quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

PAZ

Povos de todo o mundo uni-vos no combate às guerras que de santas só têm mesmo o nome!
Pois não há nada de santo em matar e torturar, a qualquer título, seja o nosso alvo inocente ou o mais cruel dos vilões.
A justiça dos homens não tem poder sobre a vida e a Deus não exige sacrifícios humanos.
Guerras são, tão-somente, guerras e significam tudo menos liberdade.
Livremo-nos pois, e de vez, do jugo causado pela cegueira que é o ódio.
Nascemos providos do livre arbítrio que nos permite escolher caminhos e causas.
Usemo-lo em consciência e sem que isso implique justificar os nossos actos ignóbeis e inumanos com a vontade de seres superiores.
Saibamos merecer a liberdade pela qual lutaram os nossos pais e avós. Saibamos assumir os nossos medos e erros. Assumamos a responsabilidades pelas nossas escolhas.
Lutemos assim pela liberdade que tanto ansiamos.
Uma liberdade comedida, porque limitada pela liberdade dos nossos iguais.
Uma liberdade que seja sinónimo de pensarmos por nós e não como meros carneiros que seguem, obedientemente, o seu pastor.
Sejamos como as andorinhas, livres de partir sempre que sentimos o apelo mas nunca perdendo o norte e saboreando o regresso a casa que ocorre em cada Verão.
Rememos todos no mesmo sentido e que a liberdade chegue como reveladora de igualdade subjacente à condição humana, independentemente do género, raça, estrato social ou crença ideológico.
Acreditemos nesta possibilidade e nela apostemos como quem aposta num cavalo de corrida pois sem acreditar não vale, sequer, a pena sonhar com o dia em que seremos verdadeiramente livres.
Não deixemos a liberdade ao critério do legislador e à sua imposição do que podemos ou devemos fazer.
Liberdade não é anarquia, nem imposição.
Liberdade é aquilo que quisermos, desde que assente no respeito pelo outro e na garantia de que todos têm igual oportunidade para se sentirem felizes e realizados.

Sejamos deste modo livres. Livres para amar sem exigir contrapartida.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada por dar vida a este blog.