O remake de Frankenstein

Ao ver as minhas filhas juntas, vem-se sempre à cabeça a história do Frankenstein.

No caso, a jovem estudante  é a Leonor que, ao ensinar tudo o que sabe à mana, está a criar um verdadeiro monstro.

A pequena Tita segue a mana para todo o lado,, tentando imitá-la em tudo.

E dá-lhe um particular gozo  encurralar a Leonor num canto do quarto ou, melhor ainda, apanhá-la na sanita para lhe dar uma valente tareia.

Com frequência, ouço a Leonor aos "ai,ai,ai,ai. MÃE, a Tita está a bater-me, arranhar-me e puxar-me os cabelos".

O curioso da história é que a Leonor tem a mão lampeira e gosta muito de molhar a sopa nos outros miúdos, mas quando é a mana a bater-lhe, fica encolhida e sem outra reacção que não pedir socorro.

Penso até que o facto de não responder com os mesmos argumentos, deve ser a única coisa relativamente à qual a Leonor me dá ouvidos (coisa já de si estranha, a Leonor obedecer ao que eu digo).

Sempre lhe pedi para não bater à mana e chamar os pais em caso de perigo. A legítima defesa é lícita, mas temo que, no caso e atendendo à deiferença de idades, fosse desproporcional.

Certo é que a Mary Shelley foi uma visionária. E as minhas filhas estão cá para o comprovar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Para a Luísa

Até ao céu

3 professores em 4 anos!