sexta-feira, 28 de maio de 2010

Poupem-me

Tenho, com a alimentação, uma relação que reconheço estúpida e irracional. Gosto muito de comer ... porcarias. Detesto quase tudo aquilo que dizem ser saudável. Dêem-me leitãozinho, arroz de cabidela, tripas à moda do Porto, salpicão (...), se me querem ver feliz.

Tentei corrigir-me, mas não muito, a bem da minha saúde (ou falta dela), na altura em que comecei a quimio. Uns anos antes, quando o meu padrinho adoeceu, li imenso sobre a importância da alimentação no combate ao cancro. Quando me tocou a mim, tentei colaborar no combate adoptando novos hábitos alimentares. Cheguei até a pedir uma consulta de nutrição no IPO.

Nos dias a seguir à quimio, havia alturas que só me sentia bem a comer, para disfarçar o mau gosto na boca.

Tentei, como disse, ser boa menina, mas desisti.

Tive uma experiência traumatizante, que já aqui contei, com o anormal de um homeopata que me culpou por ter cancro. Segundo ele, eu é que me andava a envenenar por beber tanto leite. Leite?!!!!!!!!! Cresci a ouvi dizer que era bebê-lo era um hábito muito saudável e de repente era um dos culpados por alimentar a minha doença.
Enfim, o raio do homem provocou em mim tal pavor, que nem posso ouvir falar em leite de soja, sumo de uva preta e coisas do género.

Por isso poupem-me aos e.mails com teorias sobre os efeitos da alimentação no combate ao cancro ou até no seu aparecimento. Não suporto, desculpem. Tal como em tudo, há modas. O que antes era bom, agora é mau. Há interesses comerciais que influenciam a "ciência".

E a última coisa que preciso é que me façam sentir culpada por ter sido "apanhada", como dizia o anormal, pelo cancro.

Prefiro confiar no que me disse a nutricionista - Equilíbrio e diversidade

5 comentários:

  1. Olá Susana, como eu te compreendo...
    A semana passada fui ouvir um senhor falar sobre a importância da alimentação no combate ao cancro e senti-me absolutamente culpada por tudo o que me aconteceu e, pior, pelo que venha a acontecer, já que não tenho conseguido fazer grandes alterações nos meus hábitos alimentares que são, no mínimo, mauzinhos.

    A solução só pode estar no bom senso, apesar de nem esse eu ter em condições.

    Beijinhos, Susana, desculpa não ter dito nada que ajude mas neste particular sou um desastre como, aliás, se percebe bem.
    TP

    ResponderEliminar
  2. Olá

    Não sei se sou uma pessoa dita normal, mas não defendo a máxima "somos aquilo que comemos".

    A alimentação é pessoal e de cada um.
    Tou grávida e toda gente diz que não posso comer isto e aquilo, e se é para proteger a minha filha, claro que não há contemplações...

    Mas será que a minha típica alimentação errada (porque só gosto do que dizem fazer mal), me pode vir a trazer problemas de saúde?
    Não sei, acho que ninguém sabe...

    Tento viver cada dia com esperança no olhar e sorriso nos lábios, para isso desculpem, mas preciso de comer aquilo que gosto (faça bem ou faça mal)...
    Sou uma pessoa simples, da aldeia serrana, onde a minha sábia mãe me ensinou que tudo aquilo que gostamos e nos sabe bem,não nos faz mal....

    Por isso, conselho de leiga, faz tudo aquilo com que te sentires bem, sem culpas e sem restrições impostas por outrém....
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Ola Susana! Pois é, o que não falta por ai são teorias variadas sobre alimentos que são mágicos contra o cancro, comprimidos de produtos naturais que te aumentam a resistência durante e após a quimio, e por ai fora. às tantas uma pessoa já não sabe para que lado se há-de virar, com tantas regras e imposições.

    Mas eu acho que uma alimentação cuidada pode mesmo reforçar as defesas naturais do organismo, e nesse sentido, actuar contra o cancro. Isto não quer dizer que a pessoa fique cancer-free para todo o sempre, mas sim que o seu corpo vai reagir melhor no combate à doença, caso venha a tê-la. Também acho que deve ajudar a prevenir recaídas.

    Agora, claro que há conselhos difíceis de engolir (passe a figura de estilo), como o que o David Servan-Schriber diz sobre o pão:

    "Mas comer pão também não é uma grande ideia.

    Mesmo pão integral?

    O pão integral também não é a melhor escolha, tem de ser multicereais. E, mesmo assim, é muito mais aconselhável comer muesli (ou uma mistura de cereais e frutas) com um iogurte biológico ou de soja. Isso é que contém muitas coisas que vão estimular a saúde do nosso corpo, não o pão."
    Oh David, amigo, não vás por ai, que assim em Portugal ninguém te ouve...

    Resumindo e concluindo, eu também estou como tu, não aceito conselhos histéricos sobre alimentos mágicos ou suplementos naturais, simplesmente como mais frutas e legumes, se me apetece comer pizza como, ou até McDonalds. E montes de gelados agora no Verão. Só se vive uma vez.
    Beijinhos e desculpa o testamento*

    ResponderEliminar
  4. Ola Susana! Pois é, o que não falta por ai são teorias variadas sobre alimentos que são mágicos contra o cancro, comprimidos de produtos naturais que te aumentam a resistência durante e após a quimio, e por ai fora. às tantas uma pessoa já não sabe para que lado se há-de virar, com tantas regras e imposições.

    Mas eu acho que uma alimentação cuidada pode mesmo reforçar as defesas naturais do organismo, e nesse sentido, actuar contra o cancro. Isto não quer dizer que a pessoa fique cancer-free para todo o sempre, mas sim que o seu corpo vai reagir melhor no combate à doença, caso venha a tê-la. Também acho que deve ajudar a prevenir recaídas.

    Agora, claro que há conselhos difíceis de engolir (passe a figura de estilo), como o que o David Servan-Schriber diz sobre o pão:

    "Mas comer pão também não é uma grande ideia.

    Mesmo pão integral?

    O pão integral também não é a melhor escolha, tem de ser multicereais. E, mesmo assim, é muito mais aconselhável comer muesli (ou uma mistura de cereais e frutas) com um iogurte biológico ou de soja. Isso é que contém muitas coisas que vão estimular a saúde do nosso corpo, não o pão."
    Oh David, amigo, não vás por ai, que assim em Portugal ninguém te ouve...

    Resumindo e concluindo, eu também estou como tu, não aceito conselhos histéricos sobre alimentos mágicos ou suplementos naturais, simplesmente como mais frutas e legumes, se me apetece comer pizza como, ou até McDonalds. E montes de gelados agora no Verão. Só se vive uma vez.
    Beijinhos e desculpa o testamento*

    ResponderEliminar
  5. Bem, que devemos de ter cuidado com os alimentos que ingerimos, é uma verdade. Não quer dizer que eu o faça, né?
    Mas percebi a mensagem sobre os mails e já não mando mais sobre esse tema.
    bjs

    ResponderEliminar

Obrigada por dar vida a este blog.