terça-feira, 6 de agosto de 2013

Falta-me o sangue quente das gentes do Norte

Dificilmente páro o carro em 2.ª fila para ir tratar de algum assunto. Mesmo que chova torrencialmente e tenha de levar as meninas à escolinha, o que já aconteceu várias vezes, procuro lugar para estacionar e sujeito-nos à, consequente, molha. Acho que é uma questão, básica, de respeito pelos outros. Claro que, em certas circunstâncias, consigo perceber quem o faça. Entre essas circunstâncias não está, porém, a necessidade de tomar café e fumar um cigarrinho. Esta manhã, depois de entregar as pequenas, cheguei ao carro e tinha outro a trancar a saída. Pensei que pudesse ser de algum pai que tivesse ido levar o filho ao infantário e esperei, esperei, esperei. Ainda buzinei, mas de nada me valeu. Lá resolvi ir colar o nariz ao vidro do dito carro (por azar o raio do vidro era escuro) e percebi que no interior não existia nenhuma cadeirinha de bebé. A bufar por todos os lados, atravessei a estrada e fui direitinha ao café onde estava o dono do carro a satisfazer as suas necessidades de cafeína e nicotina. Nunca, como naquele momento, lamentei tanta a falta do sangue quente das gentes do norte. Aquele senhor merecia ter ouvido um ralhete. E eu, parva, não lho dei. Já nem falo em ver o carro arrastado pelo meu, coisa que cheguei a pensar fazer mas rapidamente me passou da ideia especialmente porque o meu carro tem pára-choques metalizados (ou lá o que é). Mas umas verdades devia ter dito. Talvez não produzissem efeito no senhor, mas a mim aliviavam-me.

1 comentário:

  1. A mim também me falta o sangue quente, especialmente aqui porque ainda não domino a língua a 100%. Digamos que ainda não aprendi a dar sermões em sueco, mas lá chegarei!

    ResponderEliminar

Obrigada por dar vida a este blog.