Quem dera

Quem dera fosse perene a Primavera como efémera é a vida
Quem dera  corressem os amores em voltas concêntricas
Regressando incessantemente ao ponto de partida
E nele renascendo em dobro.

Quem dera fossem só sonho todos os males
Quem dera findassem a cada novo dia
Soçobrando perante o amanhecer
E nele se transformando em venturas.

Quem dera.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Este é para quem gosta de hamburguer´s e culpa sempre a vontade

12 anos, bodas de seda

Irrita-me a estupidez humana