Avançar para o conteúdo principal

Bem-vinda à escola pública*

Ontem foi dia de reunião de apresentação na pré, mas antes de mais talvez seja melhor explicar o que isto é.

Pode parecer parvo, aos olhos de quem domina estas terminologias, mas nestes meus primeiros contactos com a escola pública tenho-me apercebido que há muitos pais perdidos (como eu), sem perceber o seu significado, especialmente porque esta malta gosta muito de siglas.

A pré a que me refiro, basicamente, é o ano que antecede a entrada na escola primária pública.

A primeira conclusão que retirei da reunião é que ninguém deve ir para lá sem, previamente, fazer o trabalho de casa, o que passará por ir ao site imprimir um glossário para perceber o que significam as tais siglas (estou a ironizar quanto ao site; não sei que esta valência está lá, mas era bom que estivesse).

A segunda conclusão foi a de que a de que este ano servirá, para adaptação da Leonor mas também dos pais, pois o sistema é completamente diferente.

A minha memória, por exemplo, vai ter de melhorar bastante pois se me esquecer de carregar o cartão para o almoço, a cachopa poderá ficar a pão e água.

De referir que para efectuar os carregamentos temos de ir à Câmara Municipal ou ter a sorte de a máquina disponível na escola do lado estar a funcionar (consta, e estou só a relatar o que me disseram, que nem sempre acontece).

Ah, e as questões referentes ao almoço e ao prolongamento (logo direi o que isto é) devem ser esclarecidas junto da colaboradora contratada pela Câmara, não tendo a escola nada a ver com elas (nem com as questões, nem com os esclarecimentos bem entendido).

O dia dos meninos na pré divide-se. grosso modo, entre componente lectiva (com a educadora em sala) e o tal prolongamento que será já com uma animadora contratada pela Câmara. A componente lectiva será entre as 09h e as 15h30.

Antes e depois disso, os pais terão de pedir o chamado prolongamento, cujo valor depende dos rendimentos dos pais mas atingirá, no máximo, 35€/mês.

Percebi ontem o erro crasso que é perguntar se nas férias (Natal, Carnaval ....) a pré encerra. Não estamos a falar de férias mas de interrupções lectivas. Como diria a minha mãezinha "temos de ser rigorosos". E não, a escola não encerra. Creio que só não há a presença da educadora em sala.

Causou-me alguma estranheza o facto de ter sido apresentada uma conta, dividida em igual proporção por todos os pais (pelo menos no momento não foi feita menção a "escalões", consoante o rendimento), relativa a material básico como lápis e borrachas, material esse que será comprado pelo responsável dos pais, e não pela escola, assim que todos os pais paguem a sua quota parte.

Assim de repente, parece-me ir um bocado contra o princípio da escola gratuita, mas talvez seja eu que esteja a ver mal a coisa.

Outra coisa interessante é a de a regra, em termos de votação, será a da unanimidade dos votos emitidos pelos pais presentes. Coisa rara e nunca vista, e que leva a democracia ao extremo (na minha modesta opinião).

No caso, estava a ser definido o número de visitas de estudo (1 ou 2) e a solução é ou querem (e vão) todos ou não vai nenhum porque não pode deixar nenhum menino sózinho na escola.

Dividindo a questão em partes, a minha leitura é. Se o pai conseguiu estar na reunião e participar na votação teve sorte. Se não esteve, e discorda, azar. Não percebi é como é que vão resolver a questão, já que não me parece muito razoável inviabilizar a visita por causa de uma única criança. Claro que se a solução fosse deixar a criança sózinha na escola, eu própria me iria opor à visita.

Sistema "sui generis" este.


* NOTA - Este texto reflecte somente a minha experiência pessoal, naturalmente condicionada pela subjectividade inerente à condição humana.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Este é para quem gosta de hamburguer´s e culpa sempre a vontade

Antes de mais devo dizer que ninguém me encomendou o sermão, juro.
Há poucos meses uma jovem (empreendedora e altruísta) que me dá a honra de ser minha amiga, resolveu por-se ao caminho e reabrir a Culpa da Vontade, uma hamburgueria 5 *.
Com esta decisão criou o seu emprego e deu emprego a outros. Ajudou outros negócios na freguesia (lembro-me do talho, por exemplo) e alegrou muitas almas (toda a gente sabe que um bom hamburguer é algo faz ressuscitar mortos).
Passados poucos meses, o negócio (recém nascido) apanhou com este tsunami que nos está a abalar.
Em vez de se deixar abater, aquela jovem empreendedora e altruísta reinventou o modelo de negócio e voltou (agora) com serviço de take away e entregas ao domicílio.
Fiz questão de dizer "presente" no primeiro dia e posso assegurar que a qualidade é a mesma de sempre e as medidas de higiene das melhores e mais rigorosas que tenho visto por aí.
Por isso malta que gosta de hamburguer´s é correr e fazer a encomenda. Não se arr…

12 anos, bodas de seda

Há 12 anos, quando dissemos o sim, estávamos longe de imaginar mais de 99% daquilo que o caminho a dois nos iria trazer.
Não nos passava, certamente, pela cabeça vir a celebrar as bodas de seda separados por milhares de kms.
Aconteceu, e acredito não ter sido por acaso. Tal como acredito que estás aí, do outro lado, a pegar num dos copos para brindar.
Parabéns a nós, que entre altos e baixos temos seguido sempre em frente. Unidos, apesar da geografia parecer querer dizer o contrário.

Irrita-me a estupidez humana

Ao sair do carro deparei-me com este lindo cenário. Por mera casualidade não pisei as luvas de alguém muito preocupado em proteger-se a si próprio esquecendo-se que isso de nada adiantará se não se lembrar dos outros e do meio ambiente em que vive.
Estamos todos no mesmo barco ou não?
Irrita-me a estupidez humana!