terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Meninos especiais e Meninos "normais"

 
Na escola das minhas meninas existe uma unidade de autismo. Ou seja, existem meninos com diversos graus de autismo que, com o devido acompanhamento, frequentam as mesmas aulas e actividades que os ditos meninos "normais".

Os professores chamam-lhes meninos especiais e essa designação, para mim ternurenta, já foi interiorizada pelas minhas meninas.

Esta convivência é, em minha opinião, muito saudável para todos e, no caso dos meninos "normais" diria até ser essencial à sua formação cívica. Refiro-me ao autismo mas podia estar a referir-me a outro tipo de diferença, naturalmente.

Acho esta constatação tão óbvia que ainda não consigo deixar de me chocar quando vejo pais muito ofendidos por os seus meninos "normais" terem de partilhar momentos com os meninos especiais como se o problema fosse daqueles e não destes.

Duvido até que a intolerância os impeça de parar para pensar e, sendo crentes ou não, agradecer a enorme felicidade de ter um filho "normal" ou cujos problemas de saúde se resumam a otites e pele atópica.

Por outro lado fico imensamente feliz por ver que a experiência é riquíssima para os meninos "normais" e não é à toa que, no meio de um conflito, conseguem distinguir e quantificar proporcionalmente as "culpas" dos intervenientes consoante sejam "normais" ou especiais.

É necessário saber conviver com a diferença, aceitá-la e, acima de tudo, respeitá-la.

Pessoalmente não tive possibilidade de conviver com meninos especiais o que, admito, me causa alguma dificuldade na reacção a ter quando agora me cruzo com algum.

É difícil lidar com a diferença, sem dúvida mas que isso não seja sinónimo de intolerância e ostracismo. Se não for pela capacidade de nos colocarmos nos sapatos do outro, que seja pelo facto de nunca sabermos quando é que a diferença nos baterá à porta.



1 comentário:

  1. Estou inteiramente de acordo! Só acho pena que as escolas públicas não tenham mais meios de poderem ajudar os meninos especiais, o que torna tudo muito complicado, às vezes!

    ResponderEliminar

Obrigada por dar vida a este blog.