A riqueza da poesia

Cá por casa, as patroas andam entusiasmadas a descobrir as palavras e a fazer rimas.


A Leonor revela algum jeito e gosta de o fazer enquanto assassina um cavaquinho velho que o avô lhe deu para brincar, o que faz com que a avó esteja convicta que virá a ser letrista.


Já a pequena Tita não passa de uma óbvia, e estafada, "Leonor, horror" que tem originado alguns momentos de tensão, a acrescer a todos os outros que se sucedem a ritmo frenético.


É a riqueza da poesia.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Um queixo suturado e um coração rachado

Hoje dei os meus impostos por bem empregues

Só Deus tem os que mais ama