Fofinho

O meu marido que me perdoe, mas há coisas que têm de ser ditas. O Pablito (Pablo Alborán para os menos conhecidos) é fofinho. No domingo armei-me em mãe moderna e independente. Deixei marido e criação em casa e fui ao concerto. Para dizer a verdade, não tinha grande vontade de ir. Fui pela companhia (minhas queridas Filipinha e Aidita), mas tenho de admitir que a coisa superou as minhas (baixas) expectativas. O miúdo é afinadinho, simpático e (pelo menos pelo que me pareceu)nada pedante, o que, perdoem-me nuestros hermanos, não é lá muito frequente na outra ponta da Península Ibérica. Quanto à Carminho, bem, a mulher tem um vozeirão que é fenomenal. Gostei.

Comentários

  1. Olá Susana, fizeste muito bem em dar uma voltinha e estou certa, que para a próxima, vai custar menos, deixar as princesas que o pai.

    beijocas.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Obrigada por dar vida a este blog.

Mensagens populares deste blogue

Um queixo suturado e um coração rachado

Hoje dei os meus impostos por bem empregues

Só Deus tem os que mais ama