Avançar para o conteúdo principal

Sobre a manifestação de dia 15

Não vou à manifestação de dia 15. Não porque não sinta a crise (que sinto), não porque concorde com as medidas de austeridade (que não concordo).

Não vou, primeiro porque não acredito que esse tipo de manifestações produza efeitos, depois porque sou rapariga mais recatada no que à defesa de ideais diz respeito.

A crise não nasceu hoje, muito menos os erros de gestão e o mau (des)aproveitamento (pela classe polítca e não só) de dinheiros públicos. Lembremo-nos dos casarões, que por aí se vêem, construídos nos tempos das vacas gordas, à custa dos dinheirinhos que a CEE mandava para alavancar a nossa economia.

Temos de fazer alguma coisa para mudar o estado de coisas, sem dúvida. Só não acredito que esta manifestação venha a ajudar em alguma coisa.

Apesar disso, gostei muito da forma como a manifestação está a ser divulgada no facebook onde li um texto do qual retive algo do género "Não será bem vindo quem tiver intenção de causar distúrbios".

É que me preocupa imenso o incitamento, que se está a generalizar, à revolta e a reacções como as dos gregos e dos espanhóis.

Parece-me que está a ser feita uma grande confusão entre brandos costumes e "culpa" pelo agravamento da crise, como se gritar e partir montras fosse panaceia para este mal que nos assola.

Posso estar redondamente enganada, mas se há algo que nos tem safado é, precisamente, o bom senso.

Não vou à manifestação mas, embora descrente quanto aos seus frutos, apoio incondicionalmente todos os que, de forma pacífica, nela participarem.

Não vou à manifestação mas farei aquilo que estiver ao meu alcance para que todos nós consigamos ultrapassar mais uma crise com o mínimo de mossas possíveis.






Comentários

  1. São pessoas como tu que fazem a merda da mentalidade que temos neste pais!!
    Conforma-te com a vidinha que tens!! Conforma-te com o que te tiram diariamente porque daqui a nada andas a comer as pedras da calçada e mesmo assim vais-te manter calada porque achas que uma manifestação nunca vai dar em nada!!
    Mentalidades como a tua deviam ser banidas da sociedade! É por isso que este país esta na miséria....por ter um governo ladrão e um povo tão cobarde!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seja bem vindo sr./ sr.ª anónimo (a)? das 15:55 que, por contraposição a mim (faço parte dos cobardes), é tão valente e superior?

      Que tal apresentarmo-nos?

      Já agora, e por curiosidade, onde é que leu a palavra conformismo?



      Eliminar
  2. Miséria sempre houve e sempre vai haver, mas mais do que a miséria física preocupa-me a miséria espiritual e a miséria de valores! Acredito que para fazer-mos deste país e deste mundo um sítio melhor começa por educar-mos, nos valores e na solidariedade, os nossos filhos e as nossas crianças/jovens. Só o amor e a solidariedade, uns pelos outros, nos podem levar à vitória. E com isto não quero dizer que não apoie as manifestações, claro que apoio, são um direito de todo o cidadão, mas penso que existem muitas e variadas maneiras de nos manifestar-mos, a começar pela mais importante: o voto. A manisfestação nas ruas, quando pacífica, pode trazer alguns frutos, mas quando violenta, resultado facilmente alcançável, não passa de puro vandalismo!

    Beijinho grande, Susana! ;)

    ResponderEliminar
  3. Susanam estava eu a pensar em escrever um comentárioa para dizer que não concordava muito ctg, quando li o comentário de um idiota, que acho sinceramente que devias apagar.

    Era só o que faltava....numa democracia, as pessoas são livres de não se manifestarem.

    Eu por acaso até fui, em Leiria, eu por acaso até acho que valeu a pena, mas era só o que faltava vir um palerma deixar comentários deste teor, aqui no teu nosso/cantinho.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Obrigada por dar vida a este blog.

Mensagens populares deste blogue

Este é para quem gosta de hamburguer´s e culpa sempre a vontade

Antes de mais devo dizer que ninguém me encomendou o sermão, juro.
Há poucos meses uma jovem (empreendedora e altruísta) que me dá a honra de ser minha amiga, resolveu por-se ao caminho e reabrir a Culpa da Vontade, uma hamburgueria 5 *.
Com esta decisão criou o seu emprego e deu emprego a outros. Ajudou outros negócios na freguesia (lembro-me do talho, por exemplo) e alegrou muitas almas (toda a gente sabe que um bom hamburguer é algo faz ressuscitar mortos).
Passados poucos meses, o negócio (recém nascido) apanhou com este tsunami que nos está a abalar.
Em vez de se deixar abater, aquela jovem empreendedora e altruísta reinventou o modelo de negócio e voltou (agora) com serviço de take away e entregas ao domicílio.
Fiz questão de dizer "presente" no primeiro dia e posso assegurar que a qualidade é a mesma de sempre e as medidas de higiene das melhores e mais rigorosas que tenho visto por aí.
Por isso malta que gosta de hamburguer´s é correr e fazer a encomenda. Não se arr…

12 anos, bodas de seda

Há 12 anos, quando dissemos o sim, estávamos longe de imaginar mais de 99% daquilo que o caminho a dois nos iria trazer.
Não nos passava, certamente, pela cabeça vir a celebrar as bodas de seda separados por milhares de kms.
Aconteceu, e acredito não ter sido por acaso. Tal como acredito que estás aí, do outro lado, a pegar num dos copos para brindar.
Parabéns a nós, que entre altos e baixos temos seguido sempre em frente. Unidos, apesar da geografia parecer querer dizer o contrário.

Irrita-me a estupidez humana

Ao sair do carro deparei-me com este lindo cenário. Por mera casualidade não pisei as luvas de alguém muito preocupado em proteger-se a si próprio esquecendo-se que isso de nada adiantará se não se lembrar dos outros e do meio ambiente em que vive.
Estamos todos no mesmo barco ou não?
Irrita-me a estupidez humana!