A minha hora de almoço

Para mim, a hora de almoço é sagrada (como a do pequeno almoço e jantar, de resto).

Sou incapaz de perceber quem a aproveita para ir ao cabeleireiro, ginásio ou afins. Detesto comer depressa, especialmente se for de pé.

Provavelmente por estar mal habituada e continuar a ter a sorte de ir almoçar a casa dos pais, que vieram substituir os avós, o que me permite aproveitar o aconchego da família e ter uns minutinhos de sossego para ler o jornal.

Hoje, Dia Mundial da Alimentação, recordo com particular carinho os almoços em casa dos meus avós, ao som das notícias e discussões hilariantes sobre a origem etimológica de certas palavras e outros factos mais, ou ainda menos relevantes.

Fosse qual fosse a hora a que chegasse, a minha avó voltava para a cozinha para me fazer companhia e não me deixava levantar um guardanapo, mandando-me ir ler um bocadinho do jornal para "descansar antes de voltar ao trabalho".

Não há como não sentir saudades deste mimo que continuo a receber, agora dos meus pais, ainda que de forma mais subtil.

Fui e sou uma mimada sem dúvida, e depois de ficar a saber que os portugueses têm a hora de almoço mais longa da Europa, ainda me sinto mais privilegiada.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Para a Luísa

Até ao céu

3 professores em 4 anos!