Instinto de sobrevivência

Andei anos a confundir o chamado instinto de sobrevivência com um exercício solitário de quem se vê na necessidade de a ele apelar.

Solitário no sentido de envolver somente o próprio e Deus, porque estou longe de acreditar que os homens se bastam a si mesmos.

Foi difícil ver o que sempre esteve à frente dos meus olhos.

Sobrevivi por não querer ver os meus pais, avós, marido e amigos sofrer, por querer que a Leonor tivesse a mãe ao seu lado ao longo do seu crescimento (…), isto só para falar na situação mais dramática em que me vi colocada.

Sobrevivo diariamente às frustrações e desilusões que vou sentindo, por causa das mesmas pessoas.

E o que não falta ao meu redor são exemplos de pessoas cujo instinto de sobrevivência é despoletado pelos outros. Pelo Amor que lhes têm e a determinação de minimizarem o sofrimento alheio.

Não tem nada de solitário, então, isto do instinto de sobrevivência. Muito pelo contrário, (sobre)vivemos pelos outros e com eles.

É o Amor que dá vida, sem dúvida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Para a Luísa

Até ao céu

3 professores em 4 anos!