segunda-feira, 14 de abril de 2014

Eu, Lady Tichborne, me confesso

"Tal como muitos outros jovens vitorianos, Sir Roger Tichborne partiu em 1854 à aventura para a Ámérica do SUl. No Brasil embarcou no navio Bella.

Quatro dias mais tarde, os destroços do Bella deram à costa e todas as almas foram dadas como perdidas.

Lady Tichborne, mãe de Sir Roger, recusou-se a acreditar que o seu filho morrera. Encorajado por um médium que insistia em dizer-lhe que ela não encontraria o seu filho no além, publicou diversos anúncios nos jornais oferecendo uma reompensa por qualquer informação sobre o filho.

Lady Tichborne, felicíssima, enviou fundos para que o seu filho fosse repatriado.

Aquando da sua chegada, reconheceu o homem como seu filho e estabeleceu um estipência anual de 1000 libras.

Nem todos ficaram totalmente convencidos que o "candidato" a filho recém-chegado  fosse, de fato, Sir Roger.

É perfeitamente possível que o peso de uma pessoa se altere ao longo dos anos.

Contudo, Sir Roger era fluente em grego e em latim e o "candidato" não.

Sir Roger tinha conhecimentops práticos de química, o reém-chegado não conseguia distinguir cloreto de sódio de carbonato de cálcio.

É possível esquecer coisas aprendidas há muito tempo; talvez uma pancada na cabeça tenha resultado numa perda de memória.

No entanto é muito raro que tatuagens despareçam espontaneamente, mesmo no sol escaldante da Austrália.

Mais raro ainda é o fenómeno de mudança de cor de olhos. Sir Roger tinha os olhos azuis, o candidato tinha-os castanhos.

Lady Tichborne, de alguma forma, conseguiu ignorar todas estas evidências.

Só depois da sua morte é que a família conseguiu finalmente desmascarar  o impostor australiano que acabou por passar dez anos na prisão por perjúrio.

A moral desta história? Nunca subestime a vontade das pessoas em acreditarem na história mais fantástica, desde que ela encaixe nas suas ideias preconcebidas".

Hoje deparei-me com esta história e revi-me nela. Eu, Lady Tichborne, me confesso.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada por dar vida a este blog.