quinta-feira, 31 de julho de 2014

Família em reestruturação

Os últimos dias têm sido complicados para a família.


O nosso patriarca ficou acamado e estamos todos feitos baratas tontas, a tentar perceber a melhor forma de lhe dar todo o conforto possível.


A solução pode parecer óbvia, mas está longe de o ser já que existem muitas variáveis envolvidas.


Encontrar um ponto de equilíbrio entre a imposição da nossa presença (porque decididamente necessitam dela) e respeitar a vontade de alguém que se nega a aceitar as suas limitações é muito complexo.


A luta é, assim, a de garantir a qualidade de vida possível e respeitar a sua dignidade.


Apesar de sabermos que poderia acontecer, não estávamos minimamente preparados para isto.


Durante a gravidez procura-se informação na net e até se frequentam cursos para aprender a pegar no bebé, dar-lhe banho e comida.


No envelhecimento isso não acontece.


Está está a ser uma fase em que me tenho questionado muito e até posto em causa muitas das coisas em que sempre acreditei.


Uma coisa é certa, a nossa sociedade não está preparada para cuidar de idosos (que são cada vez em maior número).


Isto para não falar nos custos que envolve e que poucas famílias terão possibilidade de suportar.


Nos próximos tempos, a minha partilha de experiência vai passar muito por esta questão.


Falar das meninas tem muita mais piada (e histórias não faltam), mas sinto que é mesmo importante falar destas questões.


Fico a aguardar também pelas experiências de quem vai lendo este blogue.







6 comentários:

  1. Sei que é um processo muito doloroso..... e apoios? népias!!!

    Só posso desejar-te muita força e coragem e que na dúvida, optes sempre pelo Amor!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada minha querida. Amor há e muito. é o que vai valendo. beijinhos

      Eliminar
  2. Olá Susana.
    Sei bem como te sentes,a minha avó esteve acamada 11 anos e foi muito dificil para toda a familia,ainda foi para um lar mas pouco tempo depois tivemos que a tirar,ela não queria estar lá e a situação piorou muito.A unica pessoa para quem ela olhava e falava era comigo porque achava que como eu era neta não tinha culpa de ela lá estar,a culpa era toda dos filhos.
    Em casa foram anos muito dificieis,chegou a um ponto que deixou de falar e só gritava.Não desejo a ninguém o que a minha mãe e os meus tios passaram.Entretanto a doença do meu pai também se agravou "tinha cancro de pele"esteve 7 meses em casa acamado,ainda faleceu primeiro que a minha avó.
    Susana só te posso dizer que é preciso muita força e coragem para lidar com esta situação.O meu pai era muito bom de tratar.A minha avó era uma pessoa muito revoltada e quando as pessoas são assim tudo é mais complicado.
    Só te posso desejar muita força para toda a familia.
    Beijinhos para ti e para tua mãe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Natália, O meu avô é um paciente complicado. Estamos a fazer tudo para o manter em casa. Vamos ver se conseguimos, pois é complicado. Para já contratámos uma empresa que presta serviços de apoio geriátrico. Um beijinho grande

      Eliminar
  3. Nunca tive ninguem da minha familia acamado, em lares sim, mas não acamados.

    ResponderEliminar

Obrigada por dar vida a este blog.