terça-feira, 26 de junho de 2012

Humilhada e maltratada

Dois dias depois do trágico desaparecimento da pê pê amarela, levei a criação à pediatra. Aquilo que era suposto ser uma consulta de rotina, das crianças, transformou-se numa sessão de psicanálise (da mãe). Com o coração em chagas, contei o episódio da pê pê amarela, a dor da Leonor ao vê-la feita em duas e tentei desculpar o pai pela atitude explosiva. Estava mesmo convencida que a pediatra me iria desancar, encaminhar a Leonor para consultas de psicologia e participar a ocorrência ao Ministério Público e CPCJ e preparei-me para o embate. A reacção não podia ter sido mais directa - "o pai fez muito bem, ela tentou humilhá-la e não há mau acordar no mundo que justifique que alguém maltrate as outras pessoas. Não se sinta culpada". Quando cheguei a casa, contei ao papá, que me disse "tu não devias deixar que ela (a Leonor) te fale assim e acredita que não vos custou mais a vocês do que a mim". Certo, certo é que a coisa resultou mesmo e a cachopa quase nem se lembra da pê pê, embora de vez em quando, e sorrateiramente, aproveite para dar uma lambidela na da irmã. Eu é que, pelos vistos, estarei a precisar de ajuda especializada.

1 comentário:

Obrigada por dar vida a este blog.