terça-feira, 17 de junho de 2014

Quem disse que a vida de sogra é fácil?

Sair do trabalho a correr para ir comprar a prenda do genro, que faz anos amanhã.


Descobrir que a prenda escolhida pela "amorada" está esgotada.


Deixar de lado a ideia de comprar livros, com medo que a filha fique a odiar-nos pelo resto da vida.


Comprar um brinquedo.


Chegar a casa e contar à filha que, muito ofendida, diz que o quer oferecer é um ramos de flores pois "os namorados oferecem flores e não brinquedos!!!".


Galgar 3 andares, escada abaixo para ir, a correr, ver se a florista ainda está aberta (grande dia para falhar a luz).


"Dar com o nariz" na montra da florista.


Voltar de mãos a abanar.


Perceber que não temos chave, nem telemóvel e que, sem luz, a campainha não funciona.


Ter a sorte (nem tudo podia ser mau) de encontrar uma vizinha que nos empresta o telemóvel.


Ligar ao pai a pedir que desça 3 lanços de escada para nos abrir a porta.


Ouvir o pai a bufar.


Subir os 3 andares e, a medo, explicar à moça casadoira que as floristas têm vida própria e não ficam na loja à espera que os apaixonados se decidam por dar flores em vez de brinquedos.


Prometer que se compra o ramo de flores amarelas e azuis amanhã, à hora do almoço, e se faz entrega directa na escolinha.


Amanhã continua a saga

2 comentários:

  1. kkk... quanta aventura no mesmo dia! Sua menina é bem precoce, gosto muito de ler as aventuras delas. Minha filha na idade da Leonor não queria dar roupas os amiguinhos, dizia que presentes eram só brinquedos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O esforço valeu a pena, Lúcia.
      O Tiago adorou as flores. Só ficou tristes uns dias depois, quando percebeu que secam :)

      Uma ternura estas crianças

      Eliminar

Obrigada por dar vida a este blog.