domingo, 3 de junho de 2012

Dura realidade

Esta noite tive autorização para dormir no quarto "do papá e da Tita". A autorização foi meramente tácita e relacionou-se com o facto de a Leonor ter adormecido sózinha, tal era a exaustão ao final de um dia em que não dormiu a sesta. Estava eu a dormir profundamente quando, pelas 5 da manhã, a pequena desatou aos gritos "mamã, onde estás? quero que venhas para aqui!". Completamente atordoada, vou a correr escadas abaixo (não sei como ainda não me espatifei toda nestas minhas corridas nocturnas). Quando me sentiu no quarto (sim, porque nem se dignou olhar para mim), o discurso mudou "a minha pêpê, quero a minha pêpê". Encontrada a dita cuja, pu-la na boca e virou-se para o lado, continuando a dormir placidamente. Nestes entretantos, colocou a minha integridade, física e psicológica, em risco. Fartei-me eu de ler coisas sobre criancinhas, nomeadamente que não as devemos deixar sózinhas, a chorar, muito tempo para que não se sintam inseguras e é esta a paga. Uma escrava é o que eu sou.

2 comentários:

  1. são mesmo as "Leonorices"! Haja paciência. bj

    ResponderEliminar
  2. É quase como as minhas noites. No nosso caso é a Carolina que n m e larga. Esta semana tive direito a duas noites seguidas sem os gritos dela a chamarem por mim, e nem quis acreditar! Agora sem marido em casa acordo com duas crianças na cama e nem dou por ela quando se deitam ao meu lado a meio da noite!
    Pensa no seguinte, daqui por 10 anos ela n te quer por perto!
    Jinhos da Galinhola!

    ResponderEliminar

Obrigada por dar vida a este blog.