A relação laboral e os trabalhadores sobreviventes de cancro

Para uma jurista amante de direito do trabalho, e simultaneamente sobrevivente de cancro, o tema que escolhi como título deste post é apaixonante.

A doutrina começa finalmente a tratá-lo com  passos pequeninos, numa altura em que os sobreviventes são em cada vez maior número (hip hip urra) e, consequentemente, aumenta o risco de discriminação.

Estando numa fase em que não nego elogios e agradecimentos (o que faz ser sobrevivente), tive a alegria de agradecer pessoalmente à professora Milena Rouxinol, pelo estudo da temática no qual está a ter em conta um facto muito fácil de compreender. O trabalho é, em muitos casos, uma espécie de terapia.

Há quem trabalhe durante a quimio, há quem queira regressar ao trabalho logo que termina os tratamentos. Trabalhar não só permite que percamos tempo a alimentar minhoquices na cabeça como nos faz sentir vivos e normais.

A nossa legislação já proíbe a discriminação no trabalho, mesmo sem falar em cancro, mas não está de facto preparada para dar resposta a questões práticas do dia a dia.

Imaginem um simples exemplo de ordem prática, que tantas vezes sucede. Um sobrevivente que está apto para o trabalho mas tem de faltar ao mesmo 2 vezes por mês, para análises e tratamento. Quem paga esses dois dias de trabalho, 22 num ano?

Não será isto uma forma de discriminação?


Vejam ESTA entrevista. Um tema do futuro, de facto.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Lanche partilhado

5 anos passados estou cá para contar a história

Um queixo suturado e um coração rachado