Avançar para o conteúdo principal

Como tudo começou

Vou contar, então, como começou esta aventura. Em Outubro de 2008 (mais coisa menos coisa) surgiu-me uma espécie de "cravo" um pouco abaixo da mama direita. Como não sei estar quieta, mexi-lhe e tirei a crosta (bela imagem). À medida que os dias foram passando, aquele "cravo" tornou-se uma ferida horrível. Fiquei com um belo sentimento de culpa e fartei-me de levar nas orelhas do meu amado.

O diagnóstico inicial foi de furúnculo e a explicação para o facto de os antibióticos não fazerem efeito, a de serem mais fracos do que aqueles que seriam, normalmente, receitados, em virtude de estar grávida.

Até que numa consulta de dermatologia o médico me disse "minha querida, vou ter de lhe fazer uma biópsia". Fiquei super nervosa, grávida e sem nunca ter levado uma anestesia (que não fosse aquelas dos dentistas). Acho que nunca me tinha sentido tão desprotegida, ali deitada na marquesa. O pobre do médico também estava aflito, era a 1.ª vez que tinha uma grávida naquelas circunstâncias e, ainda por cima, lavada em lágrimas. Enquanto administrava a anestesia ia-me fazendo festas com o cotovelo.

Lá fiz a biópsia e, no dia seguinte, telefona-me o médico a dizer que seria necessário fazer mais exame à amostra recolhida, exames esses que ficariam caros. Cheirou-me logo a esturro e claro que autorizei.

Passados mais dois dias, perguntou-me se iria sózinha receber o resultado. Respondi-le logo, "até ia, mas face a essa pergunta..."

Lá fui eu com o meu super marido que, sem eu saber, já lá tinha estado na véspera. Depois de me transmitir o diagnóstico, utilizando aqueles termos técnicos completamente ininteligíveis por uma leiga como eu, lá disse "minha querida, amanhã tem de vir comigo". Onde? Ao IPO. Até àquele momento, desconhecia completamente o facto de o meu médico trabalhar no IPO.

Só me lembro de sair do consultório e dizer ao meu marido "C`um caneco, não era assim que eu imaginava viver a minha primeira gravidez" e depois pensar "como é que vou contar isto aos meus pais e avós, não posso dar-lhes este desgosto". Nem chorei na altura (eu que sempre fui uma chorona). Mais tarde vim a perceber que o meu cérebro bloqueou a informação e só com o tempo tem vindo a desbloqueá-la.

Nessa noite, aconteceu-me uma das mais belas experiências da minha vida, a de sentir a Leonor pela 1.ª vez (estava grávida de 19 semanas). Nada é por acaso e acredito que foi a maneira de ela me dizer "faz a tua parte, que eu estou bem".

A decisão no IPO foi a de remover a lesão com anestesia local e acompanhar-se até final da gravidez para aí fazerem uma série de exames.

Lá fui eu para o bloco, com o médico a cantar música latina e as enfermeiras super divertidas e carinhosas. Ao mesmo tempo que era operada, tinha a mão esquerda na barriga e sentia a minha princesa a mexer. A sensaçção inexplicável. Em todos os momentos em que fiquei mais vulnerável, a Leonor fez-se sentir ao pontapé (minha querida brutinha) e obrigou-me a reagir. Tinha mesmo de reagir, afinal tinha a maior das responsabilidades, trazer a Leonor ao mundo.

Bem, não vou alongar-me mais. Tenho de repartir a novela por vários episódios, embora o risco de ficar sem tema ser, dadas as circunstâncias, praticamente nulo.

Comentários

  1. Amiga, és um exemplo de vida, coragem e determinação.
    Contigo, reaprendemos a amar e a saborear o valor das coisas simples.
    Sei que vais vencer, porque acreditas e és uma pessoa de garra e de fé.
    A vida merece-te!
    Obrigada por partilhares connosco as tuas emoções, porque assim, apesar da distância, sentimo-nos tão perto.
    bejo grande e sabes que rezo para ti.

    ResponderEliminar
  2. Susana, muito obrigada pela visita ao meu blog. Comecei agora a ler a sua história e já sei que não vou largar.
    A minha filha também é uma Leonor. Um pouquito mais velha do que a sua: a minha tem 20 anos... hehehe
    Um beijinho e só lhe desejo bem

    Ah, outra "coincidência": a minha mãe também nasceu a 13 de Maio... de 1929 (tem 80 anos)

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Obrigada por dar vida a este blog.

Mensagens populares deste blogue

Este é para quem gosta de hamburguer´s e culpa sempre a vontade

Antes de mais devo dizer que ninguém me encomendou o sermão, juro.
Há poucos meses uma jovem (empreendedora e altruísta) que me dá a honra de ser minha amiga, resolveu por-se ao caminho e reabrir a Culpa da Vontade, uma hamburgueria 5 *.
Com esta decisão criou o seu emprego e deu emprego a outros. Ajudou outros negócios na freguesia (lembro-me do talho, por exemplo) e alegrou muitas almas (toda a gente sabe que um bom hamburguer é algo faz ressuscitar mortos).
Passados poucos meses, o negócio (recém nascido) apanhou com este tsunami que nos está a abalar.
Em vez de se deixar abater, aquela jovem empreendedora e altruísta reinventou o modelo de negócio e voltou (agora) com serviço de take away e entregas ao domicílio.
Fiz questão de dizer "presente" no primeiro dia e posso assegurar que a qualidade é a mesma de sempre e as medidas de higiene das melhores e mais rigorosas que tenho visto por aí.
Por isso malta que gosta de hamburguer´s é correr e fazer a encomenda. Não se arr…

12 anos, bodas de seda

Há 12 anos, quando dissemos o sim, estávamos longe de imaginar mais de 99% daquilo que o caminho a dois nos iria trazer.
Não nos passava, certamente, pela cabeça vir a celebrar as bodas de seda separados por milhares de kms.
Aconteceu, e acredito não ter sido por acaso. Tal como acredito que estás aí, do outro lado, a pegar num dos copos para brindar.
Parabéns a nós, que entre altos e baixos temos seguido sempre em frente. Unidos, apesar da geografia parecer querer dizer o contrário.

Irrita-me a estupidez humana

Ao sair do carro deparei-me com este lindo cenário. Por mera casualidade não pisei as luvas de alguém muito preocupado em proteger-se a si próprio esquecendo-se que isso de nada adiantará se não se lembrar dos outros e do meio ambiente em que vive.
Estamos todos no mesmo barco ou não?
Irrita-me a estupidez humana!