Avançar para o conteúdo principal

Reflexões sobre o Aborto

Quando, em 2007, participei activamente na campanha pelo NÃO ao aborto, nos termos em que viria a ser regulamentado, estava longe de saber como essa questão viria a tocar a minha vida.

Desde o momento em que soube que estava grávida, começou a aumentar em mim a certeza de que tinha feito a opção correcta ao lutar pelo NÃO que, infelizmente, acabou por ser derrotado.

Sabiam que tinha a Leonor 8 mm e já se ouvia o seu coração bater? Que não tinha, ainda, forma humana e já se percebiam as batidas do coração, qual pirilampo cintilante?

Não quero julgar quem opta por abortar. Há histórias que são demasiado dramáticas e não sou ninguém para julgar quem quer que seja. Não posso é deixar de me entristecer, pois continuo convicta que grande parte dos abortos se devem à incapacidade da sociedade (que somos todos nós) apoiar quem fica numa situação de vulnerabilidade tal que opta por pôr termo a uma vida.

Já pouca coisa me irrita, mas fico fula quando vejo certas figuras públicas orgulhosas pela vitória do SIM. O facilitismo é, em minha opinião, um retrocesso da humanidade e não uma conquista.

Eu era (para muitas mentes que se dizem modernas e defensoras dos direitos das mulheres) uma óptima oportunidade de aborto. A minha mãe tinha 19 anos, o meu pai 22, quando surgiu uma gravidez inesperada, estavam os dois desempregados.

Coitados, ficaram com a vida estragada, terão pensado muitos.

Se ficaram não se nota nada, tanto é o amor que me deram e dão. Se calhar são masoquistas, também pode ser isso. Prefiro pensar que sentem ter tomado a decisão correcta quando foram à luta.

Fico espantada com a facilidade com que se pergunta, como me perguntaram a mim "porque não abortas?"

Sei que correu o boato que eu estaria a cometer uma loucura ao colocar a minha vida em risco, por não interromper a gravidez. Por mais romântica e heróica que a ideia pareça, tenho de esclarecer que essa questão nunca foi colocada pelos médicos que me acompanham no IPO.

A Leonor nunca pôs a m/ vida em risco, embora me tenha mandado para o hospital com uns golpes de Karaté nos rins (mas isso fica para outro post).

Antes pelo contrário. É bem provável que o meu "pequeno milagre" (como lhe chamou a pediatra) me tenha salvo a vida, pois a alteração hormonal que ocorre durante a gravidez certamente ajudou a desmascarar o Sr. Hodgkin.

É possível que venha a necessitar das suas células estaminais.

Como disse alguém "a mãe deu-lhe a vida e ela salvou a vida da mãe".

Agora, mais do que nunca, dou valor à vida. Agora, mais do que nunca, defendo a vida. Agora, mais do que nunca, lamento a vitória de argumentos demagógicos, facilitistas e enganadores.

Carpe Diem

Comentários

  1. Minha gd amiga! tu sabes ke gosto mt de ti, e vou estar sempre do teu lado. tb acho que a tua filha, e o teu maior tesouro(eu propria tenho 2 e sao a minha vida). Mas tu sabes que a minha posição kt ao aborto e oposta a tua. Nao concordo nada contigo. Mas e essa a beleza das verdadeiras amizades. Bjs gds.Suzzzzzzz

    ResponderEliminar
  2. Minha linda. Já pensaste em escrever um livro? Acho que devias ponderar essa possibilidade. As palavras fluem-te de uma maneira que chega a arrepiar. Ainda este fim-de-semana, a arrumar umas gavetas, dei de caras com aquele pequenino feto que me deste em 2007 e lembrei-me de ti. Beijos da tia Eva

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Obrigada por dar vida a este blog.

Mensagens populares deste blogue

Este é para quem gosta de hamburguer´s e culpa sempre a vontade

Antes de mais devo dizer que ninguém me encomendou o sermão, juro.
Há poucos meses uma jovem (empreendedora e altruísta) que me dá a honra de ser minha amiga, resolveu por-se ao caminho e reabrir a Culpa da Vontade, uma hamburgueria 5 *.
Com esta decisão criou o seu emprego e deu emprego a outros. Ajudou outros negócios na freguesia (lembro-me do talho, por exemplo) e alegrou muitas almas (toda a gente sabe que um bom hamburguer é algo faz ressuscitar mortos).
Passados poucos meses, o negócio (recém nascido) apanhou com este tsunami que nos está a abalar.
Em vez de se deixar abater, aquela jovem empreendedora e altruísta reinventou o modelo de negócio e voltou (agora) com serviço de take away e entregas ao domicílio.
Fiz questão de dizer "presente" no primeiro dia e posso assegurar que a qualidade é a mesma de sempre e as medidas de higiene das melhores e mais rigorosas que tenho visto por aí.
Por isso malta que gosta de hamburguer´s é correr e fazer a encomenda. Não se arr…

12 anos, bodas de seda

Há 12 anos, quando dissemos o sim, estávamos longe de imaginar mais de 99% daquilo que o caminho a dois nos iria trazer.
Não nos passava, certamente, pela cabeça vir a celebrar as bodas de seda separados por milhares de kms.
Aconteceu, e acredito não ter sido por acaso. Tal como acredito que estás aí, do outro lado, a pegar num dos copos para brindar.
Parabéns a nós, que entre altos e baixos temos seguido sempre em frente. Unidos, apesar da geografia parecer querer dizer o contrário.

Irrita-me a estupidez humana

Ao sair do carro deparei-me com este lindo cenário. Por mera casualidade não pisei as luvas de alguém muito preocupado em proteger-se a si próprio esquecendo-se que isso de nada adiantará se não se lembrar dos outros e do meio ambiente em que vive.
Estamos todos no mesmo barco ou não?
Irrita-me a estupidez humana!