (no fim das contas) não chegou a necessitar.

Tenho a apólice (supostamente com exclusões que desconheço), mas não vou deixar o assunto cair.

Continuo a "chatear" algumas entidades, nomeadamente a ASF que (após alguma insistência) me informou ter contactado já a Allianz a solicitar esclarecimentos.

Talvez esteja a lutar contra moinhos de ventos, como Dom Quixote, é possível que os receptores das minhas cartas e e.mails se riam e me chamem louca (até porque estou a usar e abusar da ironia) mas é-me totalmente indiferente.

Poucas vezes tenho certezas, mas quando as tenho ........

E tenho a certeza que fui mal tratada, assim como tenho a certeza que existem milhares de doentes oncológicos a ser mal tratados diariamente por este tipo de entidades que só olham ao excel e ainda por cima o usam mal, o que não podemos deixar que seja aceite como uma prática normal.

Chamem-me mau feitio. se quiserem.
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Este é para quem gosta de hamburguer´s e culpa sempre a vontade

Antes de mais devo dizer que ninguém me encomendou o sermão, juro.
Há poucos meses uma jovem (empreendedora e altruísta) que me dá a honra de ser minha amiga, resolveu por-se ao caminho e reabrir a Culpa da Vontade, uma hamburgueria 5 *.
Com esta decisão criou o seu emprego e deu emprego a outros. Ajudou outros negócios na freguesia (lembro-me do talho, por exemplo) e alegrou muitas almas (toda a gente sabe que um bom hamburguer é algo faz ressuscitar mortos).
Passados poucos meses, o negócio (recém nascido) apanhou com este tsunami que nos está a abalar.
Em vez de se deixar abater, aquela jovem empreendedora e altruísta reinventou o modelo de negócio e voltou (agora) com serviço de take away e entregas ao domicílio.
Fiz questão de dizer "presente" no primeiro dia e posso assegurar que a qualidade é a mesma de sempre e as medidas de higiene das melhores e mais rigorosas que tenho visto por aí.
Por isso malta que gosta de hamburguer´s é correr e fazer a encomenda. Não se arr…

12 anos, bodas de seda

Há 12 anos, quando dissemos o sim, estávamos longe de imaginar mais de 99% daquilo que o caminho a dois nos iria trazer.
Não nos passava, certamente, pela cabeça vir a celebrar as bodas de seda separados por milhares de kms.
Aconteceu, e acredito não ter sido por acaso. Tal como acredito que estás aí, do outro lado, a pegar num dos copos para brindar.
Parabéns a nós, que entre altos e baixos temos seguido sempre em frente. Unidos, apesar da geografia parecer querer dizer o contrário.

Irrita-me a estupidez humana

Ao sair do carro deparei-me com este lindo cenário. Por mera casualidade não pisei as luvas de alguém muito preocupado em proteger-se a si próprio esquecendo-se que isso de nada adiantará se não se lembrar dos outros e do meio ambiente em que vive.
Estamos todos no mesmo barco ou não?
Irrita-me a estupidez humana!