domingo, 30 de junho de 2013

Tchim tchim, aí onde estejas

Farias hoje anos, cá na terra, se a luta não te tivesse obrigado a partir.

Por cá, não te esquecemos, nem hoje nem nunca.

Apesar de a saudade ser uma constante, e frequente o impulso de te telefonar para contar o que me vai acontecendo, sei que estás bem.

E é isso que me conforta, padrinho, depois de tanto te ter visto sofrer.

Tchim, tchim aí onde estejas.

1 comentário:

Obrigada por dar vida a este blog.