sábado, 24 de janeiro de 2015

Às vezes ouso

Às vezes ouso
Ou penso ousar
Ser pássaro sem pouso
Voar só por voar

Mas logo recuo
Pobre em coragem
Fecho-me num amuo
Que interrompe a viagem

Às vezes imagino
Se isso é imaginar
Ser obra do destino
Nada em mim puder mudar

Sem espaço para o fracasso
No ramerrame dos dias
O futuro deixo ao acaso
Num sei lá de fantasias

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada por dar vida a este blog.