terça-feira, 31 de março de 2015

Para memória futura

Ontem pus a Leonor a chorar. E tudo com uma brincadeira estúpida pela qual já me penitenciei mil vezes.

No meio de uma conversa, perguntei se quando casasse podia ir viver para casa dela. Respondeu-me que não (parece que já interiorizou o sábio "quem casa quer casa").

Eu, parva, comentei que não acreditava que ia abandonar a mãe (este comentário faz-me lembrar alguém e não é a minha mãe).

A reacção da Leonor foi um mar de lágrimas e um agarrar forte às minhas pernas, ao mesmo tempo prometia que não me queria abandonar. Que ia viver na casa dela, mas nos veríamos muitas vezes.

E lá fiquei eu com um sentimento, estúpido e misto, de culpa e esperança/medo.

Culpa por a ter feito chorar. Esperança/medo por querer acreditar que nunca me vai abandonar (ou receio que o faça ainda que, somente, na fase da parvalheira que é normalmente a da adolescência).

1 comentário:

Obrigada por dar vida a este blog.