quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

O sentimento de culpa de uma mãe

Isto de, não saber distinguir os sinais de que algo pode estar mal, é terrível.

Devia ter estranhado quando ontem, ao chegar a casa, encontrei a Leonor a falar pelos cotovelos e a contar tudo o que tinha feito durante o dia. Normalmente fecha-se em copas.

Fiquei tão contente, ao vê-la assim, que quando se recusou a jantar pensei que estava a fazer fitas.

Ameacei com a proibição de ir à piscina e telefonemas ao Pai Natal. De nada valeu.

Depois perguntei-lhe o que queria. Respondeu que só queria colo. Armei-me em mãe disciplinadora e pu-la de castigo no sofá, com a a promessa de que não comeria nada até ao dia seguinte.

Afastei-me e quando me tornei a virar para ela, vi-a encolhida no sofá. A pobre estava mesmo doente e eu a pensar que era birra.

Já fomos ao médico e não é nada grave, mas sinto-me um trapo. Estou cheia de remorsos.

O que vale é que tenho testemunhas. Nada indicava a doença súbita.

Mas o pior de tudo é ver uma cria doente. Se pudesse transferia a doença para mim.

2 comentários:

  1. Eu testemunho. Também pensei que estivesse a fazer fita. É a história do Pedro e do lobo. Beijo

    ResponderEliminar

Obrigada por dar vida a este blog.