quarta-feira, 11 de junho de 2014

"Cozinhar não é um serviço mas uma forma diferente de amar"

Sempre gostei muito de comer, especialmente se o fizer em amena cavaqueira com família e amigos, e, nesse  ponto a Benedita é igualzinha a mim (ok, ela talvez dispense a companhia).


Conhecia de nome o Chef executivo da seleccção nacional de futebol, Hélio Loureiro, mas nada mais além disso.


Há dias li uma entrevista que lhe foi feita e fiquei encantada, talvez por conseguir justificar o prazer que sinto à mesa, de forma sensível e sem que me sinta só uma alarve.


Citando Mia Couto, que num dos seus livros escreveu "cozinhar não é um serviço mas uma forma diferente de amar", o chef Hélio Loureiro dá exemplos sobre a forma como Jesus se serviu da mesa para evangelizar e dar ao mundo uma lição de amor, desde logo através do primeiro milagre público (Bodas de Caná"), onde Jesus transforma a água em vinho, sinal de que nos quer felizes.


Depois fala numa série de outros jantares e milagres relacionados com comida, terminando na Última Ceia.


Como diz o chef, e eu não poderia estar mais de acordo "comer não é apenas um acto feito de calorias, mas também de memórias e imaginário, esse é o grande milagre da cozinha, proporcionar aos convivas momentos de partilha, de conforto e de uma busca de prazer que é sempre em companhia".


Gostei.



2 comentários:

  1. Adorei o texto!!! E concordo tanto!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é à toa que os portugueses estão a comer e, ao mesmo tempo, falam do que comeram e hão-de comer :)

      Eliminar

Obrigada por dar vida a este blog.