Uma pessoa pensa que tem amigas ...

Uma pessoa vem para aqui desabafar (como fiz no post anterior), a pensar que tem amigas, e só ouve piadinhas foleiras sobre chaves e outros esquecimentos.

Podem ficar descansadas, amigas elitianas, que nunca mais me esqueci das chaves.

Aliás, guardo-as tão ciosamente que andei a semana passada toda sem saber onde.

Depois de, entre outras coisas,  ter levado para Lisboa o molhe de chaves do marido (deixando-o, juntamente com as crias, a secar em casa dos meus pais), vim a descobrir que as fofinhas estiveram desde sempre  juntinhas a mim.

Guardei-as quase com a própria vida, na carteira. O sítio mais óbvio, e por isso menos evidente.

Já o telemóvel, descobri-o (também na semana passada) no bolso de um casaco. Mas esse só esteve perdido dia e meio.

Pior, pior foi a pêpê da Tita que esteve uns dias largos no bolso de um pijama. Isso, sim, é grave que uma criança sem a sua pêpê torna-se, potencialmente, violenta.





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Para a Luísa

Até ao céu

3 professores em 4 anos!